Você está em: Comunidade > Colunistas > Blog

Secagem de quartos com mastite crônica

Por Marcos Veiga Santos - postado em 03/08/2017

13 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir

 

Melina Melo Barcelos*
Marcos Veiga


Em termos mundiais, estima-se que cerca de 30% das vacas leiteiras são afetadas por mastite, seja na forma clínica ou subclínica, o que custa cerca de €1,55 bilhões em 2005 para a indústria leiteira da União Europeia e $2 bilhões para a indústria dos EUA. Assim, devido aos prejuízos elevados, a busca por estratégias de manejo que auxiliam na redução da mastite tem sido cada vez mais intensa, embora esses esforços não tenham sido suficientes para diminuir a frequência de vacas com mastite crônica.

Na maioria das fazendas, os casos de mastite clínicas são tratadas durante a lactação com o uso de antibióticos intramamários, antes mesmo de se obter a identificação do agente causador. Desse modo, os prejuízos estão diretamente ligados ao custo dos medicamentos e ao período de descarte do leite com resíduos dos antibióticos. Além disso, algumas bactérias causadoras de mastite, como Escherichia coli, são capazes de causar danos na glândula mamária, mesmo depois da bactéria ser eliminada, contribuindo para a diminuição da quantidade e da qualidade do leite produzido. 

Por outro lado, a mastite subclínica tem como principais perdas econômicas aquelas relacionadas à redução do rendimento do leite, redução da fertilidade, diminuição do rendimento e da vida de prateleira do leite e aumento do risco de descarte. Quando o rebanho não tem uma boa rotina de diagnóstico de mastite subclínica, as vacas com mastite crônica não são identificadas devido à ausência de sintomas, uma vez que o leite apresenta aspecto normal. O momento mais adequado para o tratamento destas infecções subclínicas é durante o período seco, em razão da maior cura e ausência de descarte de leite.

A mastite crônica caracteriza-se pela longa duração da infecção, podendo ocorrer sinais de fibrose dos quartos acometidos, acompanhados ou não de perda da capacidade de produção de leite. Além disso, os quartos com mastite crônica não respondem aos tratamentos com antibióticos e são potenciais reservatórios de bactérias que podem ser transmitidas para outras vacas sadias.

Desta forma, a decisão sobre tratar ou não vacas com mastite crônica, deve ser avaliada considerando-se o maior risco de resistência bacteriana, baixa taxa de resposta e os custos do tratamento. Uma alternativa para estas vacas com mastite crônica é a secagem permanente do quarto comprometido, mantendo-se a produção dos demais quartos mamários. Estudos recentes mostraram que a infusão de caseína hidrolisada no quarto mamário infectado pode ser uma alternativa eficaz para secagem permanente de quartos com mastite crônica, o que além de diminuir o desconforto ocasionado pelos métodos de secagem convencionais (uso de iodo), pode permitir a recuperação da capacidade produtiva das vacas com mastite crônica. Este procedimento é similar ao mecanismo fisiológico que ocorre durante a involução da glândula mamaria, embora ocorra de maneira mais rápida e forma similar ao da involução natural.

Um estudo recente foi realizado em Israel, com um rebanho de 220 vacas em lactação, com o objetivo de verificar a viabilidade econômica da secagem de quartos com mastite crônica, quando comparado com outros dois grupos: tratamento à base de antibiótico e não tratamento. Foram selecionadas vacas com um quarto com mastite crônica (CCS > 106 células/mL por de três meses), as quais foram distribuídas entre os três grupos.

O tratamento com antibiótico possibilitou taxa de cura maior em vacas de primeira lactação (66,22%) e quando a CCS não ultrapassou o valor de 300×103 células/mL. O grupo que foi tratado com infusão de caseína hidrolisada teve o tecido mamário involuído em um intervalo de até 10 dias, após o desaparecimento visual da pressão, inchaço e dor, além de refletir na redução da CCS para 200 x 103 células/mL. A base fisiológica para a involução decorrente do tratamento com caseína hidrolisada está relacionada à ativação do sistema imune inato, o que refletiu em taxas de cura de até 90%.

Em relação à produção de leite, após a secagem de um quarto, houve uma redução média de produção de 8% por vaca, sendo que essa diminuição foi maior em vacas de alta produção, enquanto que vacas com produção em cerca de 30 kg/d não demonstraram quase nenhuma mudança. Além disso, vacas tratadas com caseína hidrolisada entraram normalmente na lactação seguinte, retornando a sua funcionalidade produtiva em 85% dos casos, sem apresentar isolamento bacteriano no quarto que apresentava mastite clínica antes da secagem.

Quanto a viabilidade econômica, nas vacas com casos de mastite crônica subclínica, nas quais optou-se por não tratar, houve uma queda na produção de 5% durante uma lactação, e aumento no número de inseminações em 20%. Além disso, a alta CCS devido ao não tratamento resultou em penalidades no pagamento pela qualidade do leite. Em casos onde o quarto afetado foi tratado com antibiótico, além do custo do leite descartado durante o uso do medicamento e o período de carência, ainda foi levado em consideração os honorários com veterinário, diagnóstico e a própria medicação na somatória dos prejuízos.

Já a secagem apenas do quarto infectado durante o período de lactação permite que não se perca a produção total de leite durante o período de carência pelo uso de medicamentos para tratamento. Esse procedimento também possibilita a diminuição da CCS do tanque, demonstrando ser uma alternativa viável para tratamentos de infecções subclínicas.

Fonte: LEITNER, et al. Israel Journal of Veterinary Medicine, v. 72, n., p. 2, 2017.

*Melina Melo Barcelos é mestranda do Departamento de Nutrição e Produção Animal da FMVZ/USP e pesquisadora do Laboratório Qualileite-FMVZ/USP.

Aprenda a controlar a mastite bovina em 3 passos em um curso online apresentado por Marcos Veiga no EducaPoint. Acesse: curso-online-controle-de-mastite e saiba mais!

 

Direitos reservados

Este conteúdo é de uso exclusivo do autor, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem a prévia autorização do mesmo.

 

Opinião

O texto deste colunista não reflete necessariamente a opinião do site MilkPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários:

MARIA BEATRIZ KOMPIER

Rio Verde - Goiás - Produção de leite
publicado em 06/08/2017

Muito boa essa matéria

Juliano Carneiro Albuquerque

Unaí - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
publicado em 08/08/2017

Olá Prof. Marcos

Quanto às secagem de quartos infectados crônicos durante a lactação o sr tem mais algum informação, quanto a utilização da caseína hidrolisada?

Cibely Palhares Gomes

Uberaba - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
publicado em 08/08/2017

Muito interessante! Gostaria de saber se já existem dados nacionais sobre esta infusão de caseína hidrolisada no quarto mamário infectado e qual seria a concentração ideal?

Tiago Mantovani

Santo Antônio da Platina - Paraná - Consultoria/extensão rural
publicado em 09/08/2017

Aonde se consegue comprar essa caseina?

Ruthele Moraes do Carmo

Rio Verde - Goiás - Estudante
publicado em 09/08/2017

Excelente!

Paulo Fernando Andrade Correa da Silva

São José dos Campos - São Paulo - Produção de leite
publicado em 09/08/2017

Excelente artigo. Aplicação prática imediata.

Seria interessante complementar com informações como, nome comercial do produto ( caso exista), aonde encontrar, dosagem e frequencia de aplicação.
Obrigado.

Luis Felipe

José Bonifácio - São Paulo - Técnico
publicado em 09/08/2017

Parabéns aos autores pelo artigo.

Marcos Veiga Santos

Pirassununga - São Paulo - Pesquisa/ensino
publicado em 09/08/2017

Prezado Luís Felipe, Esta é uma área que ainda não temos produtos comerciais disponíveis. Vamos começar um projeto de pesquisa sobre este produto, mas ainda de forma experimental, atenciosamente, Marcos Veiga

FABRÍCIO

Vespasiano Correa - Rio Grande do Sul - Produção de leite
publicado em 10/08/2017

Excelente matéria. Com a secagem do quarto mamário utilizando a caseína, existe a possibilidade deste quarto mamário retomar a produção de leite na próxima lactação?

Ademar

Goiânia - Goiás - Produção de leite
publicado em 10/08/2017

O que é caseína hidrolisada? Onde se encontra esse produto? Qual a quantidade usada por teto ? Usa somente uma vez ? Como que faz aplicação no teto ?

Jair André Veit

São Martinho - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
publicado em 11/08/2017

Excelente artigo. Parabéns!

Adriana Tunin

São Paulo - São Paulo - Consultoria/extensão rural
publicado em 05/09/2017

Bom dia Marcos, tudo bem?

Excelente artigo! Essa caseina hidrolisada é manipulada? Qual a concentração e a dosagem que voce utilizou? Gostaria de tentar numa fazenda que já se mostrou disposta.

Abraço

Marcos Veiga Santos

Pirassununga - São Paulo - Pesquisa/ensino
publicado em 05/09/2017

Prezada Adriana, ainda não tenho estas informações, pois ainda são estudos recentes. Estamos iniciando um projeto neste assunto, mas não tenho informacoes mais detalhadas. obrigado e um abraço, Marcos

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes

Enviar comentário

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade