ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

América Latina deve se projetar como fornecedor de leite

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 08/08/2014

1 MIN DE LEITURA

1
0
“A América Latina deve se mostrar como fornecedor de leite a nível mundial, pelo alto potencial que tem a região nesse produto e o excedente que é demandado em regiões como Ásia, África e Europa”, disse o diretor da Federação Panamericana de Lácteos (Fepale), Ariel Londinsky.

Ele disse que o setor leiteiro da América Latina está em uma situação de crescimento muito interessante devido ao fomento da produção, apoiado por preços que, embora nos últimos tempos tenham estado instáveis, sempre se mantiveram em um nível de cotação importante.

“Isso se deve à demanda de lácteos na Ásia, no Oriente Médio, na China, um país que tem começado a consumir lácteos de forma importante nos últimos tempos, o que tem levado à necessidade de aumentar a produção internacional e tem levado os preços para cima. Isso tem sido a principal causa do aumento dos lácteos”.

Ele disse que a América Latina tem condições muito favoráveis para a produção, com a disponibilidade de terras de pastagens de água potável, uma situação agroecológica muito interessante para a produção de leite, o que não ocorre na Ásia, na China nem na África.

Segundo Londinsky, o consumo interno per capita anual nos países do continente americano, como Uruguai, Costa Rica, Brasil está entre 150 a 180 litros; o resto dos países está abaixo desse mínimo. “No caso do Paraguai, falamos de 120 litros de leite por habitante por ano, mas que ainda é insuficiente para chegar ao recomendado, ou seja, que todavia haja margens para crescer a nível interno”.

“Se a isso somarmos o fato de que há uma demanda a nível internacional, então tudo o que a América Latina produz será colocado”, comentou Londinsky, no marco de um congresso organizado pela Federação de Cooperativas de Produção (Fecoprod).

A reportagem é do https://www.ultimahora.com, traduzida pela Equipe MilkPoint Brasil.
 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO NILSON DA ROSA

SANTA ROSA - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/08/2014

A América Latina como fornecedor de leite a nível mundial, esta notícia é conflitante com o que acontece com a qualidade do leite Gaúcho, pois mais e mais fraudes são desvendadas a cada dia, a mídia está atenta e os comentários são danosos no meio empresarial rural. Quem trabalha no meio sabe que uma parcela muito pequena de produtores fazem uso de meios ilícitos para auferir lucros, como mascarar a qualidade do produto,  adicionando substâncias extras para aumentar o volume, atingindo em cheio a qualidade do produto.

A intenção da América Latina em se firmar como uma das lideranças na oferta de leite para o Mundo, certamente o Brasil irá ser excluído do mercado por conta das atrocidades que acontece na manipulação do produto (leite).

Quem terá corregem de importar um produto suspeito de fraude que pode prejudicar a saúde pública?

Deixo aqui uma sugestão: Os Governos devem fazer a gestão e disponibilizar recurso a fundo perdido para as Indústrias de Leite adquirir equipamentos para "in loco" fazerem a análise do produto na chegada da plataforma da Indústria e antecipando a autorização de descarga verificar o nível de pureza, a partir daí a responsabilidade total seria das Indústrias, pois, atualmente  há desconfiança generalizada na cadeia produtiva havendo uma transferência de responsabilidade mútua e os Governos se esquivando e mantendo-se alheio ao assunto, ano de eleição não podem se expor, por certo que sim.

As empresas tem a certificação federal ou estadual, portanto, há corresponsabilidade técnica dos Fiscais com a responsabilidade de intervenção se antecipando a estes fatos, manipulação de produto (leite in natura), determinando o descarte e que jamais fosse incorporado nos estoques dos Laticínios.

Nenhuma autoridade Governamental se manifesta há um receio geral em se expor e estão deixando o Brasil com a imagem de País "podre" no mercado internacional. País sem lei e que não tem eficiência nos processos de manipulação dos produtos, que trata as boas práticas de fabricação como se fosse mera formalidade.

Que está sofrendo são as Indústrias éticas e que trabalham de acordo com as leis, instruções técnicas e diretrizes de manipulação industrial alimentícia e na realidade a mídia faz o seu trabalho, porém se sabe que os desvios de conduta e ética são pontuais e estas indústrias e  pseudos industriais que colocam os lucros a frente de tudo e de todos deveriam ser banidos da atividade.
MilkPoint AgriPoint