ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

BNDES prevê perdas no balanço com a LBR

O Valor divulgou ontem, (17/01) uma matéria em que apresenta a situação delicada a qual vem passando a LBR - Lácteos Brasil. Cita que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve fazer uma baixa contábil da ordem de R$ 700 milhões relativa à operação da LBR em seu próximo balanço.

Do montante investido pelo banco, R$ 450 milhões ficaram no caixa da LBR e outros R$ 250 milhões com a subscrição de debêntures conversíveis. O banco estatal detém uma fatia de 30,28% no capital da empresa.

Segundo a reportagem, no ano de sua criação, a LBR registrou um prejuízo líquido (atribuído aos acionistas) de R$ 305,5 milhões. No período, a receita líquida da LBR atingiu R$ 2,2 bilhões. E no final de 2011, a empresa de lácteos apresentou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) negativo e quebrou uma cláusula restritiva do contrato referente aos R$ 250 milhões adquiridos em debêntures conversíveis pelo BNDES, conforme atesta o último balanço trimestral divulgado pela Monticiano, controladora da LBR.

Pelos termos da emissão feita pela LBR, as debêntures adquiridas pelo BNDES têm seu saldo corrigido pelo IPCA e pagam juros anuais de 7,5%, acrescidos da taxa de inflação. A partir de 2016, a empresa deve pagar 20% do montante principal por ano. Os papéis vencem em 2020. Mas o contrato de debêntures previa um "gatilho" para o pagamento antecipado dessas debêntures. Se o índice de alavancagem (a relação entre a dívida líquida e o Ebitda) da LBR ficasse acima de quatro vezes, a empresa teria de quitar antecipadamente o saldo das debêntures com o BNDES, além da multa de 10% e juros. Foi o que ocorreu no fim de 2011. E para evitar o pagamento antecipado justamente no momento em que enfrenta problemas financeiros, a LBR fez um pedido de "waiver" - uma espécie de perdão por ter rompido o contrato - ao BNDES. A expectativa da Monticiano era que o "waiver" fosse concedido pelo banco até 31 de janeiro de 2012. Mas o BNDES ainda não analisou o pedido.

Os dados disponíveis sobre o ano passado trazem indícios nada animadores. Em 12 de novembro de 2012, a BNDESPar publicou seu balanço trimestral, no qual reportou que a Lácteos Brasil obteve um prejuízo de R$ 301 milhões entre janeiro e julho. Trata-se de uma perda similar à registrada em todo o ano de 2011. No documento, o BNDES já provisionava uma perda de R$ 14,7 milhões com a LBR. A empresa não comentou o assunto.

A matéria é do Valor, resumida e adaptada pela Equipe MilkPoint.
 

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE GILBERTO VIAL

ALEGRE - ESPÍRITO SANTO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 14/02/2013

Realmente deve haver algum interesse politico por tras disso.

Onde estao as pessoas que se dizem governar esta nação.?

Estes grupos acabam desestabilizando todo o setor que ja é muito disperso e problematico.

O produtor acredita  e depois fica chorando sobre o leite derramado!

Que absurrrrrrrrrrrrrdo!!!!!

Cadê os homens de bens deste pais para tomar providências?
JUNIOR CATANDUVA

GOVERNADOR VALADARES - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/01/2013

Teodoro Sampaio,


Mas o principal culpado dessa situação, é o próprio produtor de se "iludir" com esse preços que não existem.


Mas tem aquela frase que eles costumam falar: "não recebi o pagamento ainda, mas pelo menos vendi caro".


Olha a próxima Nilza aí minha gente.


PEDRO CARLOS CANI

VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 24/01/2013

é UMA VERGONHA!!!!!
DIEGO DANTAS COLNAGO

TEODORO SAMPAIO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 24/01/2013

Não da para entender, e ainda oferecem R$ 1,05 no litro de leite ao produtor......


Todas empresas trabalhando dentro do mercado, e a LBR lider na contra mão,apenas iludindo o produtor,ai não tem conta que fecha no positivo mesmo...
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/01/2013

Eduardo, voce disse a pura realidade!


abraços,


Roberto
PAULO R. F. MÜHLBACH

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/01/2013

LeitBOM  +  BOM Gosto, afinal,  foi, ou está sendo BOM, prá quem?
VIVIANE LEIRIA

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL

EM 23/01/2013

Somos uma agência prestadora de serviços para a LBR, contratamos promotores terceirizados para a reposição de produtos da LBR em supermercados do RS. Fazem 3 meses que não recebemos o pagamento de salários dos promotores. Não são só os produtores que não estão recebendo...acho que todos.....isto é o final do mundo. Ligamos para eles e todos os dias dizem a mesma coisa, estamos verificando, estamos em reunião...pagar que é bom...nada. Alguém tem que tomar alguma providência...Empresas de grande porte acabam quebrando as de pequeno porte.
JOÃO MARCOS GUIMARÃES

CARRANCAS - MINAS GERAIS

EM 22/01/2013

O BNDES injeta grandes somas de dinheiro em empresa com problemas que se une a outra empresa com problemas, essa soma resulta numa grande empresa e um grande problema.  O BNDES deveria fazer empréstimo à empresa pequena com potencial de crescimento, com isso criaria mais emprego e daria mais confiança ao produtor de leite. Muitas vezes razões políticas norteiam esses empréstimos.


Depois que escrevi este texto li o texto do Elton Moreno, seguimos a mesma linha de raciocínio e concordo plenamente com ele.
CLAUDIA CAMPOS DUQUE

POUSO ALTO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/01/2013

Vendemos o leite pra da mata, ainda não pagaram o leite de dezembro. No final das contas tudo cai nas costas do produtor que não tem garantia e paga a conta da má administração dessas empresas.

Foi assim com a nilza.
EDUARDO DE PAULA NASCIMENTO

FRANCA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/01/2013

Mais uma "traquinagem" do BNDES...


No fatídico caso Nilza, o argumento dos dirigentes do BNDES foi de que o prejuízo gerado pela Nilza "não tem impacto relevante sobre a carteira de ações". Será que os 700 milhõezinhos da LBR também não terão impacto?


Enquanto a LBR requere o "Waiver", fico daqui, parafraseando mentalmente, e imaginando que o produtor, maior prejudicado com essas traquinagens, nunca mais "vai-ver" seu precioso dinheiro que compõe as massas falidas, sócias do BNDES.
ELTON MORENO LUNHANI

EMILIANÓPOLIS - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 19/01/2013

MAIS UMA VEZ NÃO VAI DAR NADA... DESDE A FUSÃO DE LIDER E BOM GOSTO O BNDES VEM INJETANDO DINHEIRO ADOIDADO NESSA EMPRESA QUE VEM EMPURRANDO COM A BARRIGA, O PODE SER COMPROVADO PELO BALANÇOS APRESENTADOS... E DESTA VEZ NÃO SERÁ DIFERENTE... JÁ JÁ ELE INJETA MAIS MILHÕES ACHANDO QUE VAI RESOLVER O PROBLEMA. EM VEZ DE DAR APOIO A OUTRAS TANTAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS QUE TRABALHAM SEMPRE COM BALANÇOS POSITIVOS, GERANDO RIQUEZA PARA O PAÍS, E QUE NECESSITAM DE UM APOIO FINANCEIRO PARA CRESCEREM AINDA MAIS DE FORMA SAUDÁVEL E COM OS PÉS NO CHÃO, MAS ESSAS EMPRESAS O BNDES PARECE NÃO VÊ COM OS BONS OLHOS QUE VÊ A LBR, PENSA QUE SÓ ELA SABE TRABALHAR COM LEITE.