ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

CCPR tem até o fim do mês para pagar os 50% da Itambé

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a compra pela Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR) da fatia de 50% que pertencia à Vigor, controlada pela J&F. A decisão foi publicada ontem no Diário Oficial da União (DOU).

A operação aprovada pela superintendência do Cade se refere ao exercício do direito de preferência pela CCPR, que tinha 50% da Itambé, em função da venda da Vigor para a mexicana Lala. Com isso, a CCPR voltará a ter o controle da companhia de lácteos, que vendera em 2013 para a Vigor, por R$ 410 milhões.

A CCPR terá de pagar R$ 600 milhões pela recompra de participação na Itambé. E como o negócio entre Lala e Vigor já foi concluído, agora o pagamento será feito à empresa mexicana.

Originalmente, a central tinha até 20 de outubro passado para pagar pela participação adicional, do contrário ficaria sujeita a uma multa de R$ 200 milhões. Mas vinha encontrando dificuldades para obter o financiamento e no dia 16 de outubro protocolou no Cade os documentos relativos à aquisição da fatia de 50% que a Vigor tinha na Itambé. Com isso, ganhou mais tempo para buscar fontes de financiamento.

Embora o Cade tenha decidido pela aprovação da recompra dos 50% da Itambé sem restrições, há um prazo de 15 dias a partir da publicação no DOU para eventuais recursos, disse Joyce Midori Honda, do escritório Souza, Cescon, Barrieu & Flesch Advogados, que representou a CCPR no processo.

Para o Cade, o negócio "não altera, de modo relevante, a estrutura dos mercados afetados, seja em âmbito nacional ou no cenário mais restrito correspondente aos Estados de Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul". Assim, "entende-se, portanto, que a operação não tem potencial para geração de efeitos concorrenciais adversos nos mercados por ela afetados".

Na prática, a CCPR tem até o fim do mês para obter o dinheiro para financiar a recompra dos 50%. Isso porque o fechamento da operação depende do resultado da avaliação de eventuais recursos que sejam apresentados ao Cade, segundo a advogada. Conforme publicado ontem, a CCPR pediu financiamento ao Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) para a operação de recompra de 50% da Itambé.

Segundo o presidente do banco, Marco Aurélio Crocco, "o BDMG está analisando a possibilidade de concessão de empréstimo para essa operação da CCPR", mas (..) "o banco não dará o total de recursos necessários", disse.

Inicialmente, o Banco do Brasil estava à frente de um pool de bancos que iria financiar a CCPR. Mas o BB saiu da transação em razão do prazo curto para levantar os recursos necessários para a operação. Procurada ontem, a direção da CCPR não respondeu aos pedidos de entrevista.

As informações são do jornal Valor Econômico.


0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.