ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Uso de anti-inflamatório não-esteroidal para o tratamento de mastite clínica

POR BRUNA GOMES ALVES

E MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 09/10/2016

4
0
Bruna Gomes Alves* e Marcos Veiga dos Santos

A mastite é a doença mais comum das vacas leiteiras. Na forma clínica, a mastite tem apresentação de sintomas visuais como alterações do leite (grumos, coágulos) e acomete em média 10% das vacas por mês. Além dos prejuízos diretos como descarte de leite com resíduos de antibióticos, redução da capacidade de produção no restante da lactação e aumento do risco de descarte, ocorre redução do desempenho reprodutivo, incluindo o aumento do período de serviço (intervalo parto a concepção), aumento dos serviços por concepção, baixas taxas de concepção e alto risco de perdas embrionárias. Além disso, um estudo indicou que a taxa de concepção ao primeiro serviço foi de 29% em vacas sadias, mas houve redução para 22% nas vacas com mastite clínica antes da inseminação e para 10% nas vacas com mastite clínica após a inseminação.

Outro efeito causado pela mastite clínica é o aumento do risco de descarte involuntário das vacas do rebanho, seja por morte ou abate devido à perda de capacidade de produção de leite, principalmente nos casos mais graves da doença. Este descarte também depende do tipo de patógeno causador da mastite (contagioso ou ambiental) e do tempo de duração do caso. Por exemplo, durante as mastites causadas por patógenos Gram negativos, ocorre a liberação de toxinas como lipopolissacarídeos (LPS) e outros mediadores da inflamação (interleucinas, fator de necrose tumoral e enzimas cicloxigenases-COX).

Alguns sintomas clínicos, como inchaço e dor do quarto afetado, que ocorrem durante a mastite, são de origem inflamatória em resposta à infecção. Assim, a inclusão de anti-inflamatórios no tratamento da mastite clínica poderia ser benéfica para o controle do inchaço do úbere e da dor. Os anti-inflamatórios não-esteroidais (AINEs) têm capacidade analgésica, anti-inflamatória e antipirética, principalmente na inibição das enzimas ciclooxigenases. O meloxicam é um inibidor preferencial da COX-2 e seu uso tem sido correlacionado com a diminuição de tromboxanos no leite durante a mastite, redução das concentrações de prostaglandinas e melhora mais rápida dos sinais clínicos da mastite. Além disso, têm sido relatado que a utilização do meloxicam em adição à antibioticoterapia no tratamento da mastite clínica resulta em menor CCS.

Para avaliar o uso de um AINE, o meloxicam, em conjunto com o tratamento com antibiótico para mastite clínica leve e moderada, um estudo foi realizado em 61 rebanhos de 6 países diferentes (Bélgica, França, Itália, Espanha, Holanda e Reino Unido), totalizando aproximadamente 7800 vacas em regime de duas ordenhas diárias. Desse total, foram selecionadas vacas com mastite clínica em um único quarto e com até 120 dias de lactação. Um grupo das vacas foi tratado com 0,5 mg/kg de meloxicam e comparado a um grupo de vacas que não recebeu o AINE. Além do anti-inflamatório, as vacas foram tratadas com uma combinação de 200mg de cefalexina e 133 mg de canamicina em intervalos de 24 horas, por até 4 dias. O objetivo do estudo foi avaliar se essa combinação meloxicam + antibiótico para casos leves e moderados de mastite clínica diagnosticadas até 120 dias de lactação poderia aumentar a fertilidade das vacas além de aumentar a cura bacteriológica e diminuir o risco de descarte involuntário do rebanho.

Não foram observadas diferenças de temperatura retal das vacas tratadas ou não com o meloxicam, assim como não houve diferença entre as frequências de isolamentos dos patógenos causadores de mastite. A cura bacteriológica dos casos de mastite clínica foi de 67,8% para as vacas tratadas com o meloxicam, enquanto que para vacas sem anti-inflamatório foi de 56,3%. Por outro lado, o uso do meloxicam não afetou a CCS nos dias 14 ou 21 após o tratamento, mas o valor da CCS foi menor para os quartos onde a cura bacteriológica aconteceu.

Com relação ao desempenho reprodutivo, foi observado que o uso de meloxicam em conjunto com o antibiótico para mastites clinicas leves ou moderadas aumentou a proporção de vacas prenhes na primeira inseminação (0,31 versus 0,21), e aos 120 dias após o parto (0,40 versus 0,31). Além disso, observou-se menor retorno ao cio após as inseminações, como também foram necessários menos serviços por concepção (2,43 versus 2,92) nas vacas tratadas com meloxicam.

O uso de anti-inflamatórios não esteroidais, como o meloxicam, em conjunto com o tratamento com antibióticos para casos leves e moderados de mastite clínica resulta em maior probabilidade de cura bacteriológica e aumenta a fertilidade, ao passo que aumenta a taxa de concepção ao primeiro serviço, aumenta a probabilidade de prenhez até 120 dias do parto e reduz o número de inseminações/prenhez.

Fonte: McDOUGALL, et al. Journal of Dairy Science v. 99 No. 3, 2016 (http://www.journalofdairyscience.org/article/S0022-0302(16)00017-5/pdf)

*Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Nutrição e Produção Animal, FMVZ-USP.
 

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

4

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 15/10/2016

Prezado Oderman, na minha opinião, não haveria diferença entre o uso em formulação associada ou não, desde que seja usada a mesma dose. Acho que seria mais uma questào de facilidade de aplicação e de manejo.

Atenciosamente, Marcos Veiga
ODERMAN OLIVEIRA LIMA

ITAPETINGA - BAHIA - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 15/10/2016

Bom dia prof. Marcos. Em relação ao uso de antibiótico L.A injetável associado ao diclofenaco ou piroxican (aine's muito comuns em formulações comerciais) o que o sr. poderia me dizer sobre a eficiência deste tratamento, ou seria melhor o uso separado destes produtos repetindo por mais alguns dias o aine para uma melhor resposta antinflamatória e anti-endótoxica visando uma melhor cura clínica do animal?
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/10/2016

Prezado Henrique, o estudo foi feito com o meloxicam e não tenho conhecimento de estudo similar com o cetoprofeno. Na minha opinião, como são anti-inflamatórios com características diferentes, não é possível garantir ou afirmar que os resultados encontrados seriam os mesmos. Atenciosamente, Marcos Veiga
HENRIQUE ROCHA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 12/10/2016

Marcelo e o Ceroprofeno ? Quais estudos já foram feitos ? Teria o mesmo efeito ?