FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O melhoramento genético pode auxiliar no controle de mastite?

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 10/08/2001

0
0
Marcos Veiga dos Santos

As avaliações genéticas sobre as características de resistência à mastite começaram a ser realizadas pelos programas de melhoramento genético americano, a partir de 1994. Entretanto, mesmo considerando que a mastite tem um elevado impacto econômico negativo, as avaliações genéticas relacionadas com a resistência à mastite ainda não despertaram um grande interesse por parte dos produtores e técnicos. Desta forma, é interessante conhecermos quais as atuais perspectivas do uso de ferramentas de melhoramento genético para o controle de mastite.

A avaliação de características de resistência à mastite só foi possível pois aproximadamente 1,8 milhões de vacas estão, atualmente, sendo controladas em programas de melhoramento genético nos EUA e cerca de 90% deste total é avaliada mensalmente para a contagem de células somáticas (CCS) do leite. Conseqüentemente, estas informações compõem um grande banco de dados sobre a ocorrência da mastite subclínica (medida pela CCS) e, desta forma, podem ser utilizadas no melhoramento genético. É importante, assim, entendermos como podem ser utilizadas as informações sobre avaliação genética da CCS em touros americanos, uma vez que muitos produtores brasileiros que utilizam inseminação artificial usam sêmen destes touros e podem ter mais um critério para a escolha dos reprodutores, relacionado com a resistência à mastite.

Para melhor entendermos a avaliação genética da CCS é importante esclarecer que o valor da CCS é primeiramente transformado numa escala logarítmica, chamada de Escore de Células Somáticas (ECS), que facilita a manipulação dos resultados da CCS, que geralmente apresentam números muito extensos. A relação entre CCS e ECS é apresentada na Tabela 1:

Tabela 1 - Relação entre o escore de células somáticas (ECS) e a contagem de células somáticas (CCS)

Tabela 1


A utilização do ECS como critério para a seleção de touros tem como objetivo o melhoramento genético para o aumento da resistência da vaca contra mastite. Isto é especialmente importante devido ao fato de que existe uma correlação negativa entre a produção de leite e a ocorrência de mastite clínica, uma vez que o melhoramento genético para a produção de leite é acompanhado pelo aumento da susceptibilidade à mastite. Sendo assim, é importante estabelecer paralelamente critérios de seleção que aumentem a produção de leite e a resistência à mastite.

A avaliação genética da CCS nos testes de progênie do sistema americano é realizada utilizando-se o índice chamado de PTA (Predicted Transmitting Ability) ou HPT (Habilidade Prevista de Transmissão), sendo que o PTA é publicado em catálogos a cada 4 meses para várias características dos touros, como: produção de leite, gordura, proteína, características de tipo, assim como a característica de resistência à mastite, chamado de PTA-ECS.

A diferença entre o valor do PTA de dois touros diferentes que foram submetidos ao mesmo teste de progênie é a estimativa da diferença esperada no desempenho das futuras filhas dos touros. Por exemplo, considerando os PTAs de dois touros conhecidos (Tabela 2), a diferença entre os PTAs é de 288 kg de leite e de 0,4 pontos para o ECS. Desta forma, estima-se que as futuras filhas do touro FORMATION tenham uma produção média de 288 kg de leite a mais e 0,4 pontos de ECS a menos que as filhas do touro LEIF. Simplificando estes termos, o PTA é uma expressão do desempenho esperado das futuras filhas do touro e não pode ser usado para prever o desempenho real futuro do rebanho.

Tabela 2 - PTAs de dois touros Holandeses e as diferenças entre eles

Tabela 2


Ainda que a herdabilidade (proporção da origem genética de uma determinada característica) seja baixa para a resistência à mastite (estimada em cerca de 0,1), podemos destacar como recomendação geral que os touros com PTA-ECS maior que 3,3 devem ser evitados, a menos que sejam comprovadamente superiores para outras características de seleção que são economicamente importantes.

Deve-se considerar, também, que a seleção genética para a CCS deve ser aplicada, tanto em rebanhos com bom controle de mastite, quanto em rebanhos com graves deficiências no controle. Por exemplo, considere que a diferença de PTA-ECS entre dois touros A e B seja de 0,8 pontos. Num rebanho que as filhas do touro com menor PTA-ECS apresentem um ECS médio de 2,0 pontos, é esperado que as filhas do touro com maior PTA-ECS tenham um ECS de 2,8. Da mesma forma, se num outro rebanho as filhas do touro com menor PTA-ECS tenham ECS médio de 5,0 pontos, é esperado que as filhas do touro com menor ECS, apresentem o ECS de 5,8.

Desta forma, as diferenças genéticas entre vacas e touros para a resistência à mastite são substanciais e podem ser economicamente importantes. Para exemplificar, a média da CCS das filhas de touros com os maiores PTA-ECS é de duas vezes maior que a CCS das filhas dos touros com menores PTA-ECS. Em termos de incidência de mastite clínica, pode-se estimar que as filhas de touros com os maiores PTA-ECS irão apresentar taxas de mastite clínica de 1,75 vezes maior que as filhas dos touros com menores PTA-ECS, quando colocadas nas mesmas condições de manejo.

Deve-se ressaltar, portanto, que mesmo sendo um programa de controle preventivo, não sendo a melhor e mais eficaz forma de resolver problemas de mastite e qualidade do leite no curto prazo, o melhoramento genético pode ser um componente de uma estratégia de longo prazo para o aumento da resistência à mastite e melhoria da qualidade do leite.

Fonte: Anais do Encontro Anual do National Mastitis Council, p. 113-127, 2001.

Onde saber mais:

National Association of Animal Breeders: www.naab-css.org

UDSA-AIPL: http://aipl.arsusda.gov

ASBIA: www.asbia.org.br

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.