FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Simulando consumo, produção, exportações e importações no Brasil

No ultimo artigo, analisamos as alterações na pirâmide etária que o Brasil está vivenciado e que, nos anos seguintes, irá se intensificar, fruto da menor taxa de natalidade e da maior longevidade. Essas alterações resultarão em menor taxa de crescimento populacional, comparada ao que o país vem experimentando, além de um menor número de pessoas na faixa de 0 a 14 anos em comparação ao que temos hoje. Esse fato provavelmente impactará o mercado de lácteos, uma vez que o consumo de leite fluido é sabidamente maior nessa etapa da vida. Abre-se, portanto, a necessidade do setor desenvolver produtos focados no público (crescente) com mais de 14 anos.

Há também que se analisar, nesse contexto de transição no mercado interno, o papel das exportações de lácteos como fator de expansão do mercado de lácteos, a exemplo do que ocorreu com outras cadeias do agronegócio.

No intuito de especular a respeito dos números para os próximos anos (mais precisamente, até 2010), fizemos uma simulação considerando estimativas da população brasileira, consumo per capita de leite, produção de leite, importações e exportações, e chegamos a alguns números interessantes, que nos permitem fazer algumas ponderações.

A análise teve como base estimativas de crescimento da população brasileira até 2010, feitas pelo IBGE, considerando o dia 1o de junho como data-base. Estimamos um crescimento de 3,5% ao ano na produção de leite até 2010, tendo como base 22,4 bilhões de kg anuais, produzidos em 2003. Convertemos as estimativas de importações e exportações em equivalentes-leite, para 2004 e, juntando todas estas variáveis, chegamos à disponibilidade per capita de 129,7 kg de leite/2004. A partir daí, fixamos as importações em 80% do valor estimado para 2004, considerando que sempre importaremos alguma coisa, especialmente em produtos de maior valor agregado. No caso das exportações, imprimimos uma taxa de crescimento de 40% ao ano. O resultado está na tabela 1, considerando que o consumo per capita de 129,7 kg irá se manter nos próximos anos.

Tabela 1. Simulação da produção, consumo, exportações e importações de lácteos até 2010, considerando consumo per capita constante


Nota-se, pela tabela 1, um óbvio aumento das exportações de lácteos, a ponto de, em 2010, as exportações responderem por 8,6% da produção nacional (hoje, está por volta de 1,5%). A FAO prevê que em 2010 o mercado externo gire 51 milhões de toneladas, de forma que as quase 2,5 milhões de toneladas de leite previstas na simulação, como exportações brasileiras, representarão 4,8% do mercado mundial (obs: a FAO não prevê que o Brasil ocupará este espaço). Esses números nos colocariam provavelmente entre os 5 maiores exportadores líquidos mundiais, atrás da Nova Zelândia, Austrália e EU, brigando com Argentina. A título de comparação, Ricardo James, ex-dirigente da indústria láctea do nosso vizinho, previu, em artigo escrito em 2002, que a Argentina teria um saldo líquido de 2,2 milhões de toneladas de leite em 2010.

Nesse ponto, vale considerar que, embora não haja dúvida do nosso potencial exportador, é preciso reconhecer que exportar grandes volumes é uma outra história. Conseguiremos exportá-las aos preços atuais, ou para entrar em mais mercados, será necessário preços mais baixos? Nesse caso, as exportações continuarão competitivas? No caso da carne bovina, o grande aumento nas exportações ocorreu pela via do baixo preço, em comparação aos países concorrentes.

A última coluna, entitulada "sobra/falta", reflete uma quantidade que, dadas as variáveis consideradas, "sobrará", isto é, a conta não fecha. Claro que essa condição, na prática, não existirá, ou seja, é necessário trabalhar com as seguintes variáveis: ou se exportará mais do que o previsto, sendo a taxa anual de crescimento de 40%, modesta; ou não se manterá a taxa histórica de crescimento de 3,5% ao ano na produção de leite. A outra opção é elevar o consumo interno, seja através do aumento de renda/redução de preços, ou marketing/inovação em produtos.

Na tabela 2, ao invés de mexermos nas exportações, optamos por ajustar o consumo per capita ano a ano, necessário para zerar o balanço de lácteos do país. Nota-se que, considerando as demais variáveis, há a necessidade de um incremento no consumo per capita da ordem de 7,4 kg/habitante/ano, um tanto modesto, mas que, diga-se de passagem, ultimamente não temos conseguido.

Tabela 2. Simulação da produção, consumo, exportações e importações de lácteos até 2010, considerando consumo per capita ajustado para zerar o balanço


Na tabela 3, voltamos a considerar o consumo per capita constante, porém mexendo nas exportações. Somando o superávit (a coluna "sobra/falta") com as exportações estimadas, chega-se ao volume de 3,8 milhões de toneladas de equivalente-leite sendo exportadas em 2010, ou 13,7% da produção estimada para o período. A título de comparação, o Brasil exporta, hoje, quase 20% da produção de carne bovina.

Tabela 3. Simulação da produção, consumo, exportações e importações de lácteos até 2010, considerando aumento das exportações para zerar o balanço


Estes 13,7% representariam 7,6% do mercado mundial de lácteos e aproximadamente US$ 600 milhões anuais.

Vale uma ponderação: hoje, o Brasil pouco incomoda no mercado externo, mas é bastante provável que, ao ocupar fatia crescente, incomode e gere reações dos concorrentes, através de barreiras não-tarifárias, como especificações técnicas, por exemplo. Torna-se fundamental, dentro disso, participar ativamente de organizações como a IDF - International Dairy Federation, que trata de regulamentos técnicos dos produtos lácteos a nível mundial. A não participação poderá nos custar caro.

Voltando à nossa análise, considerando que as estimativas da população brasileira são precisas e que as importações não voltarão a crescer, salvo se houver um súbito aumento de consumo, flexibilização das tarifas anti-dumping ou redução/eliminação de tarifas de importação através de acordos comerciais (no momento, o Mercosul negocia com a União Européia), a última variável, entre as analisadas, que poderia valer a pena variar, seria a produção de leite interna, mas nos parece sensato usar 3,5% como média anual de crescimento.

Antes de concluirmos, é importante salientar que simulações são sempre simulações, estando sujeitas às variações das variáveis analisadas. Vale lembrar, por exemplo, que, segundo as previsões da FAO, feitas em 2002, o consumo per capita do Brasil estaria em 155 kg/habitante/ano, o que nos colocaria na condição de importadores líquidos de leite - aliás, grandes importadores. Um cenário não muito provável hoje, mas factível há alguns anos atrás.

Outro aspecto que não pode ser desprezado é o efeito do câmbio e dos preços internacionais na participação brasileira no mercado externo. É consenso que a desvalorização cambial criou a condição básica para o país ganhar competitividade. Essas análises pressupõem a continuidade do câmbio nos patamares atuais, ou ainda desvalorização do real. O mesmo se pode dizer dos preços internacionais de lácteos. Caso caiam e permaneçam baixos por um longo período, os planos de exportação podem ser afetados. Não é, porém, o que se prevê.

Também, é importante colocar que não houve a preocupação de avaliar criteriosamente cada dado, mas sim trabalhar com tendências e aproximações, pois considerou-se que o erro seria pequeno e, os resultados, válidos para discussão.

Concluindo o que as tabelas acima nos mostram:

    1. Mesmo considerando uma taxa significativa de aumento nas exportações, se não houver elevação do consumo interno per capita, não teremos como manter a mesma taxa de crescimento na produção de leite.

    2. Um aumento relativamente modesto no consumo interno seria suficiente para zerar a balança de lácteos, dado o crescimento histórico da produção de leite.

    3. Mesmo considerando um aumento bastante arrojado para as exportações, o mercado interno ainda seria responsável por mais de 80% da produção total do país.
Estas análises foram baseadas no comportamento histórico das variáveis e/ou nas tendências mais óbvias. Um último cenário, o mais otimista de todos, não foi apontado, mas pode ser descrito. Envolve elevação significativa no consumo per capita e aumento ainda maior nas exportações de lácteos, puxando um crescimento anual acima dos 4% na produção de leite do país. Condições para isso ocorrer, certamente existem. É o momento do setor analisar estes cenários e procurar trabalhar em prol do cenário que mais lhe interessa, dentro de suas possibilidades de ação.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.