FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Vacinação contra mastite causada por Staphylococcus aureus e Staphylococcus spp.

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 12/11/2014

11
0
 
S. aureus: um dos principais causadores de mastite
Um estudo recente avaliou a contagem de células somáticas (CCS) e a cultura do leite do tanque de 120 fazendas leiteiras, localizadas nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Os resultados indicaram que 100% dos rebanhos avaliados apresentaram isolamento positivo de S. aureus no tanque, sendo que mesmo em rebanhos com baixa CCS (< 200.000 cels/ml), este agente patogênico foi uma das principais causas de mastite subclínica. Em outro estudo realizado em 7 estados do Brasil, no qual foram coletadas cerca de 30 mil amostras, a frequência de isolamento de S. aureus variou de 13 a 34% das vacas leiteiras avaliadas (média de 25,4%), enquanto que ECN-estafilococos coagulase negativa (Staphylococcus spp.) foram causa de 27,6% da mastite subclínica. Estes resultados indicam que somente estes dois grupos de agentes patogênicos representam praticamente metade de todas as causas de mastite em rebanhos brasileiros.

Dentre as características mais importantes da mastite causada por S. aureus, destaca-se a alta patogenicidade deste agente e a baixa resposta aos tratamentos com antibióticos. Além disso, S. aureus é um agente contagioso, pois as vacas doentes são as principais fontes de infecção para as vacas sadias, com a transmissão ocorrendo principalmente durante a ordenha, pelo contato de vacas sadias com teteiras contaminadas após ordenha de vacas infectadas.

Entre os principais prejuízos, S. aureus causa lesões na glândula mamária, o que resulta na disseminação do microrganismo para as áreas profundas da glândula mamária. Estas lesões resultam na perda funcional de algumas áreas do úbere, com consequente redução da capacidade de produção de leite e aumento da CCS. Nas vacas com mastite crônica causada por este agente pode ocorrer a encapsulação do S. aureus e a formação de micro-abscessos, os quais dificultam a chegada dos antibióticos e funcionam como fontes de re-infecção para outras áreas da glândula mamária ou outras vacas.

Como controlar a mastite causada por S. aureus?
No rebanhos com alta prevalência de S. aureus é fundamental implantar medida de controle de médio e longo prazo para reduzir os prejuízos causados. Considerando que S. aureus é um agente contagioso da mastite, há necessidade de identificar e segregar as vacas infectadas para reduzir novos casos de mastite causada por S. aureus. As principais medidas de controle tem como foco a melhoria da rotina de ordenha (desinfecção dos tetos após a ordenha e linha de ordenha), além do uso de tratamento de vaca seca e o descarte de vacas com mastite crônica. No entanto, o emprego destas medidas (isoladamente ou em conjunto) nem sempre tem eficácia para prevenir novas infecções, pois existem outros reservatórios deste agente dentro do sistema de produção.

Algumas das medidas recomendadas para controle de S. aureus, como a segregação das vacas positivas e o descarte das vacas com mastite crônica, são de difícil implantação pelo alto custo. Quando existe alta prevalência de vacas infectadas por S. aureus e o uso da segregação e/ou descarte não são viáveis, o tratamento com antibióticos pode ser uma opção, mas a apresenta como limitação a baixa taxa de cura. Alguns dos protocolos de tratamento que podem ser usados nestes rebanhos para aumentar da taxa de cura de mastite causada por S. aureus são: a terapia prolongada e a combinação de tratamento intramamário e sistêmico.
Além das medidas de controle e prevenção, a aplicação de vacinas contra mastite causada por S. aureus pode ser usada como ferramenta auxiliar para aumentar a resistência contra o S. aureus.

Quais resultados podem ser esperados com o uso de vacinas contra S. aureus?
O desenvolvimento de vacinas contra mastite causada por S. aureus tem sido um grande desafio, pois espera-se que a vacina induza a produção de anticorpos e a resposta celular para proteção da glândula mamária contra este agente patogênico. Desta forma, um dos principais desafios é a correta identificação de antígenos que sejam capazes de induzir proteção imunológica, já que S. aureus é um agente causador de mastite com elevada patogenicidade, o que significa que diferentes mecanismos são utilizados para causar a doença. Atualmente, o número de estudos científicos que avaliaram o uso de vacinas contra S. aureus é bastante limitado e a avaliação da sua eficácia tem sido feita com base na incidência da infecção ou na transmissão e duração da infecção, uma vez que este agente tem transmissão contagiosa e característica de infecções persistentes.

Recentemente, foi publicado um estudo sobre a eficácia de uma vacina comercial (Topvac, Hipra), cuja composição é baseada em bacterina de cepas de S. aureus com alta capacidade de produção de componentes da parede bacteriana. A capacidade de formação de biofilmes é considerada, atualmente, como um dos fatores de patogenicidade de S. aureus, que pode ser encontrada tanto em S. aureus quanto em estafilococos coagulase negativa. O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia da vacina contra S. aureus, em condições de campo.

Este estudo foi desenvolvido em colaboração por pesquisadores dos EUA, Espanha e Itália, sendo que foram utilizados dois rebanhos leiteiros comerciais na Itália, com total de aproximadamente 450 vacas em lactação (um rebanhos com 130 e outro com 320 vacas). Antes do estudo, os rebanhos selecionados apresentavam uma prevalência média de 5% de vacas infectadas com S. aureus e CCS do tanque variando entre 250 e 400 mil células/ml. O estudo foi realizado por um período de 21 meses.

Na fase inicial do estudo, todas as vacas foram submetidas ao protocolo de vacinação antes da secagem, até que cerca de 50% das vacas do rebanho tivessem recebido o protocolo de vacinação indicado em bula (1a dose: 45 dias antes do parto; 2a dose: 10 dias antes do parto; 3a dose: 52 dias pós-parto). A avaliação da eficácia foi iniciada somente após esta fase inicial, pois haveria necessidade de ter cerca de 50% das vacas vacinadas no rebanho para avaliar a eficácia de redução da transmissão da mastite entre as vacas vacinadas e não-vacinadas. Após a fase inicial, todas as vacas foram aleatoriamente sorteadas para receberem ou não o protocolo de vacinação.

Durante a fase inicial e todo o período do estudo, as vacas foram monitoradas em relação a cultura microbiológica, CCS e ocorrência de mastite clínica. As coletas de amostras para CCS (amostras compostas) e para cultura microbiológica (amostras por quarto) foram realizadas mensalmente durante todo o estudo. Além disso, foram coletadas amostras para cultura microbiológica na secagem, no pós-parto e de todos os casos clínicos.

Para avaliação dos resultados, foi considerado como uma infecção intramamária (IIM) quando um quarto mamário apresentou isolamento positivo de S. aureus. Considerou-se como uma infecção curada quando um mesmo quarto apresentou dois resultados consecutivos negativos, após um resultado positivo. Somente foi considerando como negativo um quarto mamário com dois resultados negativos consecutivos. As análises dos resultados envolveram o uso de modelos estatísticos para determinação dos fatores de risco de novas infecções e de cura de infecções ao longo dos meses de lactação, assim como a eficácia da vacinação sobre as taxas de: a) transmissão; b) cura; c)novas infecções de S. aureus.

Os resultados do estudo indicaram que foram avaliadas um total 1156 lactações (809 vacas), das quais 658 foram usadas como controle (não-vacinadas) e 343 vacas foram vacinadas. De um total de 39.500 culturas microbiológicas realizadas, o agente patogênico mais isolado foi S. aureus (com 19,43% dos isolamentos positivos), seguindo por ECN (13,1% dos isolamentos positivos).


Figura 2 – Efeito da vacinação contra S. aureus sobre a prevalência infecções intramamárias (IIM) causadas por S. aureus e SCN (estafilococos colagulase-negativa) em todos os quartos mamários durante o estudo de vacas vacinadas (linha escura) e controle (linha pontilhada). Fonte: adaptado de Schukken, Y. H., et al. 2014.

Em relação ao fatores de risco para ocorrência de mastite causada por estafilococos, não houve efeito da vacinação sobre as novas infecções causadas por ECN, mas houve aumento das novas infecções causadas por S. aureus de acordo com o aumento dos dias em lactação, do número de lactações e da existência de um histórico prévio de infecção causada por S. aureus. Além disso, os resultados indicaram que foi observada maior chance de cura de infecções causadas por S. aureus e ECN em vacas vacinadas do que nas não-vacinadas.

A vacinação resultou em menor taxa de novas infecções e maior taxa de cura de infecções existentes causadas por S. aureus. Além disso, a duração das infecções foi menor em vacas vacinadas, o que resulta em menor exposição das vacas sadias ao risco de novas infecções. Considerando que a mastite causada por S. aureus ocorre principalmente na forma subclínica, o resultado do estudo indicando que a vacina reduz a transmissão da infecção é importante pois indica um efeito de redução do potencial de transmissão entre vacas infectada e sadias.

De acordo com os resultados do estudo, a eficácia da vacinação foi moderada, sendo estimada em 45% para S. aureus e 16% para ECN em ambos os rebanhos. Os pesquisadores também estimaram que a eficácia da vacina foi maior em primíparas do que em multíparas. Este estudo foi, possivelmente, o primeiro a avaliar a eficácia da vacinação contra mastite causada por S. aureus sobre a transmissão da infecção em rebanhos comerciais. A estimativa de que a vacina apresentou uma eficácia de 45% indica que o uso da vacinação pode ser uma ferramenta adicional para o controle de S. aureus, mas não pode ser usada como única medida. Pode-se esperar que possa ocorrer alguma variação da eficácia da vacinação de acordo com algumas características específicas de cada fazenda, como por exemplo o tipo de cepa de S. aureus predominante e outras medidas de manejo utilizadas (rotina de ordenha, protocolos de tratamento, segregação e descarte).

Fonte: Schukken, Y. H., et al. 2014. Efficacy of vaccination on Staphylococcus aureus and coagulase-negative staphylococci intramammary infection dynamics in 2 dairy herds. Journal of Dairy Science 97(8):5250-5264.
 

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 15/08/2016

Prezada Danielle,

O uso da vacina tem como função básica o aumento da imunidade e da capacidade de resposta contra um agente específico. Desta forma, a vacina contra E. coli tem ação principal na redução de gravidade de sintomas clínicos e a de S.aureus tem função a redução da transmissão entre as vacas de um rebanho.

O uso da vacina de S.aureus como auxiliar no tratamento de mastite causada por S. aureus seria um uso esporádico e que tem efeito positivo na redução da CCS das vacas tratadas e vacinadas.

Atenciosamente,

Marcos Veiga dos Santos
DANIELLE

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 15/08/2016

Bom dia, professor Marcos!
Considerando a relação custo x benefício, essa vacina teria uma eficácia melhor como auxiliar no tratamento de secagem em vacas com mastite subclínica cuja cultura fora positiva para S. aureus do que na prevenção de novos casos?
Muito obrigada!
DERLEI JOSÉ BRANDAO

BOM REPOUSO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/11/2014

eu ja uso essa vacina ha mais 2 anos e gostei dos resultados,controla muito bem as mastites e quando a mastite aparece os antibioticos curam mais eficacia,ao contrario de quando o rebanho nao e vacinado os antibioticos nao respondem bem.A vacina e muito cara 30,00 reais a dose na loja agopecuaria mais eu achei que ainda compença ,porque a mastite acaba com o gado e com o bolço do dono.
DEBORA DAL BOSCO

TAPEJARA - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 20/11/2014

Prezado Vinicius Borges Rezende, podes entrar em contato com o Laboratório Hipra e verificar o ponto de venda mais próximo.

Para conhecer mais sobre a vacina acesse: www.topvac.com.br
LUCIANO MACHADO DE SOUZA LIMA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/11/2014

Parabéns pela matéria.

Iniciamos a vacinação na fazenda e estamos aguardando os resultados. Só a vacina, não resolverá o problema, mas sem duvida é mais uma ferramenta para ganharmos esta guerra, ou pelo menos diminuir as baixas do rebanho por estas enfermidades.

Att

Luciano
LUCIANO MACHADO DE SOUZA LIMA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/11/2014

Parabéns pela matéria.

Iniciamos a vacinação na fazenda e estamos aguardando os resultados. Só a vacina, não resolverá o problema, mas sem duvida é mais uma ferramenta para ganharmos esta guerra, ou pelo menso diminuir a baixas do rebanho por estas enfermidades.

Att

Luciano
VINICIUS BORGES REZENDE

PERDIZES - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/11/2014

Bom dia. .. gostaria de saber como faço para comprar essa vacina, e onde posso encontrar? Agradeço pela atenção. .. Obrigado
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 13/11/2014

Prezado Nemuel, a produção de leite não foi relatada neste artigo, mas concordo que seria uma variável muyito importante para avaliação. Eu tenho informação de que o projeto ainda não foi totalmente concluído, o que significa que outros artigos podem ser publicados ainda sobre este assunto.

Atenciosamente, Marcos Veiga
NEMUEL DE AGUIAR BRITO

MORRINHOS - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/11/2014

Também trabalho com qualidade do leite a 4 anos e concordo com o que escreveu nosso amigo Estevão.

Acredito muito pouco na eficácia da vacinação, quando realizada isoladamente. Em primeiro lugar vem a medida dos 5 pontos.

O que agente vê nas fazendas é um monte de tratamentos ineficientes, produtos para secagem de baixa qualidade, pré o pós dipping também. Além de uma rotina de Ordenha sem higiene e cuidados básicos.

E falando em Aureus, este é sim o maior dos problemas, visto a sua rápida capacidade de disseminação e por outro lado a grande dificuldade de isolamento para tomadas de decições rápidas de controle. Pouco Laboratórios e difícil acesso e demora na entrega dos resultados.

E quando partimos para dentro da porteira, as dificuldades se concentram na baixa percepção da gravidade do problema por parte do produtor que coloca grandes dificuldades na segregação de lotes por contagem de células somáticas por exemplo. Este ponto muito difícil de ser implementado pelo impacto causado na produção dos animais.

Entretanto nunca acreditei na viabilidade da vacinação para Aureus, com este trabalho começo a considerar a sua indicação dentro das fazendas, avaliando principalmente o custo benefício.

Professor Marcos Veiga, não foi analisado no trabalho características de Produção de leite das vacas vacinadas frente ao grupo controle?

Este sim seria um ponto extremamente importante de ser avaliado, porque impcata diretamente no bolso de quem importa, o produtor.

Sucessos a todos.
MARCOS CALIANI

ASTORGA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/11/2014

Muito bom artigo, concordo plenamente no ponto em que a vacina é uma das ferramentas de aplicação no controle de mastite ocasionada por S. Auerus. convém novamente destacar que a propriedade não executar de maneira correta a rotina de ordenha ( muitos produtores não observam a temperatura da água, e o tempo de ação recomendado na limpeza dos equipamentos de ordenha ), após a ordenha. Concluindo precisamos preencher todas rotinas adequadamente durante a ordenha para implantar somente após o protocolo de vacina para a saúde do rebanho.
ESTÊVÃO DOMINGOS DE OLIVEIRA

QUIRINÓPOLIS - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/11/2014

Fantástico artigo

A vacinação é uma opção a ser tomada em situações onde as outras medidas de controle da mastite já foram implementadas. Em destaque mencionamos a terapia dos 5 pontos definida pelo NIRD (1960). Esse programa de controle considera crucial para o controle da mastite no curto, médio e longo prazos a detecção e tratamento precoce da mastite clínica, manutenção e higienização da ordenhadeira mecânica, utilização de produtos eficiente no pré e pós dipping, secagem de todas as vacas no momento correto usando produtos eficazes e descarte de animais portadores de mastite crônica.

Após a execução dessas medidas de controle a vacina pode resultar em melhoria do status imunológico dos animais, gerando resultados economicamente positivos e possíveis de serem mensurados.

Acredito pela minha experiência de 3 anos trabalhando com Qualidade do Leite e Controle da Mastite que a adoção da vacina em propriedades onde ainda não foram implementados todos os pontos de controle da mastite resultará em poucos resultados práticos e será economicamente inviável.

Sucesso a todos