ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Aprovação do SIF faz cooperativa potiguar expandir atividades

A Cooperativa de Desenvolvimento do Seridó (Cersel), uma da mais respeitadas cooperativas do Rio Grande do Norte, com 5,5 mil participantes, recebeu o selo definitivo do Serviço de Inspeção (SIF) do Ministério da Agricultura. A certificação abre espaço para a Cersel comercializar os derivados de leite produzidos na usina em todos os Estados e o primeiro deverá ser Pernambuco, onde a cooperativa já está mantendo contato com distribuidores.

No ano passado, a Cersel investiu R$ 1,389 milhão em máquinas, equipamentos, frota de caminhões frigoríficos e no processo de embalagem a vácuo dos queijos tipo coalho e manteiga, já prevendo a expansão de mercado. A embalagem eleva de três para 30 dias o prazo de validade dos produtos. A cooperatival produz, além dos queijos, leite pasteurizado, iogurtes e bebidas lácteas.

Com a abertura de novos mercados, a cooperativa espera incrementar em 20% a produção e o faturamento, que no ano passado ficou na casa dos R$ 10,8 milhões. No acumulado do ano de 2001, a Cersel produziu 8,2 milhões de litros de leite pasteurizado, 540 mil litros de iogurte, 900 mil litros de bebida láctea, 180 toneladas de queijo coalho, 200 toneladas de queijo manteiga e 2,8 toneladas de suco de caju, outra agroindústria da cooperativa.

A Cersel começa até a vislumbrar possibilidades de exportação. Segundo o presidente, José Mariano Neto, foi solicitado à Agência de Fomento do Rio Grande do Norte, a inclusão da cooperativa no próximo workshop que será promovido na Escandinávia, visando ampliar mercados para o setor de fruticultura. “Queremos demonstrar nossos queijos e iniciar contatos para exportação”, afirma Neto.

Avaliação

Para a concessão do selo, técnicos do Ministério fizeram um rigoroso trabalho de avaliação, com a inspeção de todas as etapas de produção, as condições de instalação na indústria e como o produto chega ao consumidor final. Para receber o SIF, a usina precisa ter um laboratório para controle de qualidade. Além disso, passa a ter, diariamente, a presença de um fiscal do Ministério da Agricultura. Os técnicos fazem, também, uma inspeção mensal mais detalhada e, duas vezes por ano, ocorre uma auditoria com técnicos de Brasília.

Para o presidente da cooperativa o SIF é um passo fundamental, porque, a partir de agora, os produtos poderão ser vendidos em qualquer lugar no Brasil. “O selo comprova que temos qualidade para concorrer até mesmo com grandes empresas de laticínio”, comemora.

Fonte: Gazeta Mercantil, adaptado por Equipe MilkPoint

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.