carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia do leite > Espaço aberto

Mitos e verdades sobre o leite "longa vida" e o leite "pasteurizado"

postado em 30/11/2016

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Leite “longa vida” dura mais? O leite que nossos avós consumiam no passado era mais saudável do que o leite vendido hoje em mercados? A nutricionista e consultora da Viva Lácteos, Ana Paula Del ´Arco desvenda os mitos e verdades por trás dos dois tipos de leite.
 
leite vendido antigamente

O leite é o único alimento pasteurizado.

Mito. O leite é o alimento pasteurizado mais conhecido, mas também a cerveja e muitos sucos de frutas passam por esse processo. O leite pasteurizado é aquele que geralmente encontramos em saquinhos ou garrafas nos supermercados. Esse processo utiliza a combinação de diferentes tempos e temperaturas no intuito de destruir os micro-organismos que podem causar infecções.

O leite “longa vida” dura mais.

leite uht Verdade. O leite de caixinha ou leite longa vida, passa por um processo de conservação com temperaturas superiores às da pasteurização, conhecidos como UHT (Ultra High Temperature), ou seja, processo de temperaturas muito altas, em torno de 130ºC a 150°C por 3 a 5 segundos, por um menor período de tempo. O leite de caixinha (longa vida) tem a validade de 4 meses em embalagem fechada e até 3 dias após aberta, já o leite pasteurizado (leite de saquinho) é de apenas 3 dias.

As embalagens influenciam na durabilidade do leite.

Verdade. A embalagem é uma importante aliada na conservação do leite. O tipo utilizado no leite longa vida é a embalagem cartonada, e graças às diversas camadas protege o alimento do contato com a luz e com o oxigênio, preservando a qualidade do leite.

É melhor tomar o leite cru do que os outros tipos de leites para não perder as vitaminas.

Mito. As alterações sofridas pelo leite nos processos que envolvem altas temperaturas são mínimas e não justificam o consumo de leite cru, pois as vantagens de melhorar a qualidade do leite e evitar doenças superam essas pequenas perdas. Importante destacar que com uma dieta equilibrada, não acarreta prejuízos nutricionais.

Tanto o leite longa vida quanto o pasteurizado sofrem grandes perdas de vitamina B12.

Mito. Segundo pesquisas* avaliou-se as possíveis perdas de vitamina B12 no leite pasteurizado e no leite UHT (armazenado por 3 meses) e não foram encontradas perdas significativas desta vitamina. Portanto, o leite vendido permanece com sua importância expressiva na saúde.

O leite que nossos avós consumiam era mais saudável do que o leite que bebemos atualmente.

Mito. O leite que nossos avós bebiam tinham uma quantidade maior de micro-organismos, que podiam causar doenças, e também passava pelo processo de fervura doméstico, podendo sofrer algumas perdas. Ainda assim, mesmo fervido, muitos dos quadros de diarreia e vômito, mais comuns na época de nossos avós, tinham sua origem pelo consumo do leite in natura da época, que apresentava grande quantidade de micro-organismos causadores de infecções alimentares.

leite - avós - idosos

O leite longa vida é considerado comercialmente estéril.

Verdade. Isso significa que existe redução de 99,99% da carga microbiana, garantindo uma excelente qualidade do leite, o que auxilia na conservação prolongada.

Referência do estudo* - Sucupira NR, XEREZ ACP, Souza PHM. Journal of Health Sciences, 2012, v.14, n.2, p.121-8.

Sobre a Viva Lácteos:

É a associação da indústria de lácteos que tem como missão promover o crescimento e a produtividade do setor, permitindo assim melhora do ambiente de negócios, ganhos de produtividade e aumento da competitividade no mercado interno e externo, por meio da promoção às exportações. 

É composta por fabricantes de produtos lácteos (AURORA, AVIAÇÃO, CAPRILAT, CATUPIRY, CCGL, DANONE, DPA, EMBARÉ, FRIMESA, FONTERRA, ITALAC, ITAMBÉ, JUSSARA, KERRY, LACTALIS, MOCOCA, NESTLÉ, OUROLAC, PIRACANJUBA, POLENGHI, PORTO ALEGRE, REGINA, SCALA, SCHREIBER, TIROLEZ e VIGOR) e associações do setor, como a ABIQ (Associação Brasileira da Indústria de Queijo) e a ABLV (Associação Brasileira da Indústria de Leite Longa Vida).
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Alberto Bezerra Silva

Aracaju - Sergipe - Produção de leite
postado em 30/11/2016

Pôr que não  perguntaram  sobre  os conservantes.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint Indústria, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade