FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como a ordenha pré-parto em vacas primíparas afeta a saúde da glândula mamária?

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 30/01/2003

1
0
No 2º Congresso Panamericano de Qualidade do Leite e Controle de Mastite, realizado em Ribeirão Preto, foram discutidos variados temas associados com a saúde da glândula mamária de vacas leiteiras. Dentre os vários resultados de pesquisa apresentados, destacou-se um estudo da Universidade da Califórnia, EUA, que estudou a utilização da prática de ordenha antes do parto em novilhas (primíparas) e os seus efeitos sobre a incidência de mastite e outras características de desempenho da lactação seguinte destes animais.

Para melhor compreendermos o contexto e as razões que motivaram a realização da pesquisa, é necessário mencionar que um importante problema de muitos rebanhos leiteiros em vários países do mundo é a elevada incidência de mastite em novilhas antes do primeiro parto. Na tentativa de quantificar este problema, vários estudos levantaram, em condições de campo, a incidência de infecções intramamárias em novilhas antes do parto e verificaram que entre 26 a 97% destes animais estavam infectados na forma subclínica, e mesmo uma parcela expressiva dos animais apresentavam sintomas clínicos da mastite.

Uma vez diagnosticada a elevada porcentagem de infecções da glândula mamária nas novilhas, é necessária a identificação das principais fontes de microorganismos causadores, e, desta forma, podermos propor medidas de controle eficazes. Diversos trabalhos de pesquisa apontam que os microorganismos causadores têm origem do próprio ambiente, do corpo dos animais e do leite proveniente de animais com mastite que é usado no aleitamento dos bezerros. A presença de moscas pode funcionar como um fator de risco adicional, o que torna o controle e a prevenção muito difíceis de ser conseguidos.

Considerando a dificuldade de prevenção, a eliminação das infecções existentes passa a ser uma etapa importante para reduzir os prejuízos causados pela mastite em novilhas. Atualmente são propostos dois tipos de estratégias com comprovada eficácia: a) o uso de infusão intramamária com produtos para o tratamento de vaca seca 6 a 8 semanas antes do parto; b) o tratamento intramamário com produtos para vacas em lactação 8 a 10 dias antes do parto. Em ambos os tipos de tratamento é absolutamente imperativo que os procedimentos de infusão intramamária sejam realizados com o máximo de higiene e de forma a manter íntegro o canal do teto.

Sendo assim, a pesquisa realizada sobre o efeito de ordenhas pré-parto em primíparas teve como objetivo avaliar o uso desta prática sobre a saúde da glândula mamária e desempenho da lactação seguinte ao parto. No estudo foram avaliadas 267 vacas primíparas Holandesas, as quais foram divididas em dois grupos: a) ordenha diária três vezes ao dia a partir de 15 dias antes da data prevista do parto; b) um grupo controle, que não foi submetido ao regime de ordenhas antes do parto. Todos os animais foram acompanhados por até 135 dias de lactação após o inicio do estudo, sendo avaliados vários fatores importantes como: incidência de mastite, grau de edema de úbere, produção leiteira, análise de perfil metabólico dos animais, assim como a ocorrência de problemas de saúde.

Os animais que foram submetidos ao regime de ordenhas pré-parto apresentaram redução do grau de edema do úbere em relação aos animais do grupo controle. Além disso, o grupo de novilhas ordenhadas antes do parto tive redução de escore de células somáticas (2,39 versus 3,23; P < 0,001) e maiores quantidades de proteína e gordura. Os autores do estudo concluíram que a ordenha pré-parto de vacas primíparas reduz o edema de úbere, melhorando a saúde da glândula mamária e o desempenho da lactação, com poucos efeitos sobre parâmetros metabólicos.

Os resultados deste estudo são interessantes na medida em que os dados sugerem efeitos positivos da ordenha pré-parto de novilhas sobre a saúde da glândula mamária e produção de leite. No entanto, deve-se lembrar que se trata de pesquisa ainda com resultados preliminares e que a sua aplicação em fazendas leiteiras ainda carece de maiores comprovações, além da avaliação dos seus efeitos sobre parâmetros reprodutivos e sobre outras lactações. Visto sob o ângulo da inovação, os resultados apontam para uma nova área a ser estudada em maior profundidade.

Fonte: Anais do 2º Congresso Panamericano de Qualidade do Leite e Controle de Mastite, Ribeirão Preto. 2002.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FLAVIA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - ESTUDANTE

EM 28/05/2009

Afinal, deve-se ou não realizar a ordenha antes do parto? E quais os principais benefícios e as dificuldades?

Obrigada

<b>Resposta do autor:</b>

Prezada Flávia,

A estratégia de manejo de ordenha de novilhas (primíparas) no período pré-parto é uma medida nova e os resultados dos estudos são ainda, na minha opinião, muito recentes. De qualquer forma, existem trabalhos de pesquisa que indicam que novilhas que têm a ordenha iniciada cerca de 3 semanas antes da data prevista do parto apresentam aumento na produção de leite, redução de edema de úbere e redução de contagem de células somáticas durante a lactação (ainda que tenham apresentado mais casos de mastite durante a lactação).

Obviamente, que entre as possíveis desvantagens estão o aumento do trabalho de ordenha, o risco de contaminação destes animais e o aumento do balanço energético negativo.

Outros trabalhos que foram publicados nessa área são:

Title: Prepartum milking effects on parlour behaviour, endocrine and immune responses in Holstein heifers
Author(s): Eicher SD, Schutz M, Kearney F, et al.
Source: JOURNAL OF DAIRY RESEARCH Volume: 74 Issue: 4 Pages: 417-424 Published: NOV 2007

2. Title: Effects of prepartum milking on postpartum reproduction, udder health and production performance in first-calf dairy heifers
Author(s): Bowers S, Gandy S, Graves K, et al.
Source: JOURNAL OF DAIRY RESEARCH Volume: 73 Issue: 3 Pages: 257-263 Published: AUG 2006

3. Title: Effect of prepartum milking of primigravid cows on mammary gland health and lactation performance
Author(s): Santos JEP, Cerri RLA, Kirk JH, et al.
Source: LIVESTOCK PRODUCTION SCIENCE Volume: 86 Issue: 1-3 Pages: 105-116 Published: MAR 2004

Atenciosamente, Marcos Veiga