Você está em: Comunidade > Colunistas > Blog

Anomalias: as vilãs da produtividade

Por Clínica do Leite - postado em 13/04/2017

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir

 

 * Prof. Dr. Paulo Machado


Você já parou para pensar em todos os fatores que podem atrapalhar ou até mesmo interromper a rotina de produção na fazenda? Não me refiro, aqui, aos grandes problemas, mas sim a falhas cotidianas, que acabam por quebrar o fluxo do trabalho, impedindo que os processos sejam realizados da forma adequada e, por consequência, os resultados esperados sejam alcançados.

No Sistema MDA, chamamos essas falhas de anomalias, que podem variar de fazenda para fazenda, a depender do porte, do sistema de produção e do perfil da equipe, entre outros fatores. Alguns exemplos clássicos de anomalias são quebra de equipamentos, queda de energia elétrica, falta de medicamentos, vacas sujas, animais com mastite, atrasos ou faltas dos funcionários. Quando acontecem, falhas desse tipo acabam interferindo diretamente na entrega do produto final, ou seja, no leite no tanque.

Admitir as anomalias e refletir sobre os motivos que as causaram são passos importantes de gestão. Por isso recomendamos que a sua identificação seja uma prática adotada de forma sistemática, envolvendo gestores e empregados. Nesse sentido, é fundamental que os funcionários da fazenda sejam capacitados para registrar e reportar as falhas que encontram pelo caminho, sem que isso cause problemas de relacionamento entre eles. A cada anomalia detectada, é preciso estudar as contramedidas ideais para tratá-las, de modo que, com o tempo, todos estejam alinhados sobre o que fazer quando os problemas ocorrem.

É essencial, portanto, que as pessoas compreendam como essa prática torna o trabalho de todos mais produtivo. E não há fórmula pronta: cada fazenda, a partir de sua rotina e das características de sua equipe, deve definir a melhor forma de registro das anomalias. Das simples fichas de anotação aos smartphones, todo meio de registro e compartilhamento de informação é valido. O mais importante é que empregados e gestores avaliem juntos o que deve ser feito para que as falhas não se repitam, em uma reflexão que pode levar, inclusive, à revisão de processos e funções.

Entre os gestores que adotam o Sistema MDA, há a percepção clara de que o registro e o tratamento das anomalias constitui uma das mais importantes ferramentas para manter o fluxo de produção. Quando essa prática é incorporada à rotina da fazenda, evita-se que o acúmulo de falhas gere problemas mais complexos, como a queda da produtividade e a insatisfação dos empregados. A identificação das anomalias serve, ainda, como alerta para a necessidade de treinamento das pessoas - afinal, muitos problemas ocorrem porque elas não foram suficientemente preparadas para as tarefas que executam. Com base nisso, o conselho de hoje é: transforme as falhas em insumo para a melhoria contínua do seu negócio. Você não vai se arrepender.

* Coordenador da Clínica do Leite, é professor da Esalq/USP, professor titular em Bovinocultura de Leite, com 43 anos de experiência em gestão de fazendas.


 

Direitos reservados

Este conteúdo é de uso exclusivo do autor, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem a prévia autorização do mesmo.

 

Opinião

O texto deste colunista não reflete necessariamente a opinião do site MilkPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários:

João Leonardo Pires Carvalho Faria

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
publicado em 18/04/2017

Infelizmente, temos o péssimo hábito de nos negligenciarmos diante de qualquer anomalia e dessa forma, se torna confortável fingir que a mesma não existe e não nos afeta.
Mesmo que pequena, qualquer anomalia é imprescindível de ser conhecida, para ser combatida e evitada!
Excelente texto, mais uma vez!

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes

Enviar comentário

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade