ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Tratamento de mastite pré-parto em novilhas pode aumentar risco de resíduo de antibiótico no leite

POR MARCOS VEIGA SANTOS

E CAROLINA BARBOSA MALEK DOS REIS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 18/05/2009

5
0
Um dos principais problemas enfrentados pelas fazendas leiteiras é a alta prevalência da mastite, uma vez que esta é a doença que mais acomete o rebanho leiteiro. Além de acometer o rebanho em lactação, a ocorrência de mastite em novilhas e primíparas é cada vez mais comum, o que pode resultar em desenvolvimento incompleto da glândula mamária, aumento da contagem de célula somática (CCS) no início da lactação e redução do potencial de produção.

Na tentativa de diminuir os prejuízos causados pela da mastite, o tratamento intramamário com antibiótico de vacas secas ou com produtos de tratamento durante a lactação para novilhas no período pré-parto tem sido uma medida eficiente no controle da doença. No entanto, quando se usa essa estratégia de controle, o leite proveniente dos animais tratados pode apresentar risco de resíduos de antibiótico.

O principal objetivo das indústrias leiteiras é garantir que o leite seja isento de resíduos de antibiótico no leite, uma vez que a presença desses resíduos pode causar alergias ao consumidor, aumentar a resistência bacteriana e interferir negativamente no processo industrial do leite na fabricação de derivados fermentados.

O aparecimento de resíduos de antibióticos no leite está ligado a vários fatores, entre os quais, o desrespeito ao período de carência do antibiótico, a utilização inadequada do medicamento e o tratamento pré-parto.

Na tentativa de diminuir a ocorrência de resíduo de antibiótico no leite, no período logo após o parto, vários estudos têm sido desenvolvidos para avaliar o efeito de tratamentos no período pré-parto, em especial em novilhas.

O tratamento de novilhas, no pré-parto, é uma prática que tem sido usada com frequência em rebanhos com alta prevalência de mastite neste grupo de animais, e pode ser realizado com base em dois protocolos: o primeiro, com a utilização de antibiótico para vaca seca (antibiótico de longa duração) 60 dias antes do parto e, o segundo, na utilização de antibiótico para vacas em lactação com infusão intramamária 7 a 14 dias antes do parto. O tratamento pré-parto tem apresentado excelente taxa de cura contra mastite e novilhas, no entanto, pode resultar na contaminação do leite por resíduo de antibiótico quando o intervalo entre a terapia e o parto é muito curto.

Em um estudo recente avaliando o tratamento de mastite em novilhas, foram selecionados 5 rebanhos canadenses e americanos, dos quais um total de 136 novilhas foram tratadas com cefapirina (formulação para tratamento durante a lactação) em um intervalo de 10 a 21 dias pré-parto. Os animais tratados foram analisados durante as 3 semanas pós-parto em relação a ocorrência de agentes causadores de mastite e quanto a presença de resíduos de antibióticos no leite.

Os resultados apontaram que os microorganismos mais isolados em novilhas foram Staphylococcus aureus e Staphylococcus coagulase negativa. Foram detectados resíduos de antibiótico no leite em 28% das amostras na terceira ordenha, 9% das amostras na sexta ordenha e 4% na amostras da décima ordenha. Os resultados indicaram que, para as condições do estudo, foi possível detectar resíduos até a décima ordenha, ainda que em baixa porcentagem dos animais. O resíduo de antibiótico no leite foi detectado na terceira ordenha quando a terapia com antibiótico b-lactâmico foi realizada no intervalo de 3 a 18 dias antes do parto. Entretanto, quando este intervalo diminuiu para 1 a 8 dias pré-parto, a contaminação do leite se mantinha até a décima ordenha.

Os autores concluíram que a administração do antibiótico intramamário 18 dias antes do parto diminuiu o risco de se isolar estes agentes causadores da mastite após o parto; no entanto, este intervalo foi, também, associado com a presença significativa de resíduo de antibiótico no leite na terceira ordenha.

De forma geral, acreditava-se que na sexta ordenha (ou no terceiro dia pós-parto) o leite já poderia ser comercializado, mas muitos trabalhos científicos têm demonstrado que neste momento ainda pode ser detectado resíduo de antibiótico no leite. Por isso, é importante conhecer as características do medicamento e a idade prevista para o parto. Sendo assim, o uso adequado do antibiótico, seguido do descarte do leite e a realização de testes para detecção do resíduo são medidas fundamentais para a qualidade do leite e para garantir a saúde do consumidor.

Fonte: Andrew, S. M. et al. Veterinary Microbiology. p. 1-7, 2008.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

CAROLINA BARBOSA MALEK DOS REIS

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FERNANDA LUCCI MUSSI FAGUNDES

TAUBATÉ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/11/2010

Caro Marcos

Seria possível indicar a bibliografia referente ao estudo das novilhas dos rebanhos canadense e americano?
Atenciosamente

Fernanda
ALEXANDRE

RIO FORTUNA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/07/2009

Marcos, leio muitas matérias suas e tenho usado bastante na prática, pois trabalho com qualidade de leite para 5 laticinios aqui na região. Bem, como não sou veterinário, mas acompanhei meu colega de trabalho que é veterinário em uma visita a propriedade onde deparamos com a seguinte situação com relação a mastite: avaliamos 29 animais que estavam em inicio e meio de lactação, destes animais, 11 (com 19 tetos com +++ : 16,3%), 7 (com 8 tetos com ++ : 6,9%), 13 (com 17 tetos com + : 14,6%), 9 (com todos tetos 100% negativo : 59,5%), 1 (com 1 teto com grumos : 0,86%) e dois animais possuem 2 tetos secos.

O produtor está informado dos cuidados que deve ter com a ordenhadeira, na ordenha, secagem dos animais, pre e pós dipping entre outros cuidados (isto após minha visita). Deparando com um problema deste, qual a sugestão para realizar a medicação, o produtor deveria medicar todos animais que apresentam tetos com +++ e o animal que apresenta grumos? Ou espera até a secagem dos animais para ai fazer um bom tratamento?

<b>Resposta do autor:</b>

"Prezado Alexandre",

A recomendação é que somente deve ser feito o tratamento para vacas com mastite subclínica quando o agente causador da mastite for uma bactéria chamada Streptococcus agalactiae. Nas outras situações, o tratamento da mastite subclínica não é recomendado na lactação e sim no momento da secagem (tratamento de vaca seca).

A minha recomendação, além das medidas de prevenção que você mencionou, seria coletar amostras de leite das vacas com 2 e 3 cruzes no CMT e enviar para um laboratório que faça a cultura microbiológica para identificação do agente causador. Somente com esse resultado do agente causador, pode-se fazer uma recomendação de tratamento, descarte ou segregação das vacas. É recomendado o uso de um laboratório veterinário para a cultura microbiológica e não um laboratório humano. A UDESC de Lajes tem esse serviço de cultura microbiológica.

Atenciosamente, Marcos Veiga
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/05/2009

Marcos, satisfação em falar contigo, novamente!

Uma dúvida, a respeito do tema do artigo. Supondo uma vaca que tenha secado hoje, com previsão de parto daqui a 60 dias e que recebeu antibiótico de vaca seca (longa ação). A mesma antecipa o parto em 30 dias (aborto). Abre lactação, no entanto. Como fica a carência no caso. A vaca vai para linha de leite normal?

Se você procurar a informação na bula dos medicamentos, não encontra resposta clara.

Abraço!

(João Paulo/Gaveta)

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado João Paulo Vaienti Alves dos Santos,

Neste caso, deve-se respeitar o período de carência que está na bula, que geralmente varia de 30-45 dias. Caso a vaca venha a ser ordenhada normalmente haverá alto risco de resíduos de antibióticos e o leite deve ser descartado até vencer o período de carência ou então ser testado antes de ser enviado para o laticínio.

Obrigado pela participação. Atenciosamente, Marcos Veiga
JULIO CÉSAR MENEZES DE SÁ

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 19/05/2009

Prezados Marcos e Carolina,

Parabéns pelo artigo, esse é um tema ainda carente de maiores informações ao produtor e que muitas vezes é visto com descrédito ou até mesmo preconceito. Acho de extrema importância enfocar a questão dos resíduos salientando que esse não é um limitante para o uso dessa terapia, basta que sejam respeitados os devidos períodos de carência. Gostaria de uma apreciação sua a respeito do uso de bisnagas para período seco na chamada terapia da "novilha seca". Grato pela atenção.

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado Julio César Menezes de Sá,

Obrigado pela mensagem. Eu tenho recomendado que se use a terapia da vaca seca para a novilhas (cerca de 60 dias antes da data prevista do parto) ou então o uso de uma bisnaga para tratamento de vacas em lactação quando a novilha já está mais adiantada (10 dias antes do parto). Ambos os procedimentos apresentam taxas de cura entre 90-100% e devem ser empregados em rebanhos com histórico de mastite em novilhas ou então problemas de mastite em novilhas no período pós-parto (duas primeiras semanas).

Atenciosamente, Marcos Veiga
EDUARDO FONSECA PORTUGAL

MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 18/05/2009

Marcos, excelente artigo!
Gostaria de aproveitar a oportunidade e perguntar se existe algum trabalho de pesquisa que também avalia a qualidade do colostro de novilhas tratadas no pré-parto e as recomendações para o recém-nascido desses animais! Sds,Portugal.

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado Eduardo Fonseca Portugal,

Obrigado pela mensagem. Eu não tenho conhecimento sobre algum trabalho específico em relação a qualidade do colostro em novilhas submetidas ao tratamento pré-parto. A minha opinião é de estes animais não deveriam fornecer colostro, uma vez que geralmente o colostro de novilhas é de menor qualidade e pelo fato de apresentarem uma infecção, mesmo antes do parto. Neste caso, se possível, a solução seria usar o colostro que sobra de outra vaca adulta, que teria mais qualidade.

Atenciosamente, Marcos Veiga