FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Efeito de híbridos, estádios de colheita, tamanho de partícula e processamento na ensilagem de planta inteira de milho

MARCO AURÉLIO FACTORI

EM 27/12/2016

5 MIN DE LEITURA

7
0
As diferentes variações climáticas durante o ano implicam na estacionalidade da produção de forragem. Portanto, é necessário produzir durante o verão um alimento de boa qualidade e que possa ser armazenado e conservado para ser fornecido aos animais visando o aumento na eficiência da produção de leite e carne. Neste momento e, de acordo com o texto, iremos abordar detalhadamente o processo de colheita para silagem.

A silagem, quando adequadamente compactada favorece e acelera a fermentação anaeróbia no interior do silo. No entanto, este processo requer alguns cuidados quando o objetivo é a redução de perdas e garantia de uma silagem de qualidade. A picagem facilita a acomodação do material dentro do silo, além de expor os carboidratos solúveis e facilitar a ação dos micro-organismos fermentadores. Tamanhos de partículas menores, principalmente abaixo de 0,5 cm, prejudicam a ruminação, reduzem o consumo voluntário de silagens e a digestão das fibras. Ainda, segundo a literatura, o tamanho de partícula influencia os padrões de fermentação ruminal, produção microbiana e eficiência da utilização do amido e de outros nutrientes no rúmen.

Portanto, o tamanho de partículas da silagem assume papel importante no controle do consumo e posterior desempenho animal. Para isso, torna-se necessário o ajuste de máquinas que façam a colheita adequada da forragem, pois o sucesso da ensilagem é dependente dessa etapa. Cabe ressaltar que a colhedora não somente colhe a planta, como também promove a picagem e o processamento da planta em tamanho satisfatório para ocorrência de uma fermentação de qualidade e, posterior aceitabilidade pelos animais, mas, para isso, essa etapa do processo requer energia. A elevação dos custos de produção e a queda dos preços dos produtos agrícolas no mercado têm incentivado os produtores a buscar mecanismos eficientes com baixos custos de produção, dentre eles, o uso de máquinas.

Normalmente, a condução da lavoura (preparo de solo a colheita) de milho é a mais onerosa, correspondendo a 60 – 65% do custo total de produção, estando a ensilagem na faixa de 35 a 40%. Estes valores dependem de vários fatores, com destaque para o tipo e eficiência das máquinas e equipamentos. Assim, a ensilagem deve ser feita de forma a proporcionar baixos custos de produção para que seja viável sua utilização, aliando-se o processamento deste material a estádios de colheita que proporcionem menor custo e maior viabilidade por kg de massa seca produzida.

A maximização do uso do trator agrícola e seus implementos torna-se fundamental na redução de custos de produção para aumentar a eficiência do combustível - de modo a produzir uma máxima quantidade de trabalho por unidade consumida. Estudos conduzidos por Factori (2011), na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da UNESP Botucatu/SP, com colheita de híbridos de milho para ensilagem em diferentes momentos de colheita (1/2 leitoso, 1/4 leitoso e inicio de maturação fisiológica - Figura 1) e 3 tamanhos de partículas de partículas (2, 7 e 11 mm – Figura 2), concluiu que o consumo de combustível por área foi menor em estádios mais tardios de colheita em função do menor teor de água - o que implicou em menor esforço pelo conjunto máquina-trator na picagem do material.

Figura 1. Estádios de colheitas – ½ leitoso, ¼ leitoso e início de camada preta, respectivamente (Factori, 2011).

Estádios de colheitas milho - silagem
Figura 2. Tamanhos de partículas, fino médio e grosso, 2, 7 e 11 mm respectivamente (Factori, 2011).
Tamanhos de partículas - silagem de milho
Ainda, o consumo por kg de massa processada, foi menor em estádios mais avançados em função da maior produção nesses estádios. Obviamente que, não somente a demanda energética (combustível) do sistema é importante, mas, no entanto, todo e qualquer fator que aumente a eficiência de todo o processo. O conjunto máquina de colheita e trator devem estar ajustados e regulados para que o processo ocorra de forma correta e o mais eficiente possível. O uso de máquinas adequadas no mercado aproxima muito o produtor do sucesso. Atualmente, as máquinas utilizadas estão mais preparadas para trabalharem com maiores números de opções de tamanhos de partículas e ainda desempenharem rapidamente e com grande eficiência o processo de colheita. Isto permite ao produtor rural uma maior janela de colheita em função da colheita mais tardia, e ainda, com maior aproveitamento do material colhido (Figura 3).

Figura 3. Conjunto máquina trator utilizado no processo de ensilagem, composto por uma carreta, ensiladora ou colhedora de forragem e trator (Factori, 2011).

 máquina trator - silagem de milho

Em pesquisa desenvolvida na faculdade de Agronomia da UNESP – Botucatu SP, em experimentos conduzidos por Paludo (2015), orientado pelo Prof. Dr. Paulo Arbex, que atua na área de mecanização agrícola, com foco ao manejo da cultura do milho, foram testadas diversas granulometrias na colheita de planta inteira de milho no estádio de ¼ leitoso, para ensilagem por meio de colhedora automotriz (Figura 4).

Neste estudo foram testadas 6 granulometrias (5, 10, 15, 20, 25, 30 mm), com e sem o processamento mecânico ligado. Por meio deste estudo pôde-se verificar o efeito da potência requerida pelo conjunto da colhedora para testar a viabilidade do uso do processamento mecânico sobre a silagem.

A partir deste estudo foi verificado que em granulometrias de até 10 mm houve efeito no desempenho total da colhedora indicando que em granulometrias acima de 15 mm o uso do quebrador de grãos não foi significativo em relação ao seu uso, implicando mesmo desempenho da máquina em granulometrias maiores que 10 mm, ou ainda 15 mm, ou 1,5 cm.

Figura 4. Colhedora autopropelida forrageira, marca New Holland, modelo FR 9060 (Paludo, 2015).

Colhedora autopropelida forrageira - silagem de milho

Ainda em estudos conduzidos por Factori (2011), como citados neste mesmo texto, porém, no quesito Degradabilidade Ruminal da Matéria Seca, Proteína Bruta, Amido e Fibra em Detergente Neutros, pode-se concluir que o esmagamento (semelhante ao utilizado no ensaio feito por Paludo, 2015) da massa de forragem antes da ensilagem, proporciona maiores benefícios nos estádios mais avançados de colheita e em maiores granulometrias (11 mm) em função das maiores degradabilidades encontradas - ampliando o intervalo de colheita e permitindo o uso de materiais de textura dura para ensilagem, segundo o objetivo do presente estudo.

Sendo assim, quando pensarmos em processamento mecânico de silagem de milho, devemos nos atentar ao tamanho de partícula. Os estudos indicam que para materiais a serem processados por meio do esmagamento ou quebradores de grãos (oriundos das máquinas que o fazem), devemos utilizar granulometrias ao redor de 1,2 a 1,5 cm (ou 12 a 15 mm). Dessa forma, se equilibra os efeitos do benefício do processamento quanto ao aproveitamento do material e ainda, a viabilidade de colheita quanto a eficiência do sistema de colheita. Logicamente, para buscarmos eficiência de todo o processo.

Referências bibliográficas

FACTORI, M.A. Demanda energética na colheita, degradabilidade e digestibilidade da silagem de híbridos de milho 2011. 60 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu, 2011.

PALUDO, V. Desempenho operacional de colhedora de forragem com diferentes tamanhos de partículas com e sem o uso do processador 2015. 54 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu, 2015.

 

MARCO AURÉLIO FACTORI

Consultor, Factori Treinamentos e Assessoria Zootécnica.

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 10/01/2017

Prezado Claudio



Opte pro máquinas que façam o esmagamento ou ainda que utilizam o que chamamos de quebradores de grãos, com tamanho de partícula recomendado no artigo. Esta seria a melhor opção. Att. Marco Aurélio Factori
CLAUDIO JOÃO POSSA

CHAPECÓ - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/01/2017

boa noite, mto importante as informações sobre silagem deste artigo. Sou produtor rural do Oeste Catarinense, possuo 25 vacas holandesas em confinamento e a silagem é a base da alimentação diária. gostaria de obter informações sobre tamanho de partículas e quebra do grão. com a colhedora regulei para aumentar o tamanho da partícula porém fica mto grão inteiro. por falar em grão qual seria o esmagamento ou a quebra ideal para um melhor aproveitamento pelos animais.
MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/01/2017

Prezado Marco



NEste caso, se o animal pastejar, o tamanho de partícula do pasto não há como mensurar. No entanto, se o animal estiver consumindo pasto e silagem, o tamanho da silagem pode continuar ao redor de 1 a 1,5 cm sem problemas, ou até menor se quiser. O que nós recomendamos é ao redor de 1,2 cm pelo fato do processamento. Att. Marco Aurélio Factori
MARCO FIGUEROA

CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/01/2017

Gracias Marco Aurelio , según entendí el consumo de silaje maíz esta influenciado por el pastoreo independiente del tamaño de la partícula y debemos entender separadamente cada caso, ahora como regularía el tamaño de la partícula del silaje cuando los animales pastorean? Que variables Ud. tomaría en cuenta? Saludos desde Venezuela
MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/12/2016

Prezado Rodrigo e Marco. Iremos aproveitar o mesmo tempo para responder aos questionamentos.



O tamanho de partícula mencionado, está relacionado ao da colheita. Aquele que chega ao cocho depende muito do tempo de mistura e ao tipo de misturador ou máquina que levará ate ao cocho. Sendo assim, o que devemos fazer é regular o equipamento para cortar neste tamanho de partícula. Para tanto, o tempo de mistura, pelo que vi de forma empírica, sem experimentação, não é suficiente para diminuir tanto o tamanho de partícula da silagem, portanto não terá grandes influências.

Sobre o consumo de silagem com menores tamanhos de partículas é sim maior... mas o tempo de degradação é menor, sendo menos aproveitado dentro do rúmen, ou ainda é o que chamamos que passa direto sem muita degradação. O fato de comer mais pode estar relacionado com o fato de passar mais rápido, mas somente, sem aproveitamento ou baixo aproveitamento. Pensamos que em ruminantes, todo amido que não é aproveitado no rúmen, será quase que totalmente perdido nas fezes. O consumo de silagem é sim influenciado pelo pastejo. Desta forma precisamos entender a cada caso, separadamente. Att. Marco Aurélio Factori
MARCO FIGUEROA

CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/12/2016

Excelente artículo Marco Aurelio, mi pregunta está relacionada con la de Rodrigo Lopez, ha hecho experimentos donde se relaciones tamaño de la partícula, disgestibilidad, procesamiento de grano , edad o estadio de cosecha , tipo de híbrido , con el consumo de silaje maíz cuando los animales pastorean directamente forrajes? En Venezuela es muy común que los animales cosechen su propio Forrjes y cuando  se suplen de silaje maíz los Consumos tienden a disminuir , yo lo atribuyó al gran tamaño de partícula del silo maíz, por mi experiencia tamaño de partículas entre 0.5 - 0.8 cm aumentan el consumo hasta 4 kg MS/día pero observó mucho grano en las haces sin digerir con la pérdida por supuesto de almidón,  no me preocupa la fibra efectiva porque supongo que el consumo de forrajes directamente la suple, agradecería un comentario, saludos desde Venezuela.
RODRIGO LOPES DE MORAES

VIÇOSA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 27/12/2016

Excelente experimento. Parabéns! Considerando a redução do tamanho de partícula pela desensilagem com vagão forrageiro somado ao efeito de repicagem das facas e tempo de mistura, do ponto de vista de digestibilidade e fibra efetiva poderia considerar o tamanho final da partícula ideal que chega ao cocho sendo 1,2 a 1,5 cm ?
MilkPoint AgriPoint