FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Ocorrência de mastite em novilhas em sistemas de pastejo - parte 2

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 01/11/2007

0
0
Os patógenos secundários (estafilococos coagulase-negativa, Corynebacterium spp.) apresentaram prevalência crescente antes do parto (figura 1), e maior que a dos patógenos primários. Após o parto, houve declínio da prevalência de ambos os patógenos primários e secundários. Em cerca de 36% dos quartos houve o isolamento do mesmo agente antes e após o parto, o que significa uma infecção persistente, sendo que o S. uberis foi o agente mais prevalente nesses casos.

Por outro lado, aproximadamente 64% dos quartos, principalmente infecções causadas por patógenos secundários, apresentaram eliminação da infecção entre o período antes e após o parto.


Figura 1. Prevalência de IMI antes (A) e após (B) o parto, para patógenos primários (■) e secundários (▲).
Fonte: adaptado de Compton et al., 2007.

Os resultados desse estudo são bastante interessantes, pois são descritos detalhadamente os padrões de prevalência de patógenos causadores de mastite no período peri-parto para novilhas criadas em sistemas de pastejo. Entre os resultados mais significativos podemos apontar a prevalência mais alta de IMI antes do parto e o fato do S. uberis ser o patógeno primário mais prevalente, tanto antes como após o parto. Não são conhecidas as razões concretas para esta alta prevalência, mas pode-se apontar como provável causa a maior exposição ambiental dos tetos a essa bactéria.

A maior parte das novas IMI ocorre no período das 2-3 semanas antes do parto, o que implica na necessidade de medidas de controle específicas para essa categoria animal, uma vez que na maior parte dos rebanhos as novilhas são relegadas a um nível de manejo inferior ao das vacas.

Deve-se lembrar que as primíparas, além de representar a produção futura do rebanho, podem não expressar o potencial produtivo em caso de IMI antes da primeira lactação, o que pode prejudicar o desenvolvimento mamário posterior e reduzir a vida produtiva. No estudo em questão, foi identificado que novilhas diagnosticadas com IMI causadas por patógenos primários após o parto apresentaram aumento de 60% do risco de serem descartadas durante a lactação seguinte.

Considerando que não existem medidas específicas para o controle de mastite em novilhas, além do tratamento de vacas seca e do uso de selante de tetos, pode-se esperar que essa doença tenha importância crescente nessa categoria animal. Entre as razões para essa expectativa, pode-se apontar que os reservatórios dos agentes causadores estão no ambiente e que o aumento da exposição dos tetos leva ao aumento do risco de mastite. Recomenda-se, assim, maior atenção para a ocorrência de mastite em novilhas e aumento no diagnóstico por meio de cultura microbiológica, visando o controle e prevenção da doença.

Fonte:

Compton et al., J. Dairy Science, v. 90, p.4157-4170, 2007.

Baixe este artigo no formato PDF

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.