ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Argentinos temem novas tarifas

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/01/2001

1 MIN DE LEITURA

0
0
O aumento das exportações de lácteos argentinas iniciou-se em meados dos anos 90 e, a partir daí, o crescimento desse setor foi muito grande. Entre 1994 e 1995, as vendas de leite argentino ao exterior dobraram, passando de US$126 milhões para US$250 milhões. É o que informa reportagem de Sérgio Manaut, publicada hoje na Gazeta Mercantil Latino Americana.

"O Brasil representou um papel muito importante nesse crescimento já que, historicamente, o país sempre teve uma produção leiteira deficiente, incapaz de cobrir a demanda interna", informa o Centro de Estudios Bonaerense (CEB). Segundo dados fornecidos pela entidade, o Brasil é responsável pela compra de mais de 70% do leite comercializado pela Argentina em todo o mundo.

Contudo, a provável intenção do governo brasileiro de taxar o ingresso de produtos lácteos da Argentina, "decisão que colocaria em situação de desvantagem grande número de empresas produtoras argentinas que têm o Brasil como principal destino externo de suas produções", segundo o CEB, vem preocupando bastante os argentinos. Entretanto, essa medida, que ainda depende da aprovação do Ministério da Fazenda do Brasil, não afeta a todas as companhias lácteas, apenas as mais importantes, com exceção da Parmalat.

Caso a Fazenda brasileira aprove a nova política tarifária, empresas como a Mastellone/La Sereníssima, SanCor, Nestlé, Milkaut, Molfino, Williner e Verónica veriam enfraquecer o seu faturamento anual.

As barreiras que o Brasil poderia levantar complementariam um quadro que já está complicado. Segundo a CEB, no primeiro semestre de 2000 a província de Buenos Aires, que ao lado de Córdoba e Santa Fe forma a maior bacia leiteira da América do Sul, exportou US$37,3 milhões em lácteos, isto é, um valor 30% menor em relação ao comercializado no mesmo período de 1999.

Essa queda é explicada pela menor produção de leite, devido à baixa dos preços internacionais, "que levou muitos produtores do setor a abandonarem a atividade", revela a CEB. Entre 1995 e 2000, as empresas lácteas investiram US$286 milhões na província de Buenos Aires, US$189 milhões dos quais correram por conta da francesa Danone.

Em segundo lugar está a SanCor, com US$35 milhões. A italiana Parmalat vem a seguir, já que desembolsou US$30 milhões. Já a chilena Santa Catalina comprou, em 1995, 60% da La Suipachense, por US$3 milhões.

Tabela


Por Sérgio Manaut, para Gazeta Mercantil Latino Americana, 29/01/01

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint