ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Perdas durante o processo de fenação

VÁRIOS AUTORES

THIAGO FERNANDES BERNARDES

EM 18/08/2006

6 MIN DE LEITURA

0
1
No processo de fenação perdas de nutrientes se iniciam imediatamente após o corte, e algumas alterações bioquímicas, como a respiração e a oxidação são inevitáveis durante a secagem. Desta forma, a remoção de água tão rápida quanto possível, resultará na diminuição das perdas (Rees, 1982).

Perdas na produção de feno (Tabela 1) incluem: 1) separação física da forragem e 2) depleção dos nutrientes da planta. A separação física normalmente é causada pela colhedora, porém a chuva também pode influenciar nesta separação, sendo perdido principalmente folhas. Essas perdas causam substancial redução na digestibilidade da MS, nos nutrientes e na energia do alimento, gerando elevação nas concentrações dos elementos fibrosos da planta (3 a 12%) (Rotz & Abrams, 1988).

O valor econômico das perdas é obtido por função da quantia do material perdido, dos efeitos dessas perdas na concentração dos nutrientes remanescentes e no período de utilização do alimento. Em fazendas produtoras de leite do Estado de Michigan (EUA), com produção anual média de 8.000 kg/vaca. ano, Buckmaster et al. (1990) encontraram médias de perdas de $14,00/ t MS para silagem de alfafa e $35,00/ t MS para fenos. Baseados em recentes estatísticas de produção de forragens, o valor de perdas de colheita e armazenamento nos EUA podem exceder $2 bilhões/ano.

Tabela 1. Previsão de perdas (%), durante o processo de fenação em diferentes condições de secagem no campo.


Fonte: McDonald & Clark (1987).

Mudanças físicas, biológicas e químicas ocorrem quando a forragem esta no campo secando, sendo que a perda biológica ou metabólica primária é a respiração da planta.

A respiração tem um importante papel na planta viva, sendo que suas enzimas hidrolíticas e respiratórias, presentes na célula viva continuam seu funcionamento após o corte da forragem, decrescendo a respiração da planta pelo fato da restrição de oxigênio e água para o processo metabólico. Geralmente, a respiração decresce proporcionalmente com o conteúdo de umidade da planta, entre 26 e 40% de umidade. Portanto, nesta amplitude de umidade a atividade enzimática da planta cessa ou decresce a níveis não detectáveis. Caso ocorra nova umidificação na forragem por agentes externos (orvalho e chuvas), a reativação da atividade enzimática poderá ocorrer, traduzindo em prolongamento da respiração.

Com a prolongação do tempo de secagem no campo, desenvolvimento de bactérias, leveduras e fungos na forragem podem ocorrer (Pizaro & Warboys, 1972), permitindo desta forma que a taxa de respiração da planta se eleve e maiores perdas possam ocorrer.

A respiração inicial da planta pode ser considerada uma oxidação completa de açúcares (hexoses) a gás carbônico e água (Parkes & Greig, 1974), exemplificada pela equação:

C6H12O 6 + 6 O2 → 6 H2O + 6 CO2 + 2870 Kj


Carboidratos solúveis (principalmente açúcares) fornecem para os tecidos das plantas os principais substratos para respiração. A água, o dióxido de carbono e o calor gerado pela respiração da folha da planta causam perdas de matéria seca. A taxa de respiração declina rapidamente quando os carboidratos prontamente disponíveis são consumidos.

Honig (1979) comparou perdas mecânicas com perdas respiratórias com diferentes tempos de secagem e regimes de manejo em gramíneas. As perdas respiratórias representaram aproximadamente de 1/3 a 1/4 das perdas totais, o qual representa de 3 a 5% da MS quando enfardado a 80% de MS. Em azevém e trevo branco foram reportadas, perdas respiratórias de somente 2 a 3% da MS em silagens pré-emurchecidas e 8 a 9% da MS em fenos secos no campo. Estas perdas representam aproximadamente de 14 a 33% do total de MS perdida para silagens pré-emurchecidas e fenos secos no campo, respectivamente.

Sobre condições desfavoráveis de secagem, os efeitos da respiração vegetal e microbiana são dificilmente separados. Durante condições chuvosas algumas perdas são atribuídas a lavagem podendo se tornar uma extensão da respiração da planta e o princípio da respiração microbiana.

Honig (1979) relacionou atividade respiratória com temperatura e teor de MS (Figura 1). A taxa respiratória decresceu de maneira quadrática em todas as temperaturas à medida que diminuiu a umidade. O declínio na taxa respiratória pode ser parcialmente explicado pelo suprimento de O2, sendo que, quando as células estão em estado flácido, os estômatos são fechados. Assim é perdido o espaço intercelular e há uma maior área de contato entre as células, diminuindo a área normal de fluxo de gás, causando menor difusão, e então aumentando a resistência do mesófilo para O2 (Levitt, 1980).


Figura 1. Taxa de perda respiratória para seis temperaturas como efeito do teor de MS.
Fonte: adaptado de Honig (1979).

Em resumo, a respiração da planta durante o período de secagem resulta principalmente em perdas de carboidratos solúveis, conseqüentemente, concentração de proteína bruta, fibra e outros constituintes da planta são pouco afetados. Dentro da fração PB, proteínas verdadeiras podem ser convertidas em nitrogênio não-protéico.

Se a re-hidratação ocorrer, a atividade metabólica pode retornar e perdas respiratórias continuar. Após as membranas não serem mais funcionais, vazamento de eletrólitos pode ocorrer com adição de água (Levitt, 1980). Após o material vegetal não estar mais vivo, re-hidratação pode aumentar a atividade microbiana e utilização de substratos. Collins (1983) reportou que perdas subseqüentes pela re-hidratação podem resultar em perdas foliares, lavagem de nutrientes e respiração, reduzindo CNE e digestibilidade in vitro da MS e aumentando dos teores de lignina. Concentrações de minerais como P, Ca, e Mg foram aumentadas com a re-hidratação, o qual sugere que perdas de MS foram maiores que perdas de nutrientes (Collins, 1985).

A quantia das perdas que ocorrem por danos decorrentes de chuvas é extremamente variável, dependente da colheita e de fatores ambientais. O principal fator que afetará as perdas será ditado pelas características da chuva, incluindo quantidade, intensidade e duração. Fatores da forragem colhida como conteúdo de umidade no momento da chuva, relação folha:caule, densidade da fileira e a espécie utilizada também irá influenciar nas perdas.

Perdas de folhas é uma forma de dano causado pela chuva, sendo que as gotas de chuva podem desprender as folhas do caule, geralmente essa perda é mais notável em leguminosas. Collins (1983) estudando o comportamento da chuva (natural e artificial) em alfafa e trevo vermelho encontrou que o aumento na quantidade de chuva (25, 41 e 62 mm), elevou as perdas de folhas em 5,7; 8,0 e 10,0% respectivamente.

A lixiviação de nutrientes solúveis das plantas é a perda predominante de danos por chuva, sendo que a quantificação dessas perdas sob chuva natural é de difícil mensuração, sendo que inclui perdas de folhas, lixiviação de nutrientes, perdas durante a colheita e respiração da planta e de microrganismos. Em geral, estudos concluem que as perdas se elevam à medida que a quantidade de chuva aumenta em uma taxa de 0,7 - 1,0%/ mm de chuva (Rotz & Abrams, 1988). Perdas de matéria seca de até 30% são reportadas pela literatura, sendo que estas podem chegar acima de 50% quando severos danos são causados por chuvas, o que pode tornar o alimento inviável para fornecimento aos animais, pois geralmente o que se perde são os nutrientes da planta altamente solúveis e digestíveis.

Referências bibliográficas

COLLINS, M. Hay preservation effects on yield and quality. In: Post-harvest physiology and preservation of forages. Moore, K.J., Kral, D.M., Viney, M.K. (eds). American Society of Agronomy Inc., Madison, Wisconsin.1995. p.67-89.

McDONALD, A.D., CLARK, E.A. Water and quality loss during field drying of hay. Adv. in Agron., Madison. v.41, p. 407-437. 1987.
REES, D.V.H. A discussion of sources of dry matter loss during the process of haymaking. J. Agric. Eng. Res., London. v.27, n.4, p.469-479. 1982.

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

Zootecnista pela Unesp/Jaboticabal.
Mestre e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ/USP.
Gerente de Nutrição na DeLaval.
www.facebook.com.br/doctorsilage

JÚLIO KUHN DA TRINDADE

SALIM JACAÚNA DE SOUZA JÚNIOR

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint