ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Boas Práticas na Produção de Leite: valores muito maiores do que financeiros

Atualizado em 01/02/2018

Segundo a FAO, “as Boas Práticas Agropecuárias aplicadas à pecuária de leite tratam da implementação de procedimentos adequados em todas as etapas da produção de leite nas propriedades rurais, o que coletivamente é conhecido como Boas Práticas na Pecuária de Leite. Essas práticas devem assegurar que o leite e os seus derivados sejam seguros e adequados para o uso a que se destinam, e também que a empresa rural permanecerá viável sob as perspectivas econômica, social e ambiental.”

Essa definição vai muito além de simples históricos de resultados de qualidade de leite. Ela abrange diversos aspectos ligados a atividade e que estão no centro das discussões setoriais, chegando aos consumidores. Definindo em um conceito mais amplo, “Boas Práticas são técnicas identificadas como as melhores para realizar determinada tarefa ou um conjunto de tarefas. Portanto, pretende-se monitorar e certificar que os métodos aplicados estão de acordo com o que ficou definido, através de experimentos e estudos práticos, como mais eficientes e seguros”.

A alta complexidade que caracteriza o processo de gestão de uma fazenda leiteira requer que sejam traçadas diversas metodologias de controle em todos os setores do processo produtivo. Aplicar métodos bem definidos e registrar o máximo de dados para orientar a tomada de decisões, quase sempre são os motivos principais de sucesso de uma unidade de produção de leite. Olhando para além das porteiras, a produção agropecuária no mundo todo passa por um momento de fortes questionamentos. Não basta mais produzir com qualidade, é necessário mostrar como se produz. 

Recentemente, uma grande empresa lançou uma bebida de coco que claramente tenta ocupar um espaço de gôndola em substituição ao leite original. Estaria tudo na normalidade de mercado se não fosse a agressiva campanha publicitária que motiva veganos ideológicos a conquistar novos consumidores sem “bandeira” com seus discursos fundamentalistas de maus tratos aos animais.

O consumidor leigo não tem argumento de defesa ou conhecimento de causa, não conhece uma fazenda de leite e se assusta facilmente com o desenho de horror traçado pelos radicais. Em uma inteligente, porém antiética estratégia, a publicidade sugere que vacas necessitam de férias.

Promoveram no ato do lançamento, uma “festa de despedida da vaca”. Nas redes sociais, a empresa posta insistentemente fotos da tal vaca agradecendo aos consumidores do “leite de coco” e logo abaixo vem uma série de comentários pejorativos à pecuária leiteira realizados por veganos. Em tese, não é a empresa que está falando mal da produção de leite, mas os “consumidores” que comentam as imagens. Só esquecem de mencionar que esses consumidores são motivados por uma linha de pensamento radical ideológica que não os permite avaliar contra-argumentos com bom senso.

Esse exemplo somente tem potencial de atingir o setor porque não existe um plano bem definido no Brasil de atendimento às Boas Práticas, que incluem métodos para o bem-estar animal. Se o contrário ocorresse, já teríamos empresas de laticínios, fazendas e produtos na gôndola comunicando padrões de trabalho em respeito aos animais, como ocorre em boa parte do mundo. Certamente os veganos radicais continuariam sendo veganos radicais por toda a vida, mas a capacidade de contaminação que eles exerceriam no consumidor normal seria extremamente minimizada, se não, anulada. Nessa realidade, sairíamos dos argumentos e daríamos exemplos práticos.

Provavelmente nenhuma empresa se aventuraria a lançar um produto com a estratégia de denegrir outro produto ou setor, que comunicasse com mais eficiência a responsabilidade com que é produzido. Porém, para comunicar é preciso realizar e se certificar de que está realizando. Apesar de ser baseada em métodos, as Boas Práticas quando aplicadas de forma séria, tornam-se rapidamente hábitos do dia a dia. É comum ouvir de produtores que após a implantação, o esforço do trabalho diário diminuiu em virtude da eficiência alcançada em cada processo.

A nossa experiência na Verde Campo ao longo do tempo, nos ensinou que comportamentos bons, trazem resultados bons. Hoje temos quase a totalidade do leite adquirido de fazendas certificadas em Boas Práticas, motivadas pela Verde Campo, e estamos em um processo contínuo de evolução dos métodos aplicados.

Iniciamos 2018 transformando a Certificação BPF em quatro processos de certificação que surgiram em seguidas trocas de informações com outras operações da Coca-Cola em lácteos ao redor do mundo. As fazendas serão avaliadas basicamente no esquema a seguir:

Serão trabalhadas quatro certificações independentes que pretendem interferir nos processos de forma completa, mapeando todos os procedimentos e tratando ponto a ponto as melhorias. As Boas Práticas de Produção (BPP) focam na qualidade do leite, controle de processos produtivos, estruturais e procedimentos que propiciem segurança alimentar e eliminem o risco de resíduos no leite obtido. 

As Boas Práticas em Bem Estar Animal (BPBEA) garantem o respeito às 5 Liberdades Fundamentais dos animais: Livre de Desconforto, Livre de Fome e Sede, Livre de Medo e Estresse, Livre para Expressar seu Comportamento Natural e Livre de Dor Lesões e Doenças. São aplicadas verificações práticas que simulam situações do dia a dia que podem interferir na rotina de bem-estar dos animais e são aplicadas correções de manejo.

As Boas Práticas Sociais (BPS) são checadas em um rico check list que pontua questões relativas a conformidade social. A qualidade de vida das pessoas envolvidas na atividade da fazenda é o principal objetivo. O trabalho é de Verificação da Legislação, Segurança Ocupacional e Condições de Vida.

Por fim, o pilar Meio Ambiente é tratado nas Boas Práticas Ambientais (BPA). Produtores serão certificados pela forma que tratam o meio ambiente. Os pontos de atenção se concentram no Atendimento a Legislação, Preservação Ambiental (Flora, Fauna e Solo), Preservação de Mananciais e Nascentes, Qualidade do Ar e Manejo de Dejetos;     

Muito além do bônus financeiro, a Verde Campo pretende com as ações de Boas Práticas, comunicar valores que acredita aos produtores de leite. Dessa forma, a empresa em parceria com seus produtores, vai disseminar através de seus canais e produtos esses mesmos valores aos consumidores e a sociedade.

Voltando ao mundo das definições, Valores são o conjunto de características de uma determinada pessoa ou organização, que determinam a forma como a pessoa ou organização, se comportam e interagem com outros indivíduos e com o meio ambiente. A palavra valor pode significar merecimento, talento, reputação, coragem e valentia.”

Por isso, acreditamos que para melhorar a reputação da pecuária de leite brasileira, precisamos ter coragem, valentia, e tomar decisões de valor, para a partir daí comunicarmos melhor o grande talento que temos na arte de produzir lácteos saudáveis, seguros e de qualidade, dia após dia.

SÁVIO SANTIAGO

Gestor de Matérias Primas Lácteas da Verde Campo,
empresa do grupo Coca-Cola especializada em lácteos saudáveis. Pioneira na produção de produtos sem lactose. Tem na linha produtos reduzidos em sódio, zero açúcar e proteinados.

38

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIELLA BARBOSA RIBEIRO

IPORÁ - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/03/2018

Parabéns pelo excelente artigo! Trabalho com extensão rural e sonho implementar essas boas práticas com os produtores.
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 13/03/2018

Bom dia Daniela,

Pode contar conosco no que precisar,

Abraço
DANIEL HENRIQUE DINIZ E SILVA

BETIM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/02/2018

Excelente artigo Sávio. Sinto orgulho de ser parceiro da empresa. Esse tipo de trabalho vai muito além da valorização da marca, valoriza a atividade, o produto e quem o produz.
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 23/02/2018

Valeu Daniel,

Você é um parceiro de valor, identificado com as nossas crenças,

Como foi dito, o conceito de valor é mais abrangente que o financeiro. A valorização das Boas Práticas chega da mesma forma a todos que participam.

Abraço !
ANTONIO DE CASTRO JUNIOR

JOANÓPOLIS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/02/2018

Muito legal. Quanta à empresa em questão, a ambev, queria ver se, de repente, os produtores parassem de comprar o RUC de suas cervejarias. ( Eu não compro, por questões nutricionais)
Seria uma dor de cabeça e tanto, não é mesmo?
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 23/02/2018

Verdade Antônio,

Obrigado pela participação !
JOÃO BOSCO VILELA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/02/2018

Excelente matéria sobre a qualidade do leite! Muito inovadora. Parabéns.
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 19/02/2018

Obrigado Joao Bosco !!!
JOÃO BOSCO VILELA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/02/2018

Excelente matéria sobre a qualidade na pecuária leiteira! Inovadora.
JOÃO PAULO FERREIRA CONDINO

MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 05/02/2018

Ótima Matéria Sávio!
Parabéns!
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 05/02/2018

Valeu Condino !
FREDERICO GARCIA LIMA

LAGOA DA PRATA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/02/2018

Boa tarde!
Parabéns pelo artigo, Sávio!
Acho interessante comentar que temos em nossa realidade muitos produtores que, mesmo sem que esteja formalizado em processos, já praticam pelo menos em parte as Boas Práticas de Fabricação, e têm uma preocupação com a qualidade e segurança alimentar do leite que produzem. Produzem com respeito ao consumidor final.
Iniciativas como as por você citadas, poderão dar força e valor ao trabalho destes dedicados produtores...
Abraços!
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Olá Frederico;

Realmente encontramos muitos produtores que já atendem esses requisitos, porque se identificam com os Valores (qualidade, Bem Estar, Meio Ambiente e Conformidade Social),

O importante da formalização é travar os conceitos já enraizados culturalmente na fazenda para eliminar riscos de segurança alimentar e de processos,

Agradeço a participação !!
PEDRO PAULO RIBEIRO

EM 02/02/2018

Muito interessante!! Fundamental para meu trabalho de pesquisa sobre LEITE
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Obrigado pela participação!
PEDRO PAULO RIBEIRO

EM 02/02/2018

Muito interessante!! Me ajudou no meu trabalho de pesquisa
NELSON JESUS SABOIA RIBAS

GUARACI - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/02/2018

Sávio
Vocês na Verde Campo, compram leite que não atende integralmente a IN 62? Quero dizer leite que eventualmente tenha CCS acima de 400, por exemplo.
Na prática vejo um problema muito sério a questão da aplicação da IN 62. Os lacticínios compram todo tipo de leite e acabam misturando .
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Olá Nelson;

Hoje temos padrões de leite comprado muito superiores aos exigidos pelo MAPA na IN 61,

Em média nossa CBT é mais de 92% e a CCS fica em torno de 35% melhor do que determina a legislação;

Na rotina diária, eventualmente, podem ter produtores que saem dos padrões, mas temos uma equipe de técnicos que imediatamente efetuam ações corretivas;

Os nossos resultados estão muito bons, mas acreditamos que a questão não está só nos índices de qualidade, mas na forma que se produz. Por isso o empenho no atendimento às Boas Práticas;

Obrigado pela participação
AILTON DE JESUS

SÃO PAULO - SÃO PAULO - DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS (CARNES, LÁCTEOS, CAFÉ)

EM 02/02/2018

Bom dia.
Perfeita sua colocação.
Para que haja efeito no que você expôs é necessário que outros influenciadores de opinião e lideranças da área de lácteos se envolvam, promovam e divulguem campanhas de conscientização do manejo, da qualidade e de quão é nutritivo e necessário o leite para o publico em geral.
Não se pode aceitar que empresas com campanhas com o intuito de gerar a confusão prospere a sua idéia.
abraços
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Concordo Ailton;

Obrigado pela participação !!
VIRGINIA MARIA DE BARROS CABRAL GONÇALVES

LEOPOLDINA - MINAS GERAIS

EM 02/02/2018

Parabéns pelo artigo! Precisamos de ideias novas que façam a diferença!
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Obrigado pelo interesse e participação !!!
DJANIR BAQUERO

LEOPOLDINA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/02/2018

Excelente artigo, parabéns!
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Obrigado Dejanir,

Valeu pela participação!
FERNANDO GAVAIA

LAGOA DA PRATA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/02/2018

Parabéns Savio,
Matéria muito bacana e muito bem escrito. Nós da Casa de Leite Bistro apoia e incentiva iniciativas e inovações como estas.
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Vocês são um exemplo vivo do que foi escrito,

Seus valores saltam aos olhos,

Parabéns mais uma vez Fernando!
NELSON JESUS SABOIA RIBAS

GUARACI - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/02/2018

Muito bom! Entretanto me parece que muitos dos atuais produtores estão longe dessas práticas. Também senti falta de uma avaliação de custos e da viabilidade de remuneração via mercado de uma comoditee como o leite.
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/02/2018

Bom dia Nelson;

Como disse, acredito que as Boas Práticas trazem benefícios diretos para as fazendas que viabilizam o processo por si só,

E é o emprego de valores muito maiores do que financeiros. Imagina que ocorre um choque de cultura ao seguir métodos bem determinados, que funcionários das fazendas começam a respeitar independente da presença dos proprietários. Um exemplo público e clássico disso é a Fazenda Casa de Leite, que segue conceitos bem fundamentados,

Na Verde Campo, bonificamos esses processos afim de estimular a implantação como nova prática setorial, mas a crença é que o benefício é consideravelmente superior ao financeiro;

Obrigado pela participação
SERGIO SILVA

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO

EM 01/02/2018

Parabéns pela lucidez e, oportunidade do conteúdo desta matéria! Fico feliz com sua coragem e, determinação!
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/02/2018

Valeu Serjão;

Muito obrigado !!
FÁBIO DEBIASE

EM 01/02/2018

Sávio, parabéns pela matéria, bastante esclarecedora e, principalmente, valorizando a ética e as inicativas pioneiras desta marca (VERDE CAMPO), que é simbolo de confiabilidade e inovação, tendo o consumidor como o foco principal.

Abraço.
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/02/2018

Obrigado Fábio!
VAGNER ALVES GUIMARÃES

VOTUPORANGA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/02/2018

Somos o quarto produtor mundial de leite,com 37 bilhões de litros, porém com qualidade ainda não satisfatória , o setor precisa avançar mais, esta metodologia vem somar para que além do volume crescente, tenhamos um produto de qualidade assegurada.
Um trabalho com técnicos especializados alcançara resultados de médio a longo prazo, que no meu ponto de vista esta mais relacionado com a mudança de comportamento de quem produz, o setor já vem passando por transformações e este trabalho já é mais uma ferramenta que vem encontro, parabéns.
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/02/2018

Concordo com você Vagner,

Chegou a hora de sermos grandes produtores no tamanho e também nas atitudes,

Obrigado pela participação
ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA LIMA JR.

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/02/2018

Muito bom o novo direcionamento dado pela Verde Campo na implementação das Boas Práticas de Produção. Estes processos de certificação reúnem todas as estratégias compatíveis com a produção saudável de alimentos. Parbéns!
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/02/2018

Obrigado professor,

Estamos evoluindo seguindo a sua referência

Abraço!!!
RONALDO CARVALHO MACEDO

LAVRAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/02/2018

Parabéns Sávio!!!!
SÁVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/02/2018

Valeu Ronaldo !!