ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O superabastecimento do silo trincheira: Um problema das fazendas brasileiras

POR THIAGO BERNARDES

THIAGO FERNANDES BERNARDES

EM 25/03/2015

2 MIN DE LEITURA

19
1
Nos últimos dois anos o nosso grupo de pesquisa visitou dezenas de fazendas em cinco estados brasileiros, os quais têm expressiva produção leiteira (Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e São Paulo) e identificamos um fato muito comum entre elas: o superabastecimento dos silos trincheira. Mas o que é o superabastecimento? Este termo retrata toda a massa de silagem que é colocada acima do nível das paredes do silo. Então, neste momento você deve estar imaginando: Qual é o problema de superabastecer? O principal reflexo desta prática é o aumento da perda de silagem causada pela deterioração. A perda aumenta de forma significativa porque toda a silagem que está localizada acima das paredes não é compactada ou é menos compactada em relação a silagem do centro do silo. A falta de compactação leva a uma massa mais porosa, ou seja, o ar se movimenta muito mais rápido. Lembre-se também que esta área é o topo do silo, portanto está muito próxima do ambiente atmosférico onde se encontra o oxigênio. Desse modo, é uma zona com muito risco de sofrer o ataque de microrganismos que crescem na presença de oxigênio (Por exemplo: os mofos). Outro ponto negativo desta prática é que a área do painel (largura x altura) aumenta. Maior área da face desvinculada da quantidade de animais que serão alimentados causará menor taxa de retirada, o que também promoverá maior contato da silagem com o oxigênio.

Mas afinal, por que muitos produtores superabastece o silo? Na realidade essa é uma recomendação antiga, a qual foi e, infelizmente, ainda é muito difundida no nosso país. A maioria diz que o abaulamento do topo é feito para escoar a água da chuva. Outra parte dos produtores justifica que não há estrutura de estocagem suficiente levando ao superabastecimento. A questão do escoamento da água pode ser facilmente resolvida quando se reveste a parede (lona entre a parede e a massa). As informações de como se fazer isso estão no artigo ‘Potencialize a vedação da sua silagem’, publicado neste site. A segunda justificativa passa por uma questão de planejamento da propriedade, pois não recomendação técnica para resolver falta de estrutura.

Está reportado na Figura 1 o exemplo de uma fazenda que utiliza cerca de 3500 kg de silagem/dia e abastece o silo (9 m de largura) até os quatro metros de altura, conseguindo uma taxa de retirada de 14,6 cm/dia. Tal avanço, conforme comentado anteriormente, se torna crítico para uma propriedade que não deseja ter silagem deteriorada na alimentação dos animais. Neste caso, seria suficiente abastecer o silo até 2,4 m (altura das paredes) e destinar a parte restante a um silo do tipo superfície, devidamente dimensionado e compactado. Assim, resultaria em uma taxa de 23,1 cm/dia para o silo trincheira e 43,6 cm/dia para o silo superfície de mesma largura, como claramente ilustrado na Figura 1.


Figura 1 – Avanço do painel de um silo trincheira abastecido além das paredes de contenção; simulação do abastecimento do mesmo silo (entre as paredes) e a confecção de um silo superfície com a parte excedente de forragem

Perceba que o próprio silo nos diz qual é o limite dele, ou seja, a massa deve ser acomodada até o limite das paredes. Procure se adequar a esta prática de manejo e, no futuro, você encontrará uma redução das perdas no topo. Lembre-se também que nem todas as perdas são visíveis, portanto não as subestime.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

THIAGO BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

19

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

THIAGO BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 06/06/2016

Caro Fernando,



Interessante a tua pergunta e a mesma ajudará outros produtores a entenderem esta questão.

O 'abaulamento' feito no silo trincheira não é igual aquele do silo superfície. Por que? Porque no silo superfície o maquinário possui  a condição e DEVE  compactar a massa em ambos os sentidos do silo, longitudinal e transversal. Principalmente a compactação transversal tem efeito direto sobre a densidade final da massa. No silo trincheira os produtores compactam muito menos em função da posição do topo. Em algumas situações o trator não consegue se movimentar sobre a massa, por isso não se deve abaular e respeitar a altura das paredes.



Att,



Thiago Bernardes
FERNANDO RAMOS

BIAS FORTES - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 04/06/2016

Prof. Thiago, muito interessante o tema do artigo, e apesar do tempo se passado desde a publicação, acabo de ver uma entrevista sua sobre esse mesmo tema no canal que acompanho, café com silagem, e foi após ver o vídeo, que vim pesquisar e encontrei esse relato aqui do site. Se me permite a pergunta que em ambos momentos me surgiu um a respeito.

Esse ''abaulamento'' do silo, não seria a grosso modo como um ''silo superfície'' acima do trincheira, então se a compactação fica comprometida no excedente do trincheira, no superfície também ocorre o mesmo fenômeno ou parecido? Como ficaria a situação no caso dos silos superfícies? Grato e aguardando .
JULIANO BÉRGAMO RONDA

UBERABA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 04/04/2015

Também podemos considerar que a presença de oxigênio aumenta a produção de calor. E que consequentemente irá desenvolver reação de Maillard. Reação esta que reduz a digestibilidade de nutrientes presentes na silagem, como por exemplo aminoácidos.
THIAGO BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 30/03/2015

Caro Lucas e demais leitores, existem várias perdas que são consideradas 'invisíveis'. A primeira delas seria o CO2 que é produzido durante a fermentação por microrganismos indesejáveis. O carbono de molécula de CO2 foi retirado de carboidrato (nutriente) e transferido para um gás, ou seja, não deu origem a uma outra molécula que nutricionalmente é importante como um ácido, então é perda.

Outras perdas 'invisíveis' estão relacionadas com a redução de consumo dos animais e queda na produção. Somado a isso, a saúde deles também podem ser afetada pela estocagem inadequada e de repente não atribuída à silagem.



Att,



Thiago Bernardes   
THIAGO BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 30/03/2015

Caro Alexandre, por favor me encaminhe um email (thiagobernardes@dzo.ufla.br) que eu mando a dissertação pra você.



Att,



Thiago Bernardes
CLAUDIO WINKLER

CARAMBEÍ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/03/2015

Apenas acrescentaria que não acho que seja, como sugere o título "um problema das fazendas brasileiras" ... superabastecimento acontece em qualquer lugar, é prática comum no mundo todo e está naquela lista de coisas nas quais o papel do técnico é dizer como deveria ser feito enquanto ao produtor compete "seguir a orientação na medida do possível".



Como o próprio artigo sugere, nem sempre seguir todas as orientações é possível, fazendas crescem, silos tornam-se pequenos, etc.
ZELIO DA SILVA

ABELARDO LUZ - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/03/2015

   eu  so tenho  agradecer   pelo  materia   porque  com  ela  eu tirei  duvidas  que  tinha  sobre  silagem.
ANTONIO MUNIZ FILHO

ROLIM DE MOURA - RONDÔNIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 27/03/2015

PARABENS THIAGO PELAS COLOCAÇÕES TAO PRECIOSA, JA TRABALHAMOS COM SILAGEM A MUITO TEMPO E ERA NO SISTEMA TRADICIONAL E DE FATO OCORRIA AS PERDAS.
ALEXANDRE MORALES FARIAS

TOLEDO - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 26/03/2015

Muito bom artigo.... Poderia enviar esta tese por e-mail? Obrigado
JOSÉ RENATO PEREIRA BICUDO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/03/2015

Apesar de não estar diretamente ligado à pauta, em meu caso e de 90% de minha região , fazemos silo superfície , o senhor poderia nos colocar algumas considerações em relação a esta modalidade de silo?

Antecipadamente agradeço

Att

Zé Renato
CELMO ALVES

ITAMARANDIBA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/03/2015

Muito valia seu artigo Thiago, muito útil ao produtor. Já aconteceu isso no nosso sítio, fica muito cheio e visível na retirada da silagem que a parte de cima fica diferente da parte de baixo , apresenta, coloração escura, morfo e o material esquenta, e parte de baixa mais compactada tem um aspecto melhor, as vacas consome normalmente.
RICARDO LEONEL SOBRINHO

LAGOA DA PRATA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/03/2015

TIAGO QUERO SABER COMO FICA UMA SILAGEM DE SORGO, MILHO E TANZANIA  OBRIGADO
MARIA RITA DE OLIVEIRA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/03/2015

Já que estamos falando de silagem,

Algum pesquisador pode me responder?

As perdas invisiveis podem afetar a qualidade do leite?

Com a presença de micotoxinas?

Existe algum estudo que correlaciona silagem e presença de micotoxinas no leite?

Ou que avalia a qualidade do leite de criação extensiva e de silagem quanto a presença de micotoxinas?
THIAGO BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 26/03/2015

Caro José Pedro, ótima colocação. Me sinto muito satisfeito por ouvir um depoimento tão claro e importante vindo de um produtor. A silagem proveniente do topo do silo na maioria das situações tem qualidade inferior e um dos motivos é justamente o que comentamos neste artigo. Como você pontuou, as perdas não são somente do alimento, mas os animais também sofrem com isso.



Att,



Thiago Bernardes
JOSÉ PEDRO FRANQUEIRA JUNQUEIRA

SÃO LOURENÇO - MINAS GERAIS

EM 26/03/2015

Realmente esta prática é muito usada, sempre vemos os silos super cheios. Mas quase nunca com vedação lateral.Já acompanhei um caso em que por ter silo grande o tratador retirava alguns dias a silagem na parte de cima do silo e depois alguns dias na parte de baixo (mais compactada ) e a quantidade de leite fazia uma curva junto com esta mudança, subindo quando se usava a parte de baixo e baixando quando se usava a parte "aérea " do silo. Intrigado com isso foi enviado para análise em laboratório das duas porções e a diferença foi confirmada , com melhor qualidade para a parte de baixo do silo.
THIAGO BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 26/03/2015

Caro Alberto,

Sim! Existem dados científicos que comprovam a teoria. A minha orientada de mestrado defendeu recententemente a sua dissertação intitulada 'Avaliação de silagens de milho em fazendas leiteiras de alta produção' e uma das conclusões se refere ao efeito negativo do superabastecimento do silo trincheira, conforme foi comentado ao longo do texto.



Att,



Thiago Bernardes
LUCAS PESSOA DE OLIVEIRA

TIROS - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 26/03/2015

Quais seriam as perdas que não são visíveis ?
SANDRO MAGNO DE M. POTENCIANO

BELA VISTA DE GOIÁS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/03/2015

Muito bem lembrado!
ALBERTO FARBER

VIDEIRA - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/03/2015

Existe dados científicos que comprovem essa teoria??
MilkPoint AgriPoint