FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Francisco Veloso, da DiBufalo: "somos os únicos autorizados no Brasil a exportar derivados do leite de búfala"

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

EM 08/06/2017

6 MIN DE LEITURA

4
0
A Fazenda Tapuio, localizada em Taipu/RN, foi comprada em 1989 e a ideia inicial era plantar cana-de-açúcar para fornecer a uma usina. Porém, após dois anos do início da plantação, toda a safra foi perdida, desestimulando novos investimentos na área. Como alternativas, a avicultura de postura e a criação de gado de corte foram elegidas. No início dos anos 2000, buscando melhorar a rentabilidade da pecuária e, após avaliação local da viabilidade, a pecuária de corte foi substituída pela bubalinocultura leiteira em plena região semiárida do estado do Rio Grande do Norte.

“Na época, comparamos o desempenho de 20 búfalos com bovinos anelorados da mesma idade, nas mesmas condições de manejo. Ao enviar o lote para o frigorífico observamos um ganho de peso de 27% superior para os búfalos, o que veio a ratificar nossa decisão. Como iria mudar a espécie, resolvi também mudar a finalidade do rebanho, optando por criar búfalos leiteiros, acreditando que os animais se adaptariam bem ao semiárido e conseguiriam produzir a baixo custo nas minhas condições de clima, solo e manejo. Em paralelo, montei um laticínio para produzir derivados do leite de búfala e hoje somos o único laticínio no Brasil autorizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a exportar derivados desse leite”, explicou Francisco Veloso, diretor executivo da Tapuio Agropecuária. Para ele, a paixão em produzir produtos lácteos é estimulada pelos desafios diários, superação de barreiras e quebra de mitos. “Acredito que tudo é possível quando se busca realizar sonhos”. 

Francisco Veloso, diretor executivo da Tapuio Agropecuária

O portfólio de produtos da Tapuio engloba sete tipos de queijo com a marca DiBufalo: mozzarellas (bola, barra e manta), minas frescal, coalho, provolone fresco, ricota, alla panna e burrata – considerada um queijo nobre e feito artesanalmente. Também, na fazenda, são produzidos três tipos de ovos: Mr.Caipira (produzidos por galinhas criadas sobre o piso de areia, livres de gaiolas que recebem alimentação vegetariana); Mr.Saúde (enriquecido com selênio e vitamina E, poderosos antioxidantes que aliados a uma dieta saudável auxiliam no combate a doenças cardiovasculares e na prevenção do envelhecimento da pele) e o Mr.Ômega 3 (produzido por galinhas que recebem alimentação com linhaça e possui 16 vezes ômega 3 que um ovo tradicional). Os componentes dos ovos são comprovados em análises realizadas pelo ITAL – Instituto de Tecnologia de Alimentos, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Além disso, a propriedade ainda produz queijo à base de leite de vaca, comercializado com a marca Itaipi.

produtos da marca DiBufalo

Qualidade do leite e processos

Todo o processo – desde a extração do leite até a embalagem do produto – passa por um rigoroso controle de qualidade. Tudo tem início com a nutrição e sanidade do plantel, que é o único do estado do RN a possuir a certificação do Ministério da Agricultura como livre para as doenças de brucelose e tuberculose.

agropecuária Tapuio - DiBufalo

“Todo o manejo do rebanho é feito com muito carinho. Antes de entrarem na sala de ordenha, os animais recebem uma ducha por 10 minutos, que tanto serve para melhoria do conforto térmico como para limpeza da glândula mamária. A ordenha é realizada em plataforma giratória, um dos equipamentos mais modernos do mundo e o único no Brasil utilizado para ordenha de búfalas. Esse equipamento segrega automaticamente o leite com alto índice de CCS, fazendo com que só o leite de alta qualidade seja enviado para a indústria”, acrescenta Francisco.

No laticínio, o leite é analisado, pasteurizado e processado, atendendo todos os padrões de produção exigidos pelo Ministério da Agricultura e pela FDA (Food and Drug Administration). Ao final do processo, depois de embalado, novas análises físico-químicas e microbiológicas são realizadas para, só então, os queijos serem liberados para distribuição.

Além do leite produzido na própria fazenda, desde 2016, o leite de outros dois produtores é captado no município de Ribeirão em Pernambuco, distante 470 km da empresa.

A qualidade dos queijos produzidos é certificada pelo Selo de Pureza 100% Búfalo, da Associação Brasileira de Criadores de Búfalos, responsável por analisar e certificar quanto à pureza do leite utilizado.

Ordenha automatizada e outros projetos

Há cerca de 60 dias a Tapuio iniciou a ordenha automatizada e em uma nova sala. Trata-se de um equipamento fabricado na Irlanda com capacidade de 40 postos e com velocidade de ordenha de aproximadamente 160 animais/hora. Durante a ordenha, os animais recebem um suplemento de concentrado por mérito de produção, têm a condutividade elétrica do leite analisada, são pesados diariamente e têm a produção controlada através de medidores eletrônicos.

A sala de ordenha foi montada visando oferecer extremo conforto aos animais, com sala de ducha, ventiladores e climatizadores, de modo a possibilitar que as búfalas externem todo seu potencial de produção.

Para a instalação da ordenha, o aporte foi de R$ 4 milhões. O investimento possibilitará dobrar a produção de leite da Tapuio até 2021. Assim, se espera que a produção de queijos salte de 20 toneladas/mês para aproximadamente 40 toneladas.

A primeira parte de um outro projeto também está finalizada e incluiu a instalação de aerogerador para produção de energia e de um biodigestor para produção de metano. A ideia é usar os dejetos dos animais com consequente utilização na caldeira do laticínio, além da coleta e armazenamento da água da chuva nos quase 20.000 m2 de telhados das instalações da empresa. O próximo passo é a formação de um banco com pasteurização do colostro e a automação do sistema de alimentação dos bezerros.

Produção de leite e raça utilizada

A fazenda tem uma área de quase 500 hectares e contabiliza 1.400 cabeças de búfalos, da raça Murrah, originária da Índia. Desses animais, mais de 450 são búfalas em lactação, que produzem cerca de 3.000 litros de leite por dia, o que resulta em cerca de 20 toneladas de queijos por mês.

“Buscamos manter o padrão e os cuidados, observando sempre os parâmetros de tempo, temperatura e pH, seguindo as recomendações de um consultor italiano que nos visita semestralmente. Trabalhamos apenas com soro-fermento e também importamos equipamentos da Itália para que tenhamos a mesma qualidade dos queijos lá produzidos, especialmente quanto ao sabor e textura”, ponderou o diretor.

Atuação no mercado externo

A DiBufalo estreou as exportações dos seus produtos para Nova York/EUA, no primeiro semestre de 2016 para atender a uma demanda de churrascarias brasileiras que desejavam ofertar mozzarella de búfala no espeto. “Levamos uns seis meses para desenvolver esse produto, pois o queijo devia assar e não cair do espeto, o que no caso da mozzarella é muito complicado. Agora em 2017, nós fizemos uma exportação de massa congelada de mozzarella para um laticínio na Nova Zelândia e estamos negociando um contrato de fornecimento para envio através de contêineres. Devemos também embarcar agora em agosto a primeira leva para a Flórida/EUA com a burrata, a mozzarella bola e o queijo de coalho”.

burrata DiBufalo

No Brasil, os queijos da marca DiBufalo podem ser encontrados nos estados de Alagoas, Ceará, Maranhão, Piauí, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe e no Distrito Federal. “Comercializamos para supermercados, empórios, restaurantes e hotéis. O leite de búfala é a matéria-prima para a produção de diversos tipos de queijos, em particular, a tradicional mozzarella. Caracteriza-se por possuir baixo teor de colesterol, sendo rico em cálcio, vitaminas e proteínas”, finalizou Veloso.

As possibilidades de ampliação da exportação são significativas e a empresa também está negociando exportações para Argentina e Chile. Na fazenda Tapuio são gerados 146 empregos diretos e em 2016, o faturamento foi de R$ 22 milhões.

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/UNESP de Botucatu e Coordenadora de Conteúdo do MilkPoint.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANDRÉ LUIZ MONTARROYOS VASCONCELOS

JOÃO PESSOA - PARAIBA - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 11/06/2017

Parabéns Veloso,  você  é merecedor do sucesso de seu trabalho.

Grande Abraço
LAURA MORAL TARIFA

ITAÍ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/06/2017

Tenho duas dúvidas:

1. 3000 leite dia = 93000litros/mes de 31 dias

20 ton queijo / mes = 20000 kg

= 4,65 litros de leite / queijo

É isso mesmo?

2. 450 bufalas em lactação

3000 litros de leite /  dia

= 6,67 litros de leite / búfala

É isso mesmo???

Grata

Laura
GLADSTON MACHARETH

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL

EM 09/06/2017

Um caso de sucesso digno de aplausos. Parabéns ao produtor e a autora dessa matéria.
RICARDO PESSOA

RECIFE - PERNAMBUCO - PESQUISA/ENSINO

EM 08/06/2017

Parabéns, Seu Veloso! Excelente matéria.
MilkPoint AgriPoint