FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Relação entre CCS e longevidade de vacas leiteiras

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 02/10/2006

1
0
A longevidade das vacas de um rebanho é uma característica que afeta consideravelmente os resultados de uma fazenda. Quando a longevidade é aumentada, geralmente há uma tendência de aumento da produção de leite, pois abre-se a oportunidade de maior descarte das vacas de baixa produção, e conseqüentemente, possibilita maior quantidade de vacas adultas, cuja produção é maior que dos animais jovens.

A longevidade de um rebanho tem relação com o descarte voluntário (animais de baixa produção) e involuntário (outras razões, como infertilidade, sanidade, etc). A redução do descarte involuntário é uma forma de reduzir custos e aumentar o lucro de um rebanho.

A mastite pode ser uma das principais causas de descarte involuntário, sendo que ainda causa aumento de outros prejuízos como: redução da produção, descarte de leite, custo de medicamentos e redução da qualidade. As estimativas em rebanhos especializados são de que a mastite seja a responsável por cerca de 15 a 34% das razões de descarte em vacas adultas e de até 10% em primíparas.

Sendo assim, maiores índices de ocorrência de mastite podem aumentar a taxa de descarte e os custos de reposição. A resistência genética à mastite é um dos elementos de programas de melhoramento genético, no entanto, apresenta baixa herdabilidade e normalmente pode ser ter antagonismo com a seleção para aumento da produção de leite.

Com o objetivo de avaliar o impacto da CCS de rebanhos leiteiros sobre a longevidade, foi desenvolvido um estudo no Canadá, que utilizou dados de mais 2 milhões de vacas, distribuídas em quase 20 mil rebanhos das raças Holandesa, Ayrshire e Jersey. Foi definido como longevidade funcional o número de dias desde a primeira parição até o dia do descarte ou morte do animal.

Os resultados de CCS mensais de todas as vacas foram agrupados em 10 diferentes classes de escore linear de CS (ELCS) e distribuídos por número de lactação. Na análise dos dados foram avaliados os efeitos do estágio de lactação, tamanho do rebanho, produção de leite e composição e a classe de CCS.

A média de CCS foi de 167.000 cel/ml para as vacas Holandesas, 155.000 cel/ml para as da raça Ayrshire e 212.000 cel/ml para a raça Jersey. Dentro das três raças estudas, não houve aumento do risco de descarte para todos os animais que apresentaram CCS abaixo de ELCS=5 (400.000 cel/ml). No entanto, quanto uma vaca apresentou CCS superior a média dentro da média de sua raça, ocorreu aumento do risco desse animal ser descartado, sendo que para CCS elevadas o risco de descarte chega a aumentar de 5 a 6,6 vezes em comparação com vacas com baixa CCS.

Esses resultados, ainda que obtidos dentro de condições de manejo do Canadá apontam para uma importante relação: rebanhos que implantam programas de controle de mastite e de acasalamento buscando reduzir a CCS conseguem indiretamente aumentar a longevidade e conseqüentemente, os resultados da atividade.

Fonte:

Sewalem, et al., 2006. Journal of Dairy Science v.89, p. 3609-3614.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LUIZ F. A. MARQUES

VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO - PESQUISA/ENSINO

EM 03/10/2006

Conforme os resultados obtidos no Canadá e citados no artigo, existe bastante variação entre as raças para a CCS, característica que poderia ser explorada em cruzamentos orientados no gado de leite no Brasil. É importante introduzir e manter o gado resistente à mamite, mas a resistência genética tem herdabilidade baixa.

Então, é oportuno explorar, com os cruzamentos, de uma só vez, a ampla variabilidade genética (não aditiva) que existe entre as raças e a correlação entre as duas características: CCS e resistência genética à mamite.

Outra vantagem é ainda aguardada na heterose, com base no mérito de cada raça e nas diferenças entre elas. Aqui no Brasil, os resultados do Programa de Análise de Rebanhos Leiteiros do Paraná, demonstram, para centenas de lactações encerradas, o maior mérito para a raça Simental quanto à baixa CCS, incluindo rebanhos de alta produção (mais de 30 kg/vaca/dia).

Muitos resultados, além do PARLPR, tais como torneios leiteiros e controles de rebanhos particulares, indicam a baixa CCS na raça Simental, sugerindo que esta raça deve ser usada nos cruzamentos de gado leite para melhorar seus desempenhos.