FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Conservação de forragem de precisão - Quais serão os nossos próximos passos?

POR RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

E THIAGO BERNARDES

THIAGO FERNANDES BERNARDES

EM 02/02/2012

3 MIN DE LEITURA

8
0
Os avanços em tecnologia na conservação de forragens tem se tornado tema com destaque em vários eventos do segmento. Até pouco tempo, nós questionávamos apenas pelo uso de aditivos em silagens como tecnologia de ponta. Evolução nos sistemas de vedação de silos já é encontrado no mercado e agora se inicia mais uma grande frente de inovações que é a colheita de forragem monitorada por espectrometria do infravermelho proximal ou NIRS (near infrared reflectance spectroscopy).

A técnica baseia-se no uso de um aparelho que tem capacidade de determinar o teor de matéria seca (MS) da planta à medida que a mesma passa pela bica da colhedora de forragem (Figura 1). O uso dessa técnica é de elevada importância, principalmente pelo fato da MS da planta ser um dos grandes determinantes para obtenção de silagem de qualidade.



Figura 1. Determinação do teor de matéria seca em tempo real utilizando o NIRS. Fonte: Digman e Shinners (2011).

O NIRS é uma ferramenta que possibilita ao produtor uma resposta em tempo real a respeito da qualidade da silagem, o que tem grande potencial de mudanças nas tomadas de decisões para o manejo e uso da forragem.

Vale ressaltar que o cálculo da produtividade da lavoura em tonelada de matéria seca/ hectare (t MS/ha) é bastante interessante, principalmente por ser na MS que estão contidos todos os nutrientes das plantas (proteína, carboidratos, gordura, minerais e vitaminas). Por exemplo, em 1 ha de milho com produtividade de 50 t MV/ha, se a colheita for realizada com a planta com teor de MS de 30%, sua produtividade será de 50 x 30/100 = 15 t MS/ha. E se essa lavoura apresentar teor médio de proteína bruta de 8%, a produção de proteína será de 15 t MS/ha x 8/100 = 1,2 t MS de proteína/ha.

Dessa maneira, com possibilidades de melhorar a acurácia na determinação de MS da lavoura permite construir um mapa de toda área. A construção desses mapas de produtividades pode auxiliar com as tecnologias de aplicações de demandas do solo, como uso de fertilizantes e aplicação de pesticidas fertilizantes, bem como definir o investimento das áreas de forma segmentada. A resposta final é redução de custos, pelo fato de proporcionar demandas específicas e nos locais, por exemplo, que exigirem menor quantidade de aplicações de herbicidas, haverá melhoria relacionada com a preservação do meio ambiente.



Figura 2. Monitoramento por NIRS e mapeamento de produtividade e qualidade da forragem com GPS. Fonte: Digman e Shinners (2011)

Com relação ao processo de conservação é importante destacar que caso uma cultura seja colhida com elevada umidade, problemas como fermentação irão surgir, como é o exemplo de fermentações butíricas, as quais degradam proteínas da silagem, depreciando a aceitabilidade do alimento pelo animal. Outro grande problema com a colheita da planta com elevada umidade é o escoamento de efluentes, que além de estar carreando nutrientes que poderiam estar posteriormente disponíveis aos animais, também tem grande potencial poluidor caso esse "chorume" alcance lençóis freáticos ou ribeirões.

Também é importante ressaltar que de modo contrário, quando a forragem apresenta-se com teor baixo de umidade, problemas também ocorrerão, como é o caso da redução da densidade do silo, o que potencializará a deterioração aeróbia da silagem, com conseqüente redução em seu valor nutritivo.

Portanto, essa ferramenta permite designar diferentes porções da área plantada para silos diferentes, permitindo assim que as variações no teor de MS se minimizem dentro do silo e a dieta final fornecida ao animal apresente padrão constante ao longo do tempo. (Leia Variação de 7% no teor de MS da silagem de milho - Quais as implicações no desempenho animal?).

Por final, o uso de uma tecnologia como essa também pode chegar até o cocho. Este tipo de equipamento tem capacidade de analisar em tempo real o valor nutritivo da silagem originada e auxiliar durante a formulação da dieta. Assim, será possível realizar ajustes finos dentro de uma dieta, impossibilitando variações elevadas dos nutrientes dentro de uma fórmula, o que não gera estresse ao animal por mudança na alimentação, permitindo que a produção seja maximizada.

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

Zootecnista pela Unesp/Jaboticabal.
Mestre e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ/USP.
Gerente de Nutrição na DeLaval.
www.facebook.com.br/doctorsilage

THIAGO BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RODRIGO MARONEZZI

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS

EM 21/01/2013

Marcelo, boa tarde:

Que ótimo você ter estes mapas de produtividade e MS.

Quais as aplicações práticas que tem encontrado?

Além da MS este aparelho mede mais algum dado como FDN ou FDA?



Pouco falamos em melhor produção de MS digestiva por hectare, quem sabe um dia tenhamos custos de produção de silagens com estes parametros...



Abraço

Maronezzi/Alltech MG

MARIANA RODRIGUES CANELLAS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS

EM 29/02/2012

O MAIOR BENEFICIADO COM A APLICAÇÃO DE TECNOLOGIAS SEMPRE SERÁ O CONSUMIDOR FINAL, NESTE CASO, A TECNOLOGIA FICANDO ACESSÍVEL TODOS AS FAZENDAS QUE TRABALHAM COM BOA ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA SERÃO BENEFICIADAS, MAS AGORA, QUEM PARTIR NA FRENTE ESTARÁ NA VANGUARDA DE UMA TECNOLOGIA QUE SEM DÚVIDA É ESSENCIAL PARA UMA PRODUÇÃO OTIMIZADA E ECONÔMICA.
ALESSANDRA POLASTRINI

PALMAS - TOCANTINS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 13/02/2012

Nossa, muito interessante, ainda não conhecia essa tecnologia, espero que ela fique acessível ao maior número de produtores possíveis a curto prazo.
ALTAIR CARLOS GUZI

VIDEIRA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/02/2012

Muito interessante! Infelizmente grande parte dos produtores não levam em consideração o ponto ideal de corte para a silagem e acabam armazenando muita água. Além  de baixar a qualidade da silagem armazenam também grande prejuízo.  
JOSÉ OTON PRATA DE CASTRO

DIVINO DAS LARANJEIRAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 03/02/2012

Muito bom. Boas tecnologias existem nas pratileiras das excelentes unidades de pesquisas do país. Sua implementação exige mão-de-obra capacitada e principalmente recursos a juros baixos ou subsidiados e a longo prazo. Não precisa ser tão longo assim, apenas, igual ás decisões judiciais ou pagamento dos P R E C A T Ó R I O S.
MARCELO PASSOS

MARINGÁ - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 02/02/2012

Sr. Paulo, concordo plenamente com sua colocação, pois a determinação do teor de MS através do forno microondas é uma técnica bem fácil e muito eficaz para se determinar o ponto idela de ensilagem.
PAULO R. F. MÜHLBACH

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/02/2012

Muito interessante, muito avançado e inovador, porém, se nas nossas condições atuais ao menos se determinasse o teor de MS através da técnica do forno de microondas, já seria muito bom para uma melhor ensilagem.


Bom também seria o uso de inoculante, inclusive na confecção de silagens de milho.
MARCELO ROBERTO ANRAIN

TREZE TÍLIAS - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/02/2012

Muito interessante o artigo. jà possuímos em nossas máquinas esse nova ferramenta.


Abraço!!!!
MilkPoint AgriPoint