ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Casa do Pão de Queijo mira aeroportos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 15/09/2016

3 MIN DE LEITURA

0
0
A Casa do Pão de Queijo recorreu a uma antiga receita para contornar a queda de consumo. A empresa mineira, que operou exclusivamente com franquias por mais de uma década, voltou a abrir lojas próprias depois da concessão dos aeroportos, em 2013, e deve fazer disso o principal ingrediente para expandir o negócio nos próximos anos. Hoje, a companhia conta com cerca de 900 unidades no país - destas, só 20 são próprias.

casa do pão de queijo - pão de queijo

Os pontos que pertencem à empresa estão em quatro aeroportos do país - Guarulhos (SP), Viracopos (SP), Natal (RN) e Brasília (DF) - e, segundo estudo da consultoria Rosenberg, há espaço para mais 50 unidades próprias, inclusive em outras cidades. "A tendência é termos mais do que uma loja em um único terminal. Hoje são nove apenas no aeroporto de Guarulhos", diz Alberto Carneiro Neto, que preside a operação.

O negócio foi fundado pelo pai de Alberto, o engenheiro Mário Carneiro, em 1967. A receita mineira do pão de queijo é da mãe de Mário, Arthemia, retratada nos logotipos da marca.

A família detêm o controle integral do negócio desde 2010, depois de o Standard Bank Private Equity deixar os investimentos no Brasil por determinação do banco central da África do Sul, onde está sua sede. Na época, a autarquia proibiu instituições financeiras de comprar fatias de empresas no exterior, para proteger os correntistas de investimentos de risco. O Standard Bank havia adquirido a fatia do fundo Pátria, por R$ 70 milhões em 2009, e devolveu a participação aos fundadores.

A Casa do Pão de Queijo prevê estabilidade na receita que obtém com as franquias este ano, em comparação a 2015, em R$ 75 milhões. Prédios multiuso, centros empresariais e áreas hospitalares têm sido alternativas para abrir novas lojas, pois os shoppings diminuíram as inaugurações com a piora econômica e a disposição de consumo fora de casa caiu.

"A empresa nunca esteve tão preparada para crescer, com tantas respostas, mas quando o assunto é o país, somos pequenos em um contexto conturbado", diz Carneiro. "O drama do cenário econômico é a indefinição sobre o que precisa ser feito e a disposição a aprovar projetos. Embora tudo indique que o cenário está clareando, ninguém viu ainda mudanças da expectativa para a realidade", diz o empresário.

Ele prevê ao menos mais um ano de um cenário macroeconômico 'desafiador'. "Neste sentido, o aeroporto tem uma boa equação de eficiência e de resistência a um ambiente de custos elevados", afirma.

As lojas próprias têm faturamento de quatro a seis vezes superior às franquias, segundo o empresário. Dos 354 franqueados e 541 licenciados (que usam a marca em troca do pagamento de royalties), a empresa recebe apenas uma porcentagem das vendas, enquanto nas lojas próprias fica com a receita toda, excluídos os custos e as despesas. 

O faturamento nas unidades em aeroportos deve subir 40% este ano, para R$ 50 milhões. Em cinco anos, as lojas próprias serão 15% dos pontos de venda e responderão por 40% das receitas totais, de acordo com o plano de negócio.

A loja própria representará mais de 50% do crescimento previsto para os próximos anos. O modelo elevou de 200 para 700 os funcionários na folha de pagamento, sendo 500 balconistas. As unidades administradas pela própria rede têm sido parâmetro para novos projetos arquitetônicos e para testar equipamentos, como sanduicheiras, e embalagens. O investimento é feito com caixa próprio.

A Casa do Pão de Queijo já operou em terminais aéreos na década de 90. A empresa tem 27 lojas franqueadas em aeroportos pequenos e regionais e mais 20 unidades próprias nos terminais com muito fluxo, concedidos à iniciativa privada há cerca de três anos pela necessidade de modernização antes da Copa e da Olimpíada. O plano de expansão da empresa depende de novos projetos de concessão.

Para a rede de confeitarias O Melhor Bolo de Chocolate do Mundo, comprada em 2010, a ideia é manter o negócio pequeno. Hoje são dez unidades e minilojas (corners) nos pontos de venda da Casa do Pão de Queijo, quiosques e pontos de venda temporários, como "pop up stores" e "food trucks".

A companhia não descarta a vinda de um sócio, mas Carneiro afirma não ter conversas neste momento. A Casa do Pão de Queijo espera por um cenário melhor para pôr em prática o que tem aprendido. "Muita gente está esperando um momento melhor para investir. Nós somos um deles."

Vale a pena ler também: 

Pão de queijo: Forno de Minas se reinventa e conquista paladares exigentes no Brasil e exterior

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint