FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como escolher o desinfetante para tetos ? - Parte 2/2

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 20/06/2002

2
0
Qual o melhor produto para desinfecção dos tetos ?

Esta é uma questão constantemente perguntada para pesquisadores e especialistas, veterinários e produtores. A resposta para esta questão é bastante simples. Pode ser usada qualquer formulação que tenha sido testada e que os resultados tenham comprovado cientificamente que são capazes de reduzir a ocorrência de novos casos de mastite. Atualmente, não é do nosso conhecimento que as empresas que produzem desinfetantes para tetos tenham que comprovar os resultados para registro de produtos nos órgãos competentes. Desta forma, a comprovação de que os produtos comercializados são efetivos é um ônus e dever do fabricante e não do produtor ou técnico. Sem os resultados de testes de eficácia dos desinfetantes não há como garantir a eficácia no campo.

Atualmente o Conselho Nacional de Mastite dos EUA (NMC - National Mastitis Council: www.nmconline.org), publica anualmente um relatório com todos os produtos que foram testados, utilizando protocolos reconhecidos cientificamente, o que garante tanto para os fabricantes quanto para os consumidores que o uso destes produtos está sendo realmente eficaz. A seguir é feita uma breve descrição de como são testados os produtos para desinfecção de tetos para garantir a sua eficácia.

Como determinar a capacidade desinfetante de um produto

1) Testes in vitro: pelo menos três métodos podem ser usados para a avaliação de desinfetantes in vitro. Um dos métodos utiliza o modelo de tetos incisados para avaliar a capacidade do produto desinfetante em eliminar os microrganismos da pele do teto. Este teste tem como objetivo primário avaliar, de forma rápida, se determinado produto é eficaz para uso como dipping, pois é menos caro e mais rápido que os demais métodos. De forma sintética, o método consiste em mergulhar os tetos incisados (tetos de animais abatidos) em solução com os microrganismos causadores de mastite e, posteriormente, aplicar a solução desinfetante que está sendo testada. Os tetos são então avaliados para saber qual a proporção de microrganismos que foi eliminada pelo desinfetante. Caso o produto demonstre ser efetivo neste teste, ou seja, reduza de forma significativa a população de microrganismos no teto incisado, pode-se então proceder as demais avaliações sobre eficácia na redução de novas infecções.

2) Teste de desafio experimental: normalmente estes testes devem ser conduzidos em rebanhos experimentais. Este teste avalia se o produto testado é capaz de reduzir a incidência de novas infecções intramamarias em comparação com tetos não desinfetados, quando submetidos a um desafio experimental com microrganismos causadores de mastite. Isto é realizado após a retirada do conjunto de ordenha, sendo que todos os tetos do animal são mergulhados numa solução com agentes causadores de mastite. Imediatamente apos este desafio, faz-se o uso do pós-dipping em apenas dois tetos (em diagonal, um dianteiro e outro traseiro) e deixam-se os outros dois tetos sem o uso do pós-dipping. Repete-se este procedimento por uma semana, durante a segunda ordenha e, após este período, avalia-se a taxa de novas infecções nos quartos com o uso de pós-dipping e sem o uso de pós-dipping. A eficácia do produto deve ser expressa em termos de redução porcentual dos novos casos de mastite em comparação com os quartos não submetidos ao produto.

3) Teste de exposição natural: este tipo de teste para avaliação de desinfetantes para teto somente pode ser feito em rebanhos experimentais ou rebanhos comerciais colaboradores. A diferença básica entre este teste e o do desafio experimental é que, ao invés de mergulhar os tetos em solução contendo os microrganismos causadores de mastite, os tetos são desafiados naturalmente nas condições do rebanho. Desta forma, faz-se a desinfecção dos tetos somente em dois quartos e deixam-se os outros dois quartos sem o dipping. Durante o período de um ano (para avaliar as diferenças de estações do ano) é avaliada a ocorrência de casos de mastite entre os quartos com o uso de desinfecção e sem o seu uso. Neste caso, pode-se comparar um determinado produto a ser testado em comparação com outro produto já reconhecidamente eficaz.

Qual a melhor forma de aplicação do desinfetante nos tetos ?

A forma mais convencional de aplicação do desinfetante nos tetos é pela imersão do teto na solução desinfetante. Existem vários modelos de copos de aplicação, mas os modelos que permitem que o desinfetante recircule facilitam a contaminação do produto com substâncias que podem diminuir a atividade do desinfetante. Desta forma, se o produto não for mantido limpo e trocado periodicamente, pode ocorrer o efeito inverso, que é a disseminação de microrganismos pelo desinfetante. Alguns microrganismos como Pseudomonas e Serratia podem crescer mesmo em soluções desinfetantes, mas, de forma geral, raramente são causas de casos de mastite.

Atualmente, alguns rebanhos têm como opção o uso da aplicação por spray ao invés de usar o aplicador convencional. Este procedimento pode trazer resultados satisfatórios, desde que sejam tomados cuidados para garantir que toda a superfície do teto seja coberta com o desinfetante. Geralmente, isto não é atingido com ordenhas nas quais objetiva-se reduzir o tempo de ordenha, pois os ordenhadores têm pouco tempo para cada etapa da ordenha. Sendo assim, tanto resultados práticos quanto de pesquisa indicam que a aplicação por spray pode ser eficaz, desde que realizada de forma adequada, o que nem sempre é possível. Como regra geral, deve-se observar se os tetos estão sendo totalmente cobertos com a solução desinfetante para definir se o método de aplicação está sendo adequado.

Como mensagem final, é importante dizer que a prática de desinfecção dos tetos é um das principais estratégias para manejo de ordenha visando controlar a mastite e que, para que os resultados sejam positivos, é de fundamental importância o uso de produtos que tenha eficácia comprovada em testes científicos.

Fonte: Nickerson,S.C. NMC-PDPW Milk Quality Conference, 2001.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RAFAEL SANTOS

EM 05/08/2019

Não observei melhora significativa nos quadros de mastite após a adoção do pré e pós dipping. Estou utilizando uma solução de iodo para ambos, mais diluída no pré e concentrada no pós. No meu caso, vou tentar outra solução, estou abandonando já essa técnica.
JULIANO FERREIRA CANDIDO

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 09/08/2010

Professor qual a pratica mais eficaz, imergir todo o teto ou somente a ponta?