FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O uso da CCS em diferentes países - Parte 3

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 12/01/2007

1
0
A CCS do tanque (CCST) tem se tornado cada vez mais disponível aos produtores que fornecem leite para empresas que fazem o pagamento por qualidade. Geralmente, esse dado é enviado mensalmente e está diretamente relacionado com a qualidade do leite.

A CCST é uma medida indireta do percentual de quartos mamários infectados no rebanho e apresenta relação positiva com a prevalência da mastite no rebanho e com a gravidade dos casos de mastite, sendo que este último depende do tipo de agente causador. A predominância do tipo de agente causador de mastite (ambiental ou contagioso) tem efeito significativo sobre a CCST.

Ainda que existam estimativas de pesquisa sobre a porcentagem de quartos infectados e a CCST, é muito difícil determinar com precisão a prevalência da mastite de um rebanho apenas com os resultados de CCST. Considerando que existe grande variabilidade da CCS individual das vacas, é necessário que os resultados de CCST sejam analisados ao longo do tempo, como indicativo da ocorrência de problemas de mastite subclínica.

Em termos de metas para a saúde da glândula mamária, recomenda-se CCST < 250.000 cel/ml e 85% das vacas com CCS individual <250.000 cel/ml (Tabela 5). Sendo assim, o objetivo de um programa de controle de mastite é o de reduzir a prevalência dessas vacas com alta CCS. Isso pode ser obtido pela redução da entrada desses animais no rebanho e pela diminuição da duração da mastite subclínica.

Tabela 1. Recomendações para metas da saúde da glândula mamária de rebanhos leiteiros.


Quando se classifica a CCS dos rebanhos em baixa (<150.000 cel/ml), média (150.000 a 250.000 cel/ml) e alta (250.000 a 400.000 cel/ml), grande parte da variação da CCS do tanque entre rebanhos pode ser explicada pelo manejo adotado. As práticas de manejo que estão associadas com a baixa CCS do tanque em rebanhos leiteiros são: terapia da vaca seca, rotina de ordenha adequada, desinfecção dos tetos após a ordenha e tratamento dos casos de mastite clínica. Os rebanhos de baixa CCS apresentam melhores condições de higiene que os de alta CCS, o que reduz a exposição aos patógenos e reduz a sua transmissão durante a ordenha.

Em um estudo realizado em 175 rebanhos da Zona da Mata de Minas Gerais, foram identificados os fatores de risco associados com a ocorrência de alta CCS no tanque. Foram identificados como fatores que não apresentam efeito sobre a CCST: o tipo de ordenha (manual, mecânica canalizada e balde-ao-pé), a idade média dos rebanhos, o local de ordenha e a realização de exames dos primeiros jatos de leite. A anti-sepsia antes e após a ordenha, a realização de linha de ordenha, o não fornecimento de alimento durante a ordenha foram identificados como procedimentos que contribuem para reduzir a CCST.

Considerando uma média de CCS do tanque ao longo do ano e calculando o desvio padrão (DP) desses dados, pode-se estabelecer uma faixa de variação (um DP acima e abaixo da média), o que representa um intervalo de confiança de 95%. As observações fora desse intervalo representam alterações reais da saúde da glândula mamária do rebanho e devem ser seguidas de medidas de controle. Por outro lado, o risco de ocorrência de mastite clínica aumenta em rebanhos com baixa CCST e com a elevada proporção de vacas com baixa CCS .

Para rebanhos que apresentam alta CCS por prolongados períodos é de fundamental importância a realização da CCS individual das vacas e a cultura microbiológica para identificação dos agentes causadores de mastite clínica e subclínica. Com base nos resultados da CCS individual, pode-se implantar as seguintes estratégias:

a) Primeiramente, identificar se a alta CCST tem origem em um reduzido número de vacas com CCS muito alta (<5%) ou se um maior número de vacas contribui para a alta CCST. Se essa primeira opção acontecer, recomenda-se avaliar detalhadamente esses animais quanto ao padrão de CCS ao longo da lactação, cultura microbiológica para identificação de agentes causadores e com base nesses resultados, pode-se realizar o tratamento intramamário, a secagem antecipada, descarte ou segregação.

b) Quando mais de 5% das vacas contribui para a alta CCST, um próximo passo seria diferenciar se as infecções são predominantemente crônicas ou novas. Caso a ocorrência de novas infecções seja elevada (>5%), é recomendável uma completa verificação em todo o programa de controle preventivo de mastite, com especial atenção para: o manejo de ordenha, pré e pós-dipping, tratamento de vaca seca, introdução de animais no rebanho e segregação de vacas com mastite crônica. Por outro lado, quando a taxa de infecções crônicas é alta (>5%), recomenda-se identificar esses animais e com base no perfil de CCS ao longo da lactação e dos resultados de cultura microbiológica, proceder a uma das seguintes medidas: descarte, segregação ou tratamento (durante a lactação ou secagem antecipada).

Considerações finais

O principal fator que afeta a CCS é a ocorrência de uma IIM. A definição de um limite de CCS para estimar a ocorrência de uma IIM em uma vaca depende de diversos fatores como a prevalência da mastite no rebanho, o estágio de lactação e qual a finalidade dessa informação. Ainda que o limite de 200.000 cel/ml seja reconhecidamente utilizado na grande maioria das situações, o uso de um valor único de CCS para tomada de decisões em um rebanho leiteiro pode levar erros de interpretação.

Referências bibliográficas

SANTOS, M. V. O uso da CCS em diferentes países In: Mesquita, A.J. Durr, J.W., Coelho, K.O. Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil. Goiânia: Editora Talento, p. 181-197, 2006.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FERNANDO CERÊSA NETO

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/01/2007

Professor Marcos, parabéns pelos artigos. Se possível, gostaria de sua explicação para cada um dos itens que podem contribuir para aumento da CCST, a saber:

a) Tipo de Ordenha, no meu caso mecânica canalizada;
b) Idade do rebanho (qto mais erado é mais suscetível?);
c) Local de ordenha, no meu caso em barracão concretado, com fosso;
d) fornecimento de alimento durante a ordenha (no meu caso isto é positivo).

Tenho resultados quinzenais de amostras do tanque, cuja CCS permanece numa faixa de 450/550 mil cel/ml e que não consigo baixar. O plantel em lactação varia de 120 a 130 animais, com média de 3 lactação/animal.

Obrigado.
Fernando Cerêsa Neto

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado Fernando,

Segue abaixo as repostas para a suas questões:

a)Tipo de Ordenha, no meu caso mecânica canalizada: desde que o equipamento de ordenha esteja funcionando adequadamente (seja feita a manutenção técnica por empresa especializada) e que o seu uso seja adequado (evitar a sobre ordenha, boa estimulação dos tetos antes da ordenha para a descida do leite, desligar o vácuo antes da retirada das teteiras) o equipamento não causa mastite.

b)Idade do rebanho (qto mais erado é mais suscetível?): vacas mais velhas e em estágio de lactação mais avançado têm maior risco de mastite porque são ordenhadas mais vezes e têm uma resposta imune menor. Nesse caso, mesmo vacas velhas, mas sadias, apresentam CCS abaixo de 200,000 cel/ml.

c) Local de ordenha, no meu caso em barracão concretado, com fosso; não há nenhuma relação direta.

d) fornecimento de alimento durante a ordenha (no meu caso isto é positivo): nenhuma relação direta.

Nesse caso, deve-se fazer a CCS ou CMT de todas as vacas para identificar quais as vacas estão com CCS alta e identificar o agente causador, para saber se contagiosa ou ambiental. A partir de entao, pode-se empregar medidas mais específicas para esses agentes.

Atenciosamente,
Marcos Veiga