ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Dor e Inflamação - Impactos na produção de bovinos leiteiros

Por: Marcos Antônio O. Ferreira, Gerente de Produtos - Médico Veterinário UCBVET Saúde Animal

A manutenção da sanidade de bovinos leiteiros exige uma perfeita interação do tripé “animal, ambiente e patógeno”. Como reposta decorrente do desequilíbrio dessa interação, ocorre o aparecimento de doenças que geram impactos e diminuem a produtividade dos animais. Na produção de bovinos leiteiros, a importância de uma doença é frequentemente julgada pelo impacto econômico que gera na atividade. O animal doente com muita frequência tem dificuldade de manter sua produtividade devido a “Dor e Inflamação” (PETERS, et al, 2012).

As principais substâncias mediadoras da dor estão associadas com processos inflamatórios, tais como prostaglandina, tromboxanas e a bradicinina, que são liberadas durante a resposta a uma injúria (Trauma, lesão ou infecção), as quais afetam os animais diminuindo sua produtividade.

A avaliação da dor em bovinos leiteiros se torna difícil, pois, estes são considerados espécies rústicas não demonstrando sinais quando comparado com outras espécies e seres humanos (BROOM; FRASER, 2010).

Como forma de auxiliar sua identificação, existem alguns indicadores que podemos avaliar os quadros de “dor e inflamação” em bovinos leiteiros, são eles:

1- Redução da movimentação/locomoção;

2- Febre;

3- Sinais visíveis de depressão;

4- Redução de consumo de alimentos, de água e perda de peso;

5- Redução de interação com outros animais no grupo;

6- Diminuição da produção de leite em vacas lactantes;

7- Alteração da postura (cólicas, envergadura da coluna, claudicações);

8- Aumento da frequência cardíaca e respiratória;

As principais doenças que comprometem a produção de bovinos leiteiros provocando sérios quadros de “dor e inflamação” são: as mastites, afecções podais, complexo doenças respiratória, doenças de pós-parto (metrite septicêmica), diarreia neonatal, etc.

Para o tratamento dos quadros de dor e inflamação em bovinos leiteiros em qualquer categoria, indica-se a aplicação de anti-inflamatórios não esteroidais (AINES).

 

Para saber mais entre em contato conosco pelo box abaixo.

Referências:

BROON, D. M.; FRASER, A. F. Comportamento e bem-estar de animais domésticos. São Paulo: Manole, 4.ed, p. 438, 2010.

PETERS, M. D. P. Avaliação da Mastite e seu impacto sobre a sensibilidade à dor em vacas leiteiras. Tese de doutorado. Área de conhecimento: produção animal. Universidade Federal de Pelotas, 2012.

 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MAGNUN SAMPAIO

EM 09/03/2018

Boa noite , não especifica se podem ser usados para caprinos. esse produto é indicado para essa espécie?
MARCOS ANTÔNIO DE OLIVEIRA FERREIRA

JABOTICABAL - SÃO PAULO

EM 12/03/2018

Olá Magnun,

Nossos estudos foram realizados considerando somente as espécies bovinas, suínas e equinas por isso não está especificado em bula a utilização para caprinos e ovinos.

Não, o produto não tem indicação para caprinos.

Att,

Marcos Ferreira UCBVET.
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/03/2018

Marcos, bom dia!
Há alguma vantagem deste produto para o seu concorrente, (nome comercial "Banamine")???
MARCOS ANTÔNIO DE OLIVEIRA FERREIRA

JABOTICABAL - SÃO PAULO

EM 08/03/2018

Bom dia João,

Obrigado pela pergunta.

São 4 excelentes vantagens que a Flunixina possui frente aos seus principais concorrentes, são elas:

1ª Alta concentração Flunixina 91,243 g (55 mg base) X Concorrentes 83,3 g (50 mg base)
2ª Menor volume aplicado Flunixina 1 ml/50 kg (1,1 mg/kg) X Concorrentes 1 ml/45 kg (1,1mg/kg)
3ª Descarte zero do leite quando aplicado via IV (Intravenosa) X Concorrentes (36 horas)
4ª Melhor custo/dose em relação aos concorrentes

Att,

Marcos Ferreira UCBVET Saúde Animal
EM RESPOSTA A MARCOS ANTÔNIO DE OLIVEIRA FERREIRA
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/03/2018

Excelente Marcos, muito obrigado pela resposta esclarecedora!!
AMANDA NERI DE SOUZAA

VIÇOSA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/02/2018

Esse produto pode ser utilizado em vacas gestantes?
MARCOS ANTÔNIO DE OLIVEIRA FERREIRA

JABOTICABAL - SÃO PAULO

EM 23/02/2018

Olá Amanda, obrigado pela pergunta.

Sim, a Flunixina Injetável pode ser utilizada em vacas gestantes, é sempre importante seguir as recomendações de bula para melhor eficácia do tratamento e segurança na aplicação.

A disposição para mais esclarecimentos.

Marcos Ferreira UCBVET Saúde Animal