FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Importância do cobre na nutrição sobre a capacidade de resposta imune

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 08/02/2002

2
0
O uso da nutrição para aumentar a resistência de vacas leiteiras contra infecções tem sido objeto de diversas pesquisas em todo mundo. As vitaminas e os microminerais, tais como Vitamina E, Selênio, Cobre e Zinco, quando suplementados de forma adequada na dieta, podem aumentar a capacidade de resposta imune contra doenças como a mastite, uma vez que a suplementação deste nutrientes eleva a resistência a infecções e diminui a severidade dos quadros infecciosos.

Para estudar o efeito da suplementação de cobre acima dos níveis recomendados pelo NRC (National Research Council dos EUA), foi realizado na Universidade do Kentucky dois estudos utilizando 23 novilhas prenhes. Este grupo de novilhas foi dividido em dois lotes, sendo que um deles recebeu nos últimos 60 dias antes do parto dieta balanceada com nível de cobre de 6,5 ppm e o outro grupo recebeu a mesma dieta com a suplementação de 20 ppm de sulfato de cobre adicional. Estes animais foram acompanhados desde 60 dias antes do parto até 42 dias depois do parto. Foram feitas análises de biópsias de fígado dos animais para identificar os níveis de reservas de cobre.

Após o parto, no 34o dia de lactação, todos os animais foram infectados experimentalmente em um dos quartos mamários com baixa CCS (contagem de célula somática) com um agente causador de mastite ambiental – Escherichia coli – e foi observado a resposta dos animais a este desafio. Após o desafio experimental com a E. coli, foram avaliadas a temperatura retal e a severidade do quadro clínico de mastite ambiental.

Os resultados demonstraram que a suplementação de 20 ppm de sulfato de cobre durante 60 dias antes do parto proporcionou uma fonte de cobre suficiente para manter concentrações adequadas de cobre no fígado, uma vez que o nível de cobre hepático, ficando abaixo de 100 ppm, é considerado inadequado. Para os animais suplementados, os níveis de cobre no fígado no momento do parto foi de 162 ppm e aos 42 dias pós-parto foi de 256 ppm. Por outro lado, o grupo dos animais que não tiveram suplementação apresentaram níveis de cobre no fígado de 33 ppm no parto e de 45 ppm aos 42 dias após o parto.

É interessante notar que para o caso do cobre e de outros nutrientes, as concentrações sanguíneas não apresentaram grandes variações, uma vez que o fígado é o órgão de reserva. Portanto, os níveis sanguíneos de cobre não devem ser usados como parâmetro para medir o status deste nutriente nos animais.

Com relação aos resultados do desafio experimental com a E. coli, foi demonstrado que os animais suplementados com sulfato de cobre apresentaram menor contagem de bactérias no leite após a infecção, menor CCS, menores temperaturas retais e menor severidade dos sintomas do quadro clínico de mastite. Estes resultados apontam de maneira clara que o nível de cobre na dieta tem um papel importante na capacidade de resposta da vaca a uma infecção intramamária e, desta forma, deve-se observar com atenção os níveis deste nutriente presente na dieta.

A diminuição da severidade dos sintomas observada nos animais suplementados com sulfato de cobre pode ser devida ao aumento da capacidade de resposta imune dos animais suplementados de eliminar o agente causador da mastite. A suplementação de cobre reduziu a severidade dos sintomas, ainda que a duração dos casos não tenha diminuído. Desta forma, as recomendações do NRC em relação ao nível mínimo de cobre de 10 ppm na dieta, são adequadas para o crescimento e produção de leite, embora os resultados desse estudo confirmam que os níveis ótimos para a máxima resposta imune deve ser maiores que os atualmente recomendados.

Fonte: 2o International Symposium on Mastitis and Milk Quality, Vancouver, Canadá, p. 29-33, 2001.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RINALDO O. VERÇOSA

EM 24/05/2015

Boa noite!

Gostaria de saber quantas gramas do sulfato de cobre p/ animal, se usa na alimentação ou no sal.
JOSÉ ROBERTO PERES

SOROCABA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 20/02/2002

As vacas foram suplementadas com 20 ppm de cobre ou de sulfato de cobre, conforme mencionado no artigo?

Resposta MilkPoint: <i><font color="#006666">Esta pergunta é importante, pois os autores (Harmon) deixam claro que suplementaram 20 ppm de sulfato de cobre adicional na dieta com nível basal de cobre (sem suplementação, somente com o cobre dos ingredientes da dieta).

Este grupo de novilhas foi dividido em dois lotes, sendo que um deles recebeu nos últimos 60 dias antes do parto dieta balanceada com nível de cobre de 6,5 ppm e o outro grupo recebeu a mesma dieta com a suplementação de 20 ppm de sulfato de cobre adicional.

(Marcos Veiga)</i></font>