ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Produtora do inconfundível requeijão, Catupiry alia história, tradição e qualidade

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

EM 19/09/2016

6 MIN DE LEITURA

2
0
Catupiry - logo É raro encontrar alguém que não conheça o famoso requeijão Catupiry. Seja no recheio de uma torta, na cobertura de uma pizza ou até mesmo em algum doce, o produto – que apresenta um sabor inconfundível – hoje é sinônimo de qualidade, tradição, confiança e nome de categoria.

A empresa familiar, que surgiu em novembro de 1911, foi um sonho que virou realidade nas mãos de Mário Silvestrini, imigrante italiano que iniciou a sua história em Lambari/MG. Sua esposa, Isaíra Silvestrini, inicialmente fazia a receita caseira do requeijão para o consumo da família, mas devido ao sucesso do produto, os amigos próximos pediram para que passasse a comercializá-lo. A partir dessa trajetória, a produção do requeijão expandiu e a marca Catupiry – que na língua indígena brasileira (tupi-guarani) significa “excelente” – começou a ganhar corpo. A famosa caixinha redonda, feita com uma fina folha de madeira, era confeccionada uma a uma, com rótulo nas cores vermelho, azul e branco.

Para fabricar o produto em maior escala, Mário buscou alguns parceiros para fazer negócio e a empresa passou a funcionar em um esquema de sociedade: a família Silvestrini e mais outras cinco famílias (que permanecem na gerência até hoje). Em 1922, o requeijão passou a ser industrializado na cidade de São Lourenço/MG e na década de 1940, a empresa expandiu o seu parque fabril para as cidades de Bebedouro e Santa Fé do Sul – na época, duas bacias leiteiras no Estado de São Paulo.

Segundo Vilson Sanchez, Superintendente da Catupiry e entrevistado pela Equipe MilkPoint, além dessas duas plantas, há uma em Santa Vitória/MG e outra em Doverlândia/GO. “Na cidade de São Paulo temos o nosso escritório e duas lojas próprias para vendas diretas dos produtos ao consumidor final. Chamadas de “Delícias do Catupiry”, elas ficam nos bairros de Moema e do Bom Retiro. Em Bebedouro também temos um estabelecimento assim. As lojas vendem massas prontas, tortas doces e salgadas, pizzas, salgadinhos, entre outros”.

Vilson Sanchez - Catupiry
Vilson Sanchez 

A prova de que todo o esforço e história da marca valeram a pena foi intensificada em 1973, quando a Catupiry recebeu o título de “o requeijão do Brasil” no Dicionário Internacional de Queijos, Les Fromages, editado pela Les Editions Larousse.

“A inspiração para a criação do requeijão partiu das primeiras pessoas que experimentaram a receita no início da criação. As tão adoradas caixas de madeira são vantajosas com relação ao plástico porque absorvem a umidade do requeijão, deixando-o mais gostoso e sequinho. A caixinha ainda é encontrada nas lojas, mas a demanda é tanta que estamos estudando voltá-la ao mercado no ano que vem”, destaca Vilson. Segundo ele, não é tão fácil encontrar a madeira ideal e quem a produza, até porque a ideia é que ela seja oriunda do reflorestamento. Na década de 1990 a troca da madeira pelo plástico (polipropileno) fez com que aparecessem outros formatos de embalagens, como bisnagas, sacos de dez quilos e baldes (especialmente desenvolvidos para serem vendidos às pizzarias).

caixa madeira Catupiry
Caixa de madeira da Catupiry comercializada na década de 1970 

Com 104 anos de tradição, a empresa possui atualmente 650 funcionários e capta leite de 1300 produtores. “Hoje, coletamos de 7 a 9 milhões de litros de leite por mês. Buscamos a máxima qualidade da matéria-prima e, por isso, colocamos para rodar algumas ações voltadas para os produtores de leite, como assistência técnica feita por profissionais qualificados da própria empresa ou convênios com profissionais da área de lácteos, compra de insumos por meio de convênios com lojas agropecuárias, educação continuada e também, palestras para os produtores”, relatou Vilson.

Todas as indústrias da Catupiry são equipadas com laboratórios de microbiologia e se porventura chega um leite com qualidade inferior e/ou despadronizado, é descartado ou devolvido ao fornecedor. “Não é à toa que a nossa marca nunca esteve envolvida em nenhuma fraude ou problemas do tipo”, ressalta.

O processo de fabricação do requeijão, mantido em segredo desde 1911, é considerado semiartesanal, pois os funcionários – que trabalham há anos na empresa – só de olharem para o produto sabem se tem algo errado com ele. “Eles sabem dizer se precisa de um pouco mais de creme ou um pouco mais de massa. Para produzir, nós fazemos o desnate do leite, o que gera o creme de leite (matéria gorda). Com o leite desnatado fazemos uma massa e o nosso requeijão é basicamente composto por esses dois derivados lácteos”, ponderou o superintendente. As vendas por mês do requeijão tradicional somam 800 toneladas.

Para alinhar tradição com novas tecnologias, a Catupiry está buscando a renovação das suas fábricas – adquirindo túneis de descongelamento e novas desnatadeiras - e ao mesmo tempo, se preocupando cada vez mais com a sustentabilidade e questões relacionadas ao meio ambiente. “Hoje somos muito cobrados por isso e os consumidores estão buscando produtos ambientalmente corretos. Não podemos deixar de lado essa questão”, expôs Vilson.

Questionado sobre a crise, Vilson disse que a empresa sentiu o impacto já que o preço do leite subiu este ano devido aos altos custos de produção, consequentemente afetando os custos, a margem e a rentabilidade dos laticínios. “O consumidor também ficou apertado e o requeijão não tem margem de manobra para subir de preço, pois se isso ocorre, ele é substituído pelas margarinas por exemplo. O produtor também se sentiu prejudicado e do nosso ponto de vista, o mercado lácteo ficou abalado pela crise. A indústria deve ter a consciência de que os produtores são as nossas ‘galinhas de ouro’, precisamos valorizá-los, pois muitos inclusive estão abandonando a atividade”. Segundo ele, no Brasil faltam subsídios tanto para os produtores como para as indústrias. “Nos nossos países vizinhos – Argentina e Uruguai – a atividade é mais reconhecida”.

Mesmo com alguns percalços ao longo do caminho, a empresa está prevendo um crescimento de 20% em 2016 – suportado pelo aumento do portfólio de produtos, melhorias na distribuição, ações de marketing e melhor divulgação da marca.

Além do tradicional requeijão (linha culinária), encontrado no sachê ou na caixinha de plástico nos sabores tradicional, light, alho poró, tomate seco, quatro queijos e cheddar, a Catupiry possui o requeijão no copo (tradicional ou light), requeijões aromatizados (azeitonas pretas, ervas finas, peito de peru e tomate seco), cream cheese, fondue e a linha de quitutes (empadas, pão de queijo, quiches e tortinhas).
quitutes Catupiry

“Vale a pena destacar que o requeijão do sachê e caixinha é o mesmo. O do copinho, é um outro produto. O primeiro, chamamos de um produto culinário e o outro é para lanches ou passar no pão/torrada. Nos requeijões com sabor usamos produtos de verdade, então o consumidor encontrará pedaços de tomate seco na massa por exemplo”. Vilson antecipou que em breve novos lançamentos estarão disponíveis.

requeijão Catupiry - sabores

“O nome Catupiry hoje é extremamente disseminado no Brasil entre os cardápios de restaurantes e lanchonetes, porém, nem sempre o produto original da marca é usado e não temos como controlar isso – só na cidade de São Paulo existem mais de 5.000 pizzarias por exemplo. Quando são estabelecimentos grandes, buscamos estabelecer uma parceria, conversando com o proprietário e oferecendo os produtos da Catupiry. Normalmente a aceitação é boa, pois contextualizamos e eles entendem perfeitamente. Não vemos mais isso como um problema para nós”, concluiu Vilson.

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/UNESP de Botucatu.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SILVIA DOMINCIANO

PESQUISA/ENSINO

EM 14/11/2016

Moro fora do Brasil a quase 12 anos, sou zootecnista e trabalho com pesquisa num laticinio na Nova Zelandia e apesar da quantidade de leite aqui, nao ha nada que substitua o catupiry e o requeijao brasileiros, sinto muita falta.

Adorei a pesquisa.
LUIZ EDUARDO MORAIS

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/09/2016

Parabéns a toda equipe Catupiry, pela seriedade que vem trabalhando nestas décadas.
MilkPoint AgriPoint