FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Volatilidade do mercado: como era antes da Covid-19 e como deve ficar

POR SAVIO SANTIAGO

SÁVIO SANTIAGO

EM 27/05/2020

5 MIN DE LEITURA

19
17

No passado, após o fim dos tabelamentos, as variações de mercado eram muito previsíveis com  safras e entressafras bem definidas. O pilar mais determinante sempre foi a oferta. A produção marcava uma variável previsível entre o período chuvoso e os meses de seca.

Os sistemas de produção, bem menos tecnificados que hoje, fortaleciam o peso das chuvas na disponibilidade de leite. Se tinha chuva, calor e luminosidade havia oferta de pasto e o leite vinha. Se faltava chuva, esfriava e a luminosidade caía, faltava pasto e o leite sumia.

Na época, como estreante no espetáculo do leite, em um momento de final do período da seca, ouvi a ordem de um dirigente de cooperativa: “Na hora que cair uma poeira (garoa) tem que pagar Extra-Cota”. O plano de pagamento de excessos, para quem é mais novo, consistia em determinar um valor muito baixo (quase nulo) no leite que excedia o volume médio produzido no período da seca.

Pode parecer crueldade do então dirigente cooperativista, mas era impressionante a curva de subida na produção de um dia pra outro com o início do “período das águas”. Eram rebanhos sub-alimentados na seca que quase por um milagre da natureza passavam a ter alimentação fresca, tenra e de qualidade logo que chovia.

O insumo recorde de vendas na cooperativa era o farelo de trigo e praticamente nenhum produtor fornecia regularmente concentrado às vacas de produção. O pilar consumo era menos volátil, mesmo com todas as agruras econômicas. Isso tem muito haver com os canais de vendas de leite fluido. O leite UHT ainda tinha baixa participação e o leite pasteurizado em saquinhos fazia parte de um ritual regionalizado de visitas diárias às padarias para a compra do leite e do pão.

Na safra, os hábitos e os volumes de consumo permaneciam e a indústria tentava não levar tanto o impacto dessa grande variação de disponibilidade para as padarias e canais de vendas. Portanto o pagamento “cota-excesso” fazia todo o sentido, e também porque não tínhamos tantos produtos de shelf-life maiores que ajudassem a corrigir as curvas.

As maiores cooperativas e indústrias se valiam do valor muito baixo do leite extra-cota para produzir leite em pó e parmesão para armazenar durante meses.

Com o advento do leite UHT como leite fluido principal e da super concentração nos canais de venda, migrando das padarias e mini mercados para grandes redes e atacadistas e também do crescimento mais massivo na distribuição dos queijos e subprodutos, as medidas de controle da produção tiveram fim e o mercado passou a se auto regular. A dinâmica das cotações vinculou-se nos dois pilares principais com peso mais equilibrado: disponibilidade e consumo.

Claramente a crescente tecnificação das fazendas também ajudou a ajustar a curva, minimizou o impacto safra/entressafra e abrandou a volatilidade.

A volatilidade de preços em qualquer setor parece ser sempre um problema, e de fato ela é em alguns momentos. No setor leiteiro nacional ela é desafiadora, mas pode se configurar como oportunidade para quem é analítico, não é imediatista e conseguiu atrativos comerciais para agregar valor ao seu produto.

Em um artigo do Marcelo Pereira de Carvalho no início de 2019 Mercado do Leite: É Hora de Discutir o Problema Certo foi exposta uma comparação da volatilidade dos preços de leite a nível mundial. Vou reproduzir os gráficos originais daquela análise antes de seguir o raciocínio:

Entre os principais países citados e posicionados com menor volatilidade que o Brasil estão a Argentina e Uruguai.

São países exportadores, inclusive para o Brasil, porque não tem em seus mercados internos a possibilidade de alocar toda a produção e sustentar o crescimento da produtividade das fazendas. Eles tem menor volatilidade, mas estão nivelados por baixo, já no “fundo do poço”. Nós temos na volatilidade a possibilidade ou a oportunidade de realizar médias anuais consolidadas interessantes. O mercado interno brasileiro é pujante e, mesmo com as variações naturais, nos propicia momentos de picos que ajudam a agregar valor à média anual e anular períodos de preços muito mais baixos.

Quando tratamos o leite como safra anual os números médios parecem ter um encaixe mais lógico e as curvas mostram o quanto menos impactante é a volatilidade do mercado lácteo brasileiro. Na lógica anual, a tendência geral é de constante valorização mesmo com as devidas correções econômicas. 

O leite ao produtor no Brasil se comporta com um desenho gráfico, entre valorizações e desvalorizações, que variam entre períodos de mudanças nas linhas de tendência semestrais em anos normais e raramente quadrimestrais ou trimestrais para anos mais voláteis.

Os fluxos de variação que estamos mais acostumados são quase sempre de mudanças de tendências semestrais. Considera-se semestral porque a representação gráfica completa o fluxo de subida ou decida em média e em geral semestralmente. Adiante um gráfico que expressa hipoteticamente essa variação:

Diante do novo coronavírus, surgiu um novo e forte pilar dentro da variável demanda que tem relação com o consumidor: são os hábitos de compras. Os cuidados provocaram o efeito de estoques residenciais, mudando canais de compra e – porque não dizer também?–  o perfil de compra.

Semanas de recebimento de salários e benefícios com super consumo seguidas de períodos da mais evidente ressaca nos pontos de venda. Aumento no ticket médio de compra do consumidor e redução no número de visitas aos comércios.

A mudança nesses hábitos pode em alguns momentos levar a volatilidade a um patamar de maior intensidade em curtos períodos. Podemos portanto, ver períodos de "curvas W" com subidas seguidas de descidas e logo corrigidas com subidas e sequenciais descidas em espaços de tempos menores, bi ou trimestrais. São efeitos do super consumo seguidos de super retração. determinados pelo acesso a renda. Como exemplo a representação a seguir:

Claro que o pilar hábito de consumo não será o único e nem o mais impactante. A oferta segue sendo o mais importante marcador de tendências. Mas precisamos aprender a nos adaptar ao novo comportamento de preços mais voláteis, até que tudo se normalize.

Resta saber o quanto as mudanças comportamentais influenciarão o consumo após a crise. Especialistas afirmam que haverá uma mudança de hábitos de consumo a nível mundial no pós-pandemia. Precisamos aguardar para ver como nos posicionar.

Por hora, devemos entender que passamos por um momento de exceção que exige de nós mais controle, criatividade e atenção.

Citando novamente o amigo Marcelo Pereira de Carvalho, diante da derrocada econômica de setores, negócios e pessoas, “somos afortunados” por ter uma atividade que segue em frente se especializando e se valorizando.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

SAVIO SANTIAGO

Gestor de Matérias Primas Lácteas da Verde Campo,
empresa do grupo Coca-Cola especializada em lácteos saudáveis. Pioneira na produção de produtos sem lactose. Tem na linha produtos reduzidos em sódio, zero açúcar e proteinados.

19

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS ALBERTO T. ZAMBONI

MOCOCA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Parabéns Savio muito boa a sua analise.Perfeita. Passou-me um filme dos tempos idos: Tabelamento, safra, entresafra, cota-extracota, leite pasteurizado, plano cruzado, consumidor/padarias querendo mais leite, mas a entresafra não permitia. Grande aprendizado tudo isso.

abs
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Obrigado Zamboni !!! Também revivi muitos momentos. Abraço !
MARCO ANTÔNIO MALBURG

ÁGUA BOA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/05/2020

achei que ficou inconcluso!
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Perdão Marco. Mas se você me passar qual a sua dívida posso te ajudar
EM RESPOSTA A SAVIO SANTIAGO
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Dúvida
JOSÉ DE ANCHIETA OLIVEIRA

ITUIUTABA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/05/2020

Ótimo texto
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Obrigado José !
GLAUCO RODRIGUES CARVALHO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 28/05/2020

Muito bom Sávio. Parabéns pela análise englobando os pilares econômicos: oferta, demanda e preço.
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Obrigado Glauco !!!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 28/05/2020

Ótima análise, Sávio!
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Valeu professor !
PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 28/05/2020

Muito boa análise, Sávio. Parabéns!
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Obrigado professor !
JOSELY COSTA SANTIAGO DE BARROS

RIO BONITO - RIO DE JANEIRO

EM 27/05/2020

Muito boa a matéria filho. Se não houver como disse, criatividade e atenção ao que acontece diante da situação atual, as indústrias e setores de comércio não terao como se apatar em tempos tão difíceis e inusitados como os atuais. O leite semore será um produto muito essencial para todos. Bebam leite para aumentarem a imunidade. (conselho de mãe rsrsrs).
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Obrigado dona Jô ??
GRAÇA CABRAL CURCIO

LEOPOLDINA - MINAS GERAIS

EM 27/05/2020

Parabéns Sávio Santiago por todo trabalho q faz com excelente capacidade e amor, o resultado só pode ser 100% melhor q qualquer outro! Parabéns a sua equipe tbm!!! Adoramos seus produtos!!! Obrigada.
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Obrigado !!!!
THATÁ CABRAL CURCIO

EM 27/05/2020

???????????? Muito bem explicado! Ótima colocação!
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/05/2020

Obrigado !!