carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Mesclando tradição, sabor e rótulo enxuto, doce de leite Rocca se destaca em Minas Gerais

Por Raquel Maria Cury Rodrigues (MilkPoint Indústria)
postado em 14/02/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O doce de leite é composto basicamente de leite e açúcar e é tradicional em vários países, principalmente na América Latina. Geralmente é feito ao se ferver leite com açúcar ou cozinhando leite condensado, sendo usado em balas e outros doces, como bolos, biscoitos ou sorvete. Em alguns lugares, é apreciado com torradas ou utilizado como recheio de churros. Foi pensando em toda essa versatilidade e na paixão do brasileiro pela iguaria que em 2014 a Rocca surgiu no mercado. Rosiane Barbosa, filha do “Seu José Barbosa”, cresceu no meio leiteiro, visto que seu pai produz leite há aproximadamente 70 anos.

doce de leite Rocca
Rosiane Barbosa

doce de leite Rocca - fazenda
Fazenda do “Seu José Barbosa”

doce de leite Rocca
“Seu José Barbosa”

“A minha mãe, Dona Lázara, sempre fez doce de leite para a família de uma maneira informal - no tacho de cobre - e a ideia de produzir doce de leite já estava sendo amadurecida na minha cabeça há muito tempo. O principal objetivo era agregar valor à matéria-prima leite e fazer com que as pessoas provassem um sabor único e diferenciado. Para isso, estudamos, fizemos todo o planejamento e lançamos a Rocca. A composição do produto foi lapidada ao longo do tempo e demorou um ano para chegarmos na receita original hoje comercializada pela Rocca. Os erros nos ajudaram a chegar no produto ideal e que hoje, tem uma grande aceitação entre os consumidores”, relatou Rosiane, que também contou com o apoio do marido e, também produtor de leite, Raphael Figueiredo.
 
doce de leite Rocca
Dona Lázara 

Atualmente, todo o leite utilizando para a fabricação do doce de leite é oriundo da fazenda dos pais de Rosiane, localizada em Pouso Alegre/MG. A produção de leite é pequena, em torno de 350 litros/dia, os animais são criados a pasto e a propriedade tem uma grande preocupação com o bem-estar dos animais. “A Rocca absorve hoje 300 litros de leite por dia (que rendem 120 quilos de doce de leite) e ainda sobra uma quantidade pequena de leite que vendemos para fora. Vale destacar que, hoje, a fábrica fica na fazenda dos meus pais, mas, estamos estruturando um plano de expansão. Com esse crescimento, possivelmente teremos que utilizar leite de fazendas externas. Por isso, queremos fomentar a produção leiteira dos pequenos produtores da nossa região que preconizam o mesmo sistema de produção que o nosso”, acrescentou Rosiane. Uma outra vantagem do aumento da empresa é que a instalação da fábrica ocorrerá nas proximidades da rodovia Fernão Dias, o que facilitará a logística e distribuição.

doce de leite Rocca
Raphael e Rosiane 

De acordo com ela, a qualidade do leite não é um problema, já que a fazenda tem um histórico muito bom nesse quesito. “Antes de utilizar o leite internamente, meu pai vendia a produção leiteira para indústrias bastantes exigentes e devido a isso, ele já tem uma certa ‘bagagem’. O diferencial é que tiramos o leite e mandamos direto para a fábrica, que é do lado. Isso gera vários benefícios, por exemplo, a redução da acidez do leite. Na fábrica, fazemos alguns testes e padronizamos vários procedimentos de industrialização”.

Tendências de mercado

Além dos seus próprios princípios, a Rocca se preocupa com as tendências de mercado, se mostrando completamente adepta ao bem-estar animal, poucos ingredientes na receita e uma história embutida por trás de cada pote do doce. “Nós decidimos trabalhar com uma quantidade enxuta de componentes na receita, pois vemos muitas opções do doce carregadas em amido e glicose de milho, o que reduz o custo dos fabricantes, mas, desconfigura a tradição. Não optamos por esse caminho já que acreditamos em rótulos mais limpos”, ponderou Raphael.

Segundo ele, no início do projeto, o desafio era fazer e desenvolver um produto já tradicional em um estado também tradicional. “Como nós poderíamos nos diferenciar no mercado já que existe muita concorrência? Aproveitando o espírito jovem da empresa, procuramos posicionar a marca no mercado a nível de rótulo, a nível de redes sociais, nas gôndolas e buscando sempre fazer um trabalho bem agressivo de marketing”.

doce de leite Rocca

Os produtos Rocca são considerados semiartesanais visto que ainda dependem do recurso humano para atingir o ponto ideal. Eles podem ser encontrados nos sabores Tradicional, Coco, Café a Coco. Há um controle total de origem de cada ingrediente e de todos os processos.

Certificação e comercialização

Os produtos Rocca são certificados pelo IMA (Instituto Mineiro de Agropecuária), mas, a previsão é de que com a fábrica nova, conquistem o SIF (Serviço de Inspeção Federal). “Estamos trabalhando para conquistar a certificação a nível nacional e otimistas que ele saia até o fim deste semestre. Nosso foco comercial é Minas Gerais e, em Belo Horizonte, estamos com um posicionamento forte por meio de campanhas de marketing destinadas para a capital. Os consumidores já nos encontram em dois supermercados importantes da cidade além de municípios turísticos mineiros, como Monte Verde, Tiradentes e Gonçalves, entre outros”, frisou Raphael.

No ponto de vista dos empresários, a demanda pelo doce de leite sofre uma certa sazonalidade no mercado, sendo mais procurado nos meses de inverno. Eles acreditam que no verão, as pessoas se direcionam para o litoral e deixam de visitar as cidades turísticas de Minas Gerais. Para tentar amenizar essas oscilações no consumo, a empresa fez uma parceria com algumas sorveterias mineiras que oferecem sorvetes também com a mesma proposta da Rocca, utilizando poucos ingredientes e receitas originais.
 
doce de leite Rocca
Parceria da Rocca com a sorveteria Alento 

Questionados sobre a recessão econômica enfrentada pelo país e as suas consequências diretas no consumo de alimentos, Raphael disse que a empresa não sentiu as influências provavelmente porque eles aproveitaram para sair da zona de conforto, focando na abrangência da Rocca nos quatro cantos de Minas Gerais. “Graças à crise, não ficamos reclamando e não nos acomodamos, mas sim, buscamos levar o produto para outras cidades além de Pouso Alegre. Acreditamos que nosso público é majoritariamente formado por consumidores que são adeptos a produtos diferenciados e buscar esses clientes foi a estratégia para sobreviver e crescer. Comparando 2015 com 2016, tivemos um crescimento de 200% e a agregação de valor contribuiu para isso”.

Para ele, a crise retirou do mercado muitos produtos medianos e valorizou quem priorizava preço e quem priorizava qualidade. Os produtos que não se decidiram entre ser baratos ou ter ou não qualidade, foram consumidos pela crise. Quem conseguiu se destacar a nível de preços e qualidade, se deu bem.

“O nosso foco hoje é o doce de leite. Com a fábrica nova, queremos expandir para todo o Brasil, quiçá para o mundo”, finalizou Raphael.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint Indústria, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade