FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Execução e capacidade de adaptação: o desafio dos produtores em um ambiente de mudanças e incertezas

A atividade leiteira apresenta em si um grau de complexidade próprio, fruto da conjugação de um ciclo produtivo longo, da variabilidade genética, da dependência da agricultura (solo e clima), da intensidade do trabalho e da diversidade dos pacotes tecnológicos que podem levar a resultados distintos no que se refere ao desempenho técnico e econômico da atividade.

Além desses aspectos inerentes à atividade, recentemente outros fatores têm tornado a atividade ainda mais complexa. Legislações de qualidade do leite e ambientais mais rígidas; custos de mão-de-obra mais elevados; incertezas relativas ao mercado; novas tecnologias potencialmente revolucionárias, como o genoma; maiores flutuações nos preços dos insumos e incertezas climáticas estão entre os novos aspectos com os quais os produtores de hoje e do amanhã precisarão lidar.

Um exemplo interessante vem dos Estados Unidos. O gráfico 1 mostra a relação de troca entre o leite e insumos nos Estados Unidos. Compare o período entre 1987 e 1997, com 1998 e 2008. Nota-se, além de um comportamento bem mais errático nesse segundo período, uma tendência de queda. É evidente que é muito mais fácil trabalhar em um cenário de estabilidade como o verificado entre 1987 e 1997, do que naquele que se instalou desde então.

Gráfico 1. Relação Leite/Alimentos nos Estados Unidos (fonte: Universidade de Wisconsin)



O gráfico 2 mostra um outro exemplo das incertezas que têm caracterizado o mercado. Nesse caso, o exemplo vem da Austrália e mostra que a rentabilidade da atividade não é mais função principal ou quase que exclusiva do preço do leite. Nos últimos anos, apesar da elevação dos preços (linha azul), a renda líquida da propriedade média (linha vermelha) tem flutuado seguindo uma outra realidade, fruto da volatilidade dos preços dos alimentos.

Gráfico 2. Preço ao produtor e renda líquida da fazenda de leite (Fonte: ABARE)



Esse ambiente de maior complexidade e de incertezas mexe com nossas verdades a respeito de qual é a melhor maneira de desenvolver a atividade em determinado lugar. Em 2010, estive na Nova Zelândia e vi com interesse centros de pesquisa e diversos produtores testando níveis de suplementação que variavam de quase zero a cerca de 50% da ingestão total de matéria seca, em um sistema filosoficamente próximo ao norte-americano. A lógica dessa experimentação é testar o comportamento técnico e econômico dos sistemas diante de preços de leite mais elevados (e insumos mais variáveis). De forma semelhante, no interleite 2009 trouxemos ao Brasil o norte-americano Al Wehner que, em plena crise, estava ganhando dinheiro no Sudeste dos EUA com um sistema parecido com o neozelandês.

Surge um dilema dos novos tempos.

A complexidade da operação, conforme colocado no primeiro parágrafo deste texto, remete à necessidade de execução primorosa: profundo conhecimento do sistema produtivo, processos bem definidos; monitoramento de índices; gestão da rotina; práticas de qualidade total; melhoria contínua. Nesse ponto, a atividade leiteira se assemelha a uma empresa tipicamente fordista, lembrando os conceitos de linha de produção, hierarquias, escala, regularidade e repetição, tão bem desenvolvidos no início do século passado por empresários como Henry Ford.

Um ambiente com mudanças frequentes exige, no entanto, capacidade de adaptação. Aqueles que melhor compreenderem a nova realidade e estiverem aptos a competir no novo contexto tendem a se sobressair. Não por acaso, a conversa se assemelha muito ao processo de evolução das espécies, que teve em Charles Darwin seu grande proponente e desenvolvedor.

O ponto relevante deste dilema é que as competências necessárias para termos uma execução primorosa não são as mesmas que são exigidas quando se fala em capacidade de mudança, em experimentação. Nesse último caso, é preciso ter maior tolerância para erros e pequenas falhas, visando descobrir novas possibilidades; criar um ambiente em que as ideias possam fluir através dos níveis hierárquicos, independente do cargo de quem as formula; ter a mente aberta para novas ideias e visões; acompanhar o ambiente externo à empresa; buscar os fatos; ter o sentido de urgência competitiva. Citando Beinhocker, a vida das empresas é "uma corrida sem linha de chegada".

O desafio, portanto, é conciliar a execução eficiente do sistema atual, a partir do conhecimento profundo do atual modelo de negócios, do motor que gera os lucros atuais, com uma cultura de inovação, em um ambiente em que, como disse Paul Valery, "o futuro não é mais como costumava ser".

E esse é um aspecto importante que permeia não só a atividade leiteira, mas também diversas outras atividades econômicas. A capacidade de adaptação das empresas, assim como das espécies, é uma variável-chave em um período marcado por mudanças no cenário dos negócios.

Há um outro aspecto muito interessante que dificulta a orientação de líderes de sucesso em momentos de transição. Quanto melhor a empresa é em determinado contexto, mais dificuldade terá de abraçar novos modelos e novas possibilidades de negócio, mesmo diante de mudanças no contexto externo que favoreceriam ou exigiriam uma nova visão dos negócios.

O mercado está cheio de exemplos de empresas líderes que sucumbiram quando uma tecnologia de ruptura se instalou, ou quando o mercado mudou. O exemplo mais recente é o da Kodak, sinônimo da fotografia e que está em concordata, não conseguindo se adaptar à tecnologia digital - apesar de, ironicamente, ter sido sua inventora, na década de 70. Os motivos pelos quais isso ocorre vão além dos objetivos desse artigo, mas estão bem documentados nos trabalhos do Prof. Clayton Christensen, de Harvard (principalmente em O Dilema do Inovador). O dilema do inovador nos mostra que, quanto melhores somos no que fazemos mais dificuldade temos em nos adaptarmos a mudanças radicais.

O que fazer, portanto, em um ambiente instável, mais complexo, em que o mercado parece mudar e gerar uma nova configuração no cenário dos negócios, como se placas tectônicas se mexessem, gerando uma nova paisagem no relevo?

Um primeiro ponto importante é conhecer os mecanismos de geração de lucro em sua exploração leiteira e sua sensibilidade às variações do mercado. Em relação ao primeiro item, quais são os indicadores financeiros e técnicos fundamentais? Qual é o motor econômico de sua exploração?

Percebe-se aqui a necessidade de, antes de mais nada, monitorar os indicadores, saber onde se está pisando. Nesse sentido, gostaria de parabenizar a Itambé e a Embrapa Gado de Leite por propor a implantação de indicadores econômicos e técnicos que ajudam a monitorar o progresso de uma atividade leiteira. Vejo a iniciativa como a tentativa de se criar uma espécie de Balanced Scorecard para fazendas de leite (leia mais aqui).

Em relação à sensibilidade do sistema e às variações do mercado, começo citando o conceito apresentado pela diretora da Fonterra no último evento da IDF, a produtora e professora Nicola Shadbolt. De forma geral, há dois extremos no que se refere a sistemas de produção. De um lado, os sistemas projetados para capturar o "upside", isto é, ganhar muito quando as condições são mais favoráveis. Alta produtividade, alavancagem financeira, alto uso de insumos, tudo isso pode resultar em aumento do patrimônio líquido do produtor quando o mercado estiver favorável.

De outro lado, há sistemas concebidos para minimizar o "downside", isto é, perder pouco quando as coisas ficam ruins. Como bem disse Warren Buffet, "é na maré baixa que vemos quem estava nadando pelado". Sistemas com menor utilização de insumos externos tendem a preencher melhor esse pressuposto.

Por fim, sistemas adaptáveis, flexíveis, tendem a se dar melhor em um ambiente marcado por elevada volatilidade - e aqui faço menção ao Prof. Sebastião Teixeira Gomes, que trabalhou esses conceitos bem antes da volatilidade se tornar tão ampla.

O que é melhor? Depende de uma série de aspectos, inclusive preferências pessoais, não sendo objetivo desse artigo entrar nesse mérito. O importante é conhecer como cada sistema se comporta e como fazer para torná-lo mais resiliente a situações extremas de mercado.

O ponto relevante, além da conceituação acima, é que todos os sistemas podem ser trabalhados no sentido de melhorar sua sensibilidade a variação dos aspectos externos. Irrigação, por exemplo, é um fator que contribui para a redução do risco climático em ambos os sistemas, mas principalmente a pasto.

Também, é fundamental ter acesso a ferramentas de gestão de risco, como seguros agrícolas, mercados futuros e informações transparentes de mercado. Desta forma, o produtor poderá minimizar os riscos diante de fatores que não controla. As lideranças setoriais deveriam ajudar a desenvolver e propor a implantação destas ferramentas, inclusive como maneira de atrair investimentos para o setor.

Um outro aspecto válido de se mencionar nesse contexto de volatilidade e mudanças é buscar informações, seja em relação a tendências climáticas (estamos vendo agora a seca no Sul do país afetar a produção de leite; até que ponto isso podia ser prevenido?), seja em relação ao mercado e a novos modelos e soluções que podem ser vencedoras em determinado contexto.

Nesse sentido, a troca de informações em sites como o MilkPoint, além da busca de informações em revistas como a Leite Integral e nos eventos é de fundamental importância. Um exemplo interessante vem dos Estados Unidos: há pelo menos dois seletos clubes de produtores de destaque, alguns dos quais estiveram no último Interleite, que se reúnem duas vezes por ano e realizam inclusive viagens para conhecer novas realidades, colocando à prova suas certezas e buscando novas oportunidades. Estes produtores procuram sair do seu dia-a-dia, mantendo o radar ligado, de forma sempre crítica. Um bom exemplo para os produtores brasileiros, mesmo os mais eficientes.

Em resumo, o atual contexto exige das empresas e dos produtores duas características fundamentais, mas talvez contraditórias. De um lado, uma profunda capacidade de fazer bem feito aquilo que se propõe executar; de outro, a manutenção da capacidade de inovar, tornando sua exploração mais adaptável a mudanças, seja elas quais forem.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 30/01/2012

Obrigado a todos pelos comentários e pelo compartilhamento de suas visões sobre o tema. Acredito que estamos diante de um período de grandes mudanças; arrisco-me a dizer que o período para o qual muitos se prepararam ao longo das últimas décadas, como que se estivessem desconectados da realidade do mercado, finalmente parece estar chegando. Porém, como outro dia li, "agora que sei as respostas, mudaram as perguntas".



Boa semana a todos e obrigado pelo prestígio.
ROSÂNGELA SOARES WILLRICH

BAGÉ - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/01/2012

Olá Marcelo

Mais um excelente texto. Gostaria de dizer que faço minhas as palavras de Marco Aurélio.

Um abraço a todos
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/01/2012

Marcelo, parabéns pelo artigo que foi muito bem escrito; já vi que as férias te fizeram bem porque você voltou afiado.

O assunto é profundo e denso; sempre achei isso um grande desafio. Destaco que além da capacidade de fazer bem feito e de adaptação mencionadas por você, devemos ainda aprender a conviver diariamente com o questionamento sobre as alternativas que temos para a capacidade de uso da terra.

As modificações do cenário são realmente rápidas ao longo do tempo e esse tema merece mesmo um bom debate.

Sobre o artigo, confesso que ainda estou pensando se o movimento das placas tectônicas geram uma nova paisagem no relevo ou um novo relevo na paisagem.

abraços,

Roberto
GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/01/2012

Prezado Marcelo: Parabéns pelo excelente artigo. O futuro é o da escala de produção. Produzir muito, com qualidade e eficiência, será o mote para a sobrevivência no mercado. De nada adianta fomentar a produção de cem, duzentos, até quinhentos litros/dia, porque estes volumes irão ser insuficientes para a sobrevivência destes produtores.  A produção de subsistência tende a ficar somente neste nível, não mais sendo atrativa ao mercado. Hoje, já sentimos, a nível mundial, estas mudanças, com cada vez menos produtores produzindo cada vez mais. Não importa o tamanho do rebanho, mas, sim, a quantidade e qualidade do leite produzido. A concentração é inevitável e quem produzir menos de mil litros por dia pode não ter mais futuro no setor. Precisamos rever os métodos de ensino e assistência técnica que vêm sendo desenvolvidos, mormente os que possuem apoio das entidades governamentais. Não adianta iludir ao pequeno proprietário de que ele terá dignidade, sobrevivência e renda mesmo produzindo duzentos, trezentos, quinhentos litros diários, porque sabemos nós, estudiosos do mercado em que nos quedamos ínsitos, que isto não vai se suceder. Há que se separar voto de realidade, agir com honestidade e transparência. Infelizmente, esta dissociação não tem sido implementada, o que vem causando uma ilusão de ótica irreparável e uma sensação equivocada de progresso. O momento exige profissionalismo em tempo integral, não havendo, mais, espaço para amadores. E, prezado Marco Aurélio Sambaqui Gamborgi, não se pode mais permitir, dentro de um sistema de eficiência, que exista algum "período de vacas magras" - a uniformização de produção é o passo para a vitória no setor. Seja na seca, seja nas águas, o volume de leite deve e tem que ser constante e a níveis seguros de rentabilidade.


Um abraço,

GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO
FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG
GEISSON SCHIRMANN VASCONCELOS

FORMIGUEIRO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/01/2012

Marcelo, parabéns pelo artigo.

Também, muito relevante as colocações do Prof. Paulo.
MARCO AURELIO SAMBAQUI GAMBORGI

GASPAR - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/01/2012

Parabéns pelo texto Marcelo. É estimulante e enumera bem os principais desafios do produtor de leite do século XXI. Muitas vezes perco o sono pensando em tudo que preciso fazer aqui na propriedade e em tudo que ainda preciso aprender, entender e executar bem.

Me esforço sempre para tornar meu sistema de produção flexível, visando sempre maximizar a lucratividade no período favorável e economizar no período das "vacas magras". Consigo isso planejando os partos, prevendo e trabalhando na oferta de alimento, usando as variações climáticas a favor do sistema de produção (em uma safra uso dois sistemas, a pasto e semi-confinado). Mas a cada dia tem muita coisa nova pra fazer, felizmente temos a comunidade Milkpoint que nos ajuda trazendo informações técnicas enriquecidas, em muito, pelos comentários de colegas produtores.

"Se o futuro não é mais como costumava ser", os produtores de leite também não.

Um forte abraço.
PAULO R. F. MÜHLBACH

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/01/2012

Caro Marcelo,

É com prazer que avalio mais esse seu artigo com as cinco estrelinhas!

Sua visão realista da complexidade da atividade leiteira é uma mensagem de alerta para o produtor de leite profissionalizado, que, no contexto apresentado,  é uma minoria que vem dando o melhor de si para manter-se de modo sustentável.

O que me preocupa é falta de entendimento de certos órgãos governamentais em relação ao futuro da atividade nesse País, para a qual continuam a aliciar cidadãos sem condições de desenvolverem a exploração de um modo minimamente racional.

Na visão limitada dos fomentadores de tais iniciativas, qualquer cidadão teria competência para produzir leite de modo sustentável, o que  é descabido e vai na contramão do desenvolvimento contínuo da pecuária leiteira a nível mundial, em que, de modo geral, cada vez menos gente produzirá cada vez mais leite, até alcançar sua escala  ideal de produção (com exceção, talvez, do modelo indiano de produção).

Portanto, é óbvio que, num médio prazo, não teremos mais muitas centenas de milhares de produtores para abastecer o mercado nacional e um potencial mercado de exportação, este, todavia, muito condicionado à qualidade de nossa matéria prima leite.

O entendimento desses fatos, evitaria, assim, o desperdício de tempo e de recursos escassos que poderiam ter seu uso otimizado fossem eles direcionados para uma  eficaz assistência técnica a produtores já existentes, com infra-estrutura e real potencial de crescimento.

Um abraço.