carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Clubes de assinatura e entregas domiciliares: nova tendência para o consumo de lácteos?

Por Raquel Maria Cury Rodrigues (MilkPoint Indústria)
postado em 12/09/2017

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Receber produtos em casa de maneira regular e aguçar a curiosidade dos consumidores. Essas são algumas das possíveis explicações para o ‘boom’ de clubes de assinaturas que ocorreu no Brasil em 2014 e 2015. Parte considerável dessa nova demanda vem de um consumidor jovem, que já nasceu conhecendo a internet e é familiarizado com ela. Ele sente prazer em participar de uma ‘comunidade’ e aprecia o conforto, inclusive na hora da compra.

Uma releitura das entregas domiciliares, muito comuns antigamente, mas que ainda ocorrem em algumas regiões, os clubes de assinatura são caracterizados por clientes que não querem gastar muito. Ao mesmo tempo, eles não abrem mão de alguns luxos e surpresas, pois a cada nova entrega, elementos novos são adicionados no kit. São esses alguns fatores que diferenciam o clube de assinaturas das entregas domiciliares tradicionais. Nessas, o cliente escolhe exatamente aquilo que ele quer adquirir e as entregas são óbvias.

Segundo a Associação Brasileira dos Clubes de Assinatura, os clubes começaram no Brasil no final de 2011, mais ou menos na mesma época que nos Estados Unidos. O ano de 2016 foi marcado pelo investimento de grandes empresas, como a editora Abril, Gilette e Pão de Açúcar, um reflexo do que está ocorrendo no varejo em geral: os consumidores estão em busca de novas formas de consumir, inclusive, por meio de novos canais de venda.

Dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) apontam que os clubes de assinatura movimentaram cerca de R$ 690 milhões no Brasil em 2016, aumento de 15% em relação a 2015. Para a ABComm, uma das vantagens para a empresa é a previsibilidade e a gestão de estoques, o que contribui diretamente com a logística do negócio.

Em 2017 o ritmo de crescimento dos clubes diminuiu ligeiramente e alguns encerraram as atividades em função da crise econômica. Mesmo assim, hoje se contabiliza aproximadamente 400 estabelecimentos com esse perfil no país. Os nichos com maior número de assinantes atualmente são: vinhos, cervejas, produtos de beleza, livros e itens voltados para o público nerd. A diversificação é imensa e abrange inclusive produtos eróticos, sem lactose e ingredientes para compor pratos gourmet. Um dos maiores e mais tradicionais clubes, o Wine.com.br, de vinhos e cervejas, divulgou um faturamento de R$ 120 milhões, com 140 mil assinantes no ano passado.

Clubes de assinatura

“O Clube do Queijo, da Queijaria, entrega queijos artesanais para todo o Brasil”

Queijos exclusivos integram o Clube do Queijo, que iniciou as atividades em 2016. “O projeto já era antigo; temos o domínio do nome desde 2011. A ideia era vender queijos produzidos por diversos produtores, porém, afinados por nós. Mas, para isso, precisávamos nos estruturar. Criamos nosso centro de maturação no interior de SP (município de Morungaba) e pudemos dar início ao clube”, comentou Fernando Oliveira, diretor proprietário da Queijaria.

clube do queijo - a queijaria
Queijos exclusivos integram o Clube do Queijo

A ideia era vender queijos produzidos por diversos produtores, porém, afinados por nós. Mas, para isso, precisávamos nos estruturar. Fernando Oliveira, da Queijaria

A Queijaria é a primeira loja especializada em queijos artesanais 100% brasileiros e está localizada na Vila Madalena, em São Paulo/SP. O projeto fomenta e desenvolve pequenos produtores do país, além de maturar e ‘lapidar’ cada queijo com todo o cuidado necessário.

Vale destacar que os queijos enviados para os assinantes do clube são sempre uma surpresa. Atualmente, há três pacotes disponíveis aos interessados: Sócio Meia Cura (dois queijos, aproximadamente 800g), Sócio Curado (quatro queijos, aproximadamente 1 kg) e Sócio Extra Curado (seis queijos, aproximadamente 1,2 kg). As assinaturas podem ser mensais ou trimestrais. Junto aos queijos, são enviados detalhes do processo produtivo, características dos animais, do leite, da fazenda, dicas de utilização e conservação.

As entregas são realizadas em todo o Brasil e o clube já contabiliza 400 assinantes. Em São Paulo, a entrega é feita de porta em porta, como o próprio carro da Queijaria. No resto do país, são entregues pela transportadora. “Escolhemos sempre queijos que não precisam de refrigeração”.

Para Fernando, o mercado do queijo artesanal está crescendo muito rapidamente. “Iniciamos nosso trabalho em 2007 com uma loja virtual e em 2013, abrimos nossa loja física. No início trabalhávamos somente com os queijos tradicionais de regiões que já tinham história com os queijos, mas nesse período já lançamos mais de 300 novos queijos no mercado, produzidos por mais de 60 produtores de 13 estados diferentes”. Com isso, a Queijaria consegue ter, a cada semana, novos queijos para venda na loja.

Estados Unidos e o queijo artesanal

Recentemente e na mesma linha que o Clube do Queijo, os proprietários de uma loja de queijos dos Estados Unidos, Laura Downey e Chris Palumbo, também lançaram um clube de assinaturas mensais de queijos artesanais, chamado de Cheesemonger Box. Eles também são fundadores e proprietários da Fairfield Cheese Co. e da Greenwich Cheese Co. em Connecticut, onde afinam queijos artesanais de produtores americanos e europeus. Com o comércio eletrônico, eles pretendem alavancar a reputação do negócio e aumentar a credibilidade das marcas.

cheesemonger box
Caixa de queijo artesanal da Cheesemonger

De acordo com um relatório americano sobre insights, as visitas aos sites de serviços de assinatura aumentaram em quase 3000% entre 2013 e 2016 no país, com serviços de assinatura de alimentos representando o segundo maior segmento do mercado (30%), depois do setor de roupas, com 31% de participação.

A Cheesemonger Box estará disponível em todo os EUA e os assinantes receberão uma caixa de queijo artesanal (na versão mais básica) por US$ 75/mês, juntamente com informações básicas sobre o queijo, incluindo sua origem, estilo, tipo de leite e idade. A Select Box da empresa, que custa US$ 95 por mês, inclui três variedades de queijo e dois outros itens premium, como biscoitos e geleia para combinar com o queijo. O pedido on-line das duas caixas de queijo artesanal estará disponível em setembro com envios a partir de 1º de outubro, disse a empresa.

As perspectivas para o mercado de queijos premium nos Estados Unidos são muito boas, pois as vendas deverão crescer em uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 3,5%, chegando a US$ 20,7 bilhões até 2020, de acordo com um relatório da Packaged Facts.

Serviços de entrega domiciliar não ficam atrás

Com um serviço domiciliar em ação há mais de 50 anos, a Cooper (Cooperativa de Laticínios de São José dos Campos/SP), atende cerca de 12 mil clientes nas cidades de Caçapava, Jacareí e São José dos Campos. Dos 28 produtos que levam a marca da cooperativa, 22 deles fazem parte das opções da cesta de entrega.

entregas domiciliares Cooper
O Serviço Domiciliar Cooper existe há mais de 50 anos. No início, a entrega do leite pasteurizado era feita com uma carroça de distribuição

entregas domiciliares Cooper
Sistema Domiciliar Cooper em 1985
 
Serviço de assinatura de entrega de alimentos
Há 17 anos, Domingos José dos Santos Sousa entrega os produtos Cooper para José Benedito Neves Santos

A Cooper foi fundada em 1935 por 21 pecuaristas de São José dos Campos. Quando a cooperativa começou a funcionar, um posto de recepção e resfriamento foi instalado junto aos trilhos da Central do Brasil. Nessa época, os próprios cooperados providenciavam o transporte do leite das fazendas até o posto em carros de boi e burros de carga, que eram os veículos daquela época. Do posto de São José até a cooperativa central, o leite era transportado de trem e os latões eram cobertos com gelo para que o produto não sofresse aquecimento durante a viagem. A partir de 1940, com o aumento do número de associados, criaram-se as primeiras linhas de captação de leite.

Segundo Benedito Vieira Pereira, diretor presidente da Cooper, as entregas são realizadas três vezes por semana a uma taxa mensal de entrega de R$ 8. “O leite em garrafa plástica custa R$ 4,10 e o leite em saquinho R$ 3,65. A conta é encerrada todo dia 30 de cada mês e os clientes têm até o 5º dia útil para acertar direto com o distribuidor. Com a correria do dia a dia, a procura por praticidade vem aumentando muito, pois além do cliente receber o leite na sua casa, ele chega fresquinho”.

O leite coletado pela Cooper é oriundo de mais de 15 cidades da região de São José dos Campos/SP e parte dele vem do Sul de Minas Gerais. “Atualmente temos 400 produtores de leite vinculados à cooperativa - que obedece às legislações vigentes em relação à segurança alimentar. Acompanhamos todas as etapas da cadeia produtiva, do produtor ao ponto de venda. Os agentes de inspeção acompanham diariamente a rotina e as análises laboratoriais da fábrica. Assim, garantimos o controle de qualidade do nosso produto Cooper”.


Com a correria do dia a dia, a procura por praticidade vem aumentando muito, pois além do cliente receber o leite na sua casa, ele chega fresquinhoBenedito, da Cooper

Hoje, o produto carro-chefe das entregas é o leite e cada cliente adquire em média 6 litros por semana, sendo o saquinho ainda a preferência. Com a medalha de prata e bronze, ficam a manteiga e o queijo, respectivamente. “As entregas a domicílio compõem aproximadamente 15% do faturamento da empresa. Neste ano, não vimos um grande crescimento neste segmento, mas também não perdemos a clientela”, completou Benedito.

“As entregas domiciliares têm aumentado ano após ano, mesmo com a redução de consumo”

entregas domiciliares Letti A Letti, marca própria da Agrindus, trabalha com entregas domiciliares de lácteos desde 2007. Segundo Marcelo Honda, Controller da Agrindus S/A, atualmente a empresa possui 430 clientes domiciliares ativos. “Temos atualmente São Carlos, Descalvado, Ibaté, Campinas, São Paulo e Bauru no radar. Todos os produtos da marca Letti são oferecidos aos clientes e o produto mais vendido é o Leite Agrindus Integral”.

Os valores cobrados variam conforme a cidade, mas, basicamente é calculado a partir da distância em relação à fazenda. “Atualmente não trabalhamos com pacotes pré-definidos, mas, já tivemos distribuidores que fixavam kits por conta própria para facilitar o pedido. A frequência de entrega também é acordada entre o nosso distribuidor e o cliente, mas, na maioria dos casos, a entrega é semanal”, pontua ele.

leite Agrindus

A quantidade média vendida por cliente/mês é de 21 kg de produtos. “As entregas domiciliares têm aumentado ano após ano, mesmo com a redução de consumo. Ou seja, o aumento de adesão de clientes com entrega domiciliar foi maior do que a redução de consumo por cliente. Percebemos que existe um aumento mais expressivo dessa operação nas grandes cidades - onde a locomoção é usualmente mais difícil. Isso nos leva a acreditar que esse tipo de serviço traz uma boa solução para as grandes metrópoles”. Hoje, as entregas compõem apenas 2% do volume comercializado pelo laticínio, com perspectivas de crescimento.

As entregas domiciliares têm aumentado ano após ano, mesmo com a redução de consumo. Ou seja, o aumento de adesão de clientes com entrega domiciliar foi maior do que a redução de consumo por clienteMarcelo, da Agrindus

Tanto os clubes de assinatura como as entregas a domicílio refletem uma possível tendência dos consumidores. Acompanhar de perto esse movimento pode significar ótimas oportunidades de mercado.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Letícia Pedroso Schmeil

Curitiba - Paraná - Estudante
postado em 12/09/2017

Achei ótima essa matéria, com toda certeza é uma área que ainda irá crescer muito ao longo dos anos. A tecnologia só aumenta e podemos usar isso a nosso favor. Muito bom!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint Indústria, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade