ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Asbia quer ampliar cursos de inseminação artificial

Único setor da economia brasileira a registrar saldo positivo na ocupação de postos de trabalho com carteira assinada nos últimos meses, o agronegócio busca mão de obra qualificada para garantir o crescimento da produção. Na pecuária, por exemplo, a estimativa da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA) é de elevar de 12% para até 16% nos próximos anos o uso da inseminação artificial no rebanho. Isso significa que será preciso uma grande quantidade de profissionais qualificados para aplicar a técnica.

Para que todos os cursos de inseminação artificial ofertados no Brasil atendam a um padrão de qualidade capaz de preparar bem os profissionais para o uso correto da técnica, a associação defende que as aulas sejam realizadas dentro do “Padrão de Qualidade ASBIA”. Atualmente, várias empresas de inseminação associadas à ASBIA já oferecem cursos de inseminação artificial seguindo este padrão. A proposta é ampliar o número de cursos credenciados no país.

De acordo com o presidente da entidade Sérgio Saud, a validação dos cursos pela ASBIA garante maior credibilidade à capacitação ofertada em todo o país, pois é uma garantia de que as aulas estão dentro das recomendações estabelecidas, como carga horária mínima, instalações e materiais corretos, bem como o número de instrutores por alunos e de animais para as aulas práticas.

Outra preocupação é de que os cursos ofereçam qualificação para tecnologias em franco crescimento dentro da reprodução, como é o caso da IATF-Inseminação Artificial em Tempo Fixo. “Precisamos preparar bem os profissionais que realizam a inseminação artificial, pois um erro na manipulação do botijão de sêmen, no descongelamento do sêmen ou no momento de introduzir o sêmen na vaca pode afetar significativamente a lucratividade da fazenda.”, diz Saud.

Esse prejuízo pode ser mensurado ao avaliar o total de doses utilizadas para inseminar uma vaca, que hoje, em média, está em quase duas doses de sêmen (1,8). A ASBIA defende que esse índice seja reduzido para 1,2 doses por vaca. Se partirmos de 12 milhões de doses utilizadas no ano a uma média de R$ 25 cada, a menor quantidade de sêmen representa uma redução de R$ 114 milhões nos gastos. “Quanto mais capacitada é a equipe, melhor será essa relação de doses por vaca inseminada. Por isso, vale a pena manter a equipe bem treinada e participando de atualizações com frequência.”, assegura.

As informações são do Publique.

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.