ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Oportunidades e Desafios do Sêmen Sexado - Parte 3

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 06/05/2010

12 MIN DE LEITURA

5
0
Este texto é parte da palestra apresentada por Joseph C. Dalton, no XIV Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos, realizado em Uberlândia (MG) em março de 2010.

Clique para conferir a primeira e segunda parte do artigo "Oportunidades e Desafios do Sêmen Sexado".

Por que existe uma redução na taxa de concepção quando é usado sêmen sexado?

Os motivos específicos contribuindo para a menor fertilidade após a inseminação com sêmen sexado, quando comparada com a de sêmen convencional, são desconhecidos. Segundo Seidel e Schenk (2006) a diminuição nas taxas de concepção quando a inseminação é feita com sêmen sexado podem se dever a: 1) lesão ao espermatozóide durante o processo de coloração antes da citometria de fluxo; 2) exposição do espermatozóide ao raio laser forte durante a separação; e 3) centrifugação para concentrar os espermatozóides antes da colocação nas palhetas.

Mocé et al. (2006) argumentam que a redução na fertilidade observada quando os animais são inseminados com sêmen sexado pode ser decorrente de: 1) mudanças na qualidade dos espermatozóides sexados o que levaria a uma redução nas taxas de fertilização; e 2) problemas com o desenvolvimento embrionário após a fertilização. Dados de Sartori et al. (2004) fornecem evidências que corroboram a afirmação de que sêmen sexado pode levar a problemas com o desenvolvimento embrionário, já que eles encontraram aumento na porcentagem de embriões degenerados em novilhas holandesas superovuladas e inseminadas com sêmen sexado quando comparadas a outras inseminadas com sêmen convencional (53% vs. 24%, respectivamente).

Por outro lado, DeJarnette et al. (2009) relataram que novilhas que não emprenharam com sêmen sexado "apresentavam maior probabilidade de retorno ao estro em um intervalo normal de 18-24 dias do que novilhas que não emprenharam com sêmen convencional." Considerando os dados de Sartori et al. (2004), DeJarnette et al. (2009) argumentaram que o aumento na mortalidade embrionária decorrente do uso de sêmen sexado provavelmente ocorre antes do período de reconhecimento materno-fetal, ou seja, a maioria das novilhas retorna ao estro em intervalos normais.

Outros fatores que podem contribuir para a redução na fertilidade quando se usa sêmen sexado podem ser: 1) o fato de que ainda não se consegue saber se a amostra de sêmen de um touro é capaz de resistir ao processo de sexagem e ainda manter uma fertilidade aceitável antes de se fazer a separação, congelamento e descongelamento; 2) o baixo número de espermatozóides depositados na fêmea; e 3) mudanças na membrana dos espermatozóides resultando na aceleração da capacitação e reação acrossomal nos espermatozóides sexados após o processo de congelamento e descongelamento (Mocé et al., 2006).

Em 2006, Mocé et al. argumentaram que mudanças no processo de sexagem ou no protocolo de congelamento poderiam minimizar os problemas de aceleração da capacitação e reação acrossomal, resultando assim no aumento da fertilidade do sêmen sexado. Na verdade, Rath et al. (2009) descreveram um novo protocolo de sexagem que incluem modificações no processamento e congelamento. Os dados iniciais do campo indicam que a fertilidade (medida pelas taxas de parição) é semelhante para novilhas inseminadas com sêmen sexado (73,6%) e sêmen convencional (76,7%) usando ejaculados divididos (Rath et al., 2009). O principal efeito desse protocolo modificado parece ser o aumento no tempo em que os espermatozóides sexados ficam vivos após o descongelamento. Mais especificamente, como medido pela incubação por 6 horas, Rath et al. (2009) puderam demonstrar a manutenção da motilidade e integridade acrossomal em níveis semelhantes aos do sêmen convencional. Embora esses resultados sejam promissores, ainda são necessárias mais pesquisas antes de esses procedimentos modificados poderem ser recomendados para uso comercial.

Por que não usar um número maior de espermatozóides por dose de sêmen sexado?

Se ignorarmos por um momento as limitações atuais na eficiência da sexagem e assumirmos que novos desenvolvimentos permitirão aumento na velocidade de separação dos espermatozóides --- qual seria o efeito de aumentar o número de espermatozóides sexados por dose? Para entender completamente os resultados de pesquisas recentes sobre o efeito da dose de sêmen sexado sobre as taxas de concepção (DeJarnette et al., 2008), é importante entender os princípios básicos da diluição e sexagem do sêmen. Salisbury e VanDemark (1961) foram os primeiros a sugerir a relação entre quantidade e qualidade do sêmen, quando disseram que a fertilidade aumentava com o aumento no número de espermatozóides viáveis inseminados até um determinado limite.

Após esse limite, a população de fêmeas se torna o fator limitante e um aumento na quantidade de espermatozóides não resulta em maior aumento na fertilidade. Isso pode ser observado na Figura 1, onde o touro B alcança esse valor limite para resultados ideais com 15 × 106 espermatozóides por dose. De acordo com Salisbury e VanDemark (1961), aumentos adicionais no número de espermatozóides para o touro B não levam a aumento na fertilidade, porque o fator limitante agora é a fertilidade da população de fêmeas. Por outro lado, os touros A e C não alcançam esse valor limite para resultados ideais mesmo quando são usadas doses contendo 20 × 106 espermatozóides (Figura 1).

A Figura 1 evidencia graficamente que existem características seminais "compensáveis" e outras "não compensáveis", como descrito inicialmente por Saacke et al. (1994). As deficiências do sêmen que se apresentam sob a forma de redução na fertilidade quando o número de espermatozóides está abaixo do limite, e que podem ser compensadas ou minimizadas pelo aumento da dose de espermatozóides podem ser consideradas "compensáveis". As características compensáveis na qualidade do sêmen parecem estar relacionadas com a viabilidade dos espermatozóides, mais especificamente com a capacidade de os espermatozóides inseminados não apenas chegarem ao óvulo, mas também de se ligarem a ele, penetrarem a zona pelúcida e iniciarem o bloqueio à poliespermia (Saacke et al., 1994).

Sendo assim, se uma amostra de sêmen contém uma porcentagem baixa de espermatozóides viáveis, isso pode ser compensado aumentando o número de espermatozóides por dose. Por outro lado, as deficiências seminais que levam a uma supressão da fertilidade independentemente da dose de espermatozóides são consideradas "não compensáveis". Como ilustrado na Figura 1, a fertilidade máxima dos touros A e C é uma função de características não compensáveis e da fertilidade ideal da população de vacas. Características de sêmen não compensáveis estão associadas com alterações na morfologia dos espermatozóides e integridade do DNA, e se manifestam através da incapacidade de os espermatozóides completarem o processo de fertilização e sustentarem o desenvolvimento embrionário inicial (Saacke et al., 1994).

Figura 1. Relação entre o aumento no número total de espermatozóides e o aumento na fertilidade como sugerido inicialmente por Salisbury e VanDemark (1961).



DeJarnette et al. (2008) estudaram recentemente o efeito da dose de sêmen sexado sobre a taxa de concepção de novilhas leiteiras virgens e vacas em lactação. Nesse estudo foram usados três touros, com doses de sêmen sexado contendo 2,1; 3,5; e 5,0 × 106 espermatozóides. Após 2.125 serviços em novilhas, foi observada uma resposta significativa na taxa de concepção com o aumento no número de espermatozóides por dose para apenas um reprodutor (Figura 2; touro A). Da resposta quase que linear ao aumento no número de espermatozóides por dose, fica aparente que o touro A tinha poucas características não compensáveis (Figura 2).

Por outro lado, o número de espermatozóides por dose não influenciou as taxas de concepção nos animais inseminados com sêmen dos touros B e C. Embora o aumento numérico na taxa de concepção do touro B quando o número de espermatozóides por dose foi aumentado de 2,1 para 3,5 × 106 tenha dado evidências de características compensáveis, tanto o touro B quanto o C parecem ter níveis semelhantes de características não compensáveis, como se pode observar ao comparar a fertilidade resultante da inseminação com doses contendo 3,5 e 5,0 × 106 espermatozóides.

De maneira geral, não houve efeito da quantidade de espermatozóides por dose sobre a taxa de concepção (46,7; 51,2; e 52,5% para doses contendo 2,1; 3,5; e 5,0 × 106 espermatozóides, respectivamente). Finalmente, dentre os rebanhos que usaram mais de 50 doses de sêmen sexado, a média das taxas de concepção foi 47% (variando de 33 a 68%) (DeJarnette et al., 2008).

Figura 2. Efeito do touro e do número de espermatozóides por dose de sêmen sexado sobre as taxas de concepção de novilhas leiteiras virgens (Adaptado de DeJarnette et al., 2008).



Diferentemente dos resultados com as novilhas, DeJarnette et al. (2008) relataram que não houve efeito do número de espermatozóides por dose de sêmen sexado sobre as taxas de concepção de vacas em lactação (2.369 serviços), mesmo considerando que os mesmos ejaculados dos mesmos reprodutores tenham sido usados nas vacas e nas novilhas. Será que isso significa que as vacas em lactação respondem de maneira diferente à concentração do sêmen do que as novilhas?

DeJarnette et al. (2008) acreditam que não, já que esses dados mostram que a fertilidade potencial da população de fêmeas (como descrita por Salisbury e VanDemark, 1961) impõe limites biológicos para a capacidade de características do sêmen influenciarem uma resposta observável sobre a fertilidade. Além disso, DeJarnette et al. (2008) afirmaram que é possível que outros fatores sejam mais limitantes para a concepção do que a qualidade do sêmen e a concentração espermática e que esses outros fatores talvez diminuam a capacidade de detecção de diferenças nas taxas de concepção associadas aos tipos de sêmen usados nesse estudo. Nos rebanhos que usaram ≥ 50 doses de sêmen sexado, a média das taxas de concepção foi 30% (variando entre 15 e 41%). O número de lactações tendeu a influenciar as taxas de concepção, já que vacas em primeira e segunda lactação apresentaram taxas de concepção numericamente mais altas (30,4% e 31,1%, respectivamente) do que as vacas com três ou mais lactações (25,6%; DeJarnette et al., 2008).

Considerando as atuais limitações na eficiência do processamento (relacionadas principalmente ao número de doses por hora) e dados publicados sobre as taxas de concepção após IA com sêmen sexado e com concentrações diferentes (Seidel et al., 1999; Seidel e Schenk, 2002; DeJarnette et al., 2008), não há evidências suficientes para indicar a necessidade de aumentar o número de espermatozóides por dose (para todos os touros). Na verdade, DeJarnette et al. (2008) argumentam que a grande variação nas taxas de concepção obtidas no estudo que fizeram com sêmen sexado em vacas (15 a 41%) e novilhas (33 a 68%), apesar de terem usado os mesmos reprodutores e o mesmo pool experimental de sêmen, indicam que existem muitas oportunidades para o desenvolvimento e aperfeiçoamento de técnicas de manejo nas fazendas que podem ajudar a melhorar a fertilidade de vacas e novilhas.

Algumas considerações finais

Produtores de leite que usarem sêmen sexado, terão sucesso apenas se tiverem boas técnicas de manejo. É muito importante lembrar as seguintes recomendações quanto ao uso de sêmen sexado:

-Uso em novilhas bem manejadas e bem desenvolvidas.
-Inseminar aproximadamente 12 h após a observação do cio.
-Descongelar as palhetas em água morna (35 graus C) por pelo menos 45 segundos.
-Não usar sêmen sexado em programas de IA a tempo fixo.

A precisão na detecção do cio e a utilização de inseminadores bem treinados é essencial para maximizar a fertilidade com sêmen sexado. Além disso, produtores com rebanhos com manejo inadequado, falhas na detecção de cio, manuseio inadequado do sêmen e deposição no local incorreto continuarão a ter problemas com a fertilidade e podem até mesmo ter quedas importantes na taxa de concepção se tentarem usar sêmen sexado.

Referências

-Andersson, M., J. Taponen, M. Kommeri, and M. Dahlbom. 2006. Pregnancy rates in lactating Holstein-Friesian cows after artificial insemination with sexed sperm. Reprod. Dom. Anim. 41: 95-97.
-Cerchiaro, I., M. Cassandro, R. Dal Zotto, P. Carnier, and L. Gallo. 2006. A field study on fertility and purity of sex-sorted cattle sperm. J. Dairy Sci. 90:2538-2542.
-Cran, D.G., L.A. Johnson, N.G.A. Miller, D. Cochrane, and C. Polge. 1993. Production of bovine calves following separation of X and Y chromosome-bearing sperm and in vitro fertilization. Vet. Rec. 132:40.
-DeJarnette, J.M., R.L. Nebel, and C.E. Marshall. 2009. Evaluating the success of sex-sorted semen in US dairy herds from on farm records. Theriogenology. 71:49-58.
-DeJarnette, J.M., R.L. Nebel, C.E. Marshall, J.F. Moreno, C.R. McCleary, and R.W. Lenz. 2008. Effect of sex-sorted sperm dosage on conception rates in Holstein heifers and lactating cows. J. Dairy Sci. 91:1778-1785.
-DeVries, A., and R. Nebel. 2009. National heifer supply and the effects of sexed semen. In: Proc. 9th West. Dairy Mgt. Conf., Reno, NV, USA, pp.131-140.
-Fetrow, J., M. Overton, and S. Eicher. 2007. Sexed semen: Economics of a new technology. In: Bovine Pract. 41: 88-99.
-Garner, D.L., L.A. Johnson, S. Lake, N. Chaney, D. Stephenson, D. Pinkel, and B.L. Gledhill. 1983. Quantification of the X- and Y-chromosome-bearing sperm of domestic animals by flow cytometry. Biol. Reprod. 28:312-21.
-Garner, D.L. 1984. An overview of separation of X- and Y- spermatozoa. In: Proc. 10th Tech. Conf. AI and Reprod., Nat'l Assoc. Anim. Breeders, Columbia, MO, pp. 87-92.
-Garner, D.L. and G.E. Seidel, Jr. 2008. History of commercializing sexed semen for cattle. Theriogenology. 69:886-895.
-Johnson, L.A., J.P. Flook, M.V. Look, and D. Pinkel. 1987a. Flow sorting X and Y chromosome-bearing spermatozoa into two populations. Gamete Res. 16:1-9.
-Johnson, L.A., J.P. Flook, and M.V. Look. 1987b. Flow cytometry of X and Y chromosome-bearing sperm for DNA using an improved preparation method and staining with Hoechst 33342. Gamete Res. 17:203-12.
-Johnson, L.A., J.P. Flook, and H.W. Hawk. 1989. Sex preselection in rabbits: live births from X and Y sperm separated by DNA and cell sorting. Biol. Reprod. 41:199-203.
-Johnson, L.A., and G.R. Welch. 1999. Sex preselection: high-speed flow cytometric sorting of X- and Y-sperm for maximum efficiency. Theriogenology. 52:1134-323.
-Mocé, E., J.K. Graham, and J. Schenk. 2006. Effect of sex-sorting on the ability of fresh and cryopreserved bull sperm to undergo an acrosome reaction. Theriogenology. 66:929-936.
-Rath, D., G. Moench-Tegeder, U. Taylor, and L.A. Johnson. 2009. Improved quality of sex-sorted sperm: A prerequisite for wider commercial application. Theriogenology. 71:22-29.
-Saacke, R.G., S. Nadir, and R.L. Nebel. 1994. Relationship of semen quality to sperm transport, fertilization, and embryo quality in ruminants. Theriogenology. 41:45-50.
-Salisbury, G.W., and N.L. VanDemark. 1961. In: Physiology of Reproduction and Artificial Insemination of Cattle, p. 361. W.H. Freeman and Company, San Francisco, CA.
-Sartori, R., A.H. Souza, J.N. Guenther, D.Z. Caraviello, L.N. Geiger, J.L. Schenk, and M.C. Wiltbank. 2004. Fertilization rate and embryo quality in superovulated Holstein heifers artificially inseminated with X-sorted or unsorted sperm. Anim. Reprod. 1:1:86-90.
-Schenk, J.L., and G.E. Seidel, Jr. 1999. Imminent commercialization of sexed bovine sperm. In: Proc. XVI Range Beef Cow Symposium, pp. 89-96.
-Schenk, J.L., D.G. Cran, R.W. Everett, and G.E. Seidel. 2009. Pregnancy rates in heifers and cows with cryopreserved sexed sperm: Effects of sperm numbers per inseminate, sorting pressure and sperm storage before sorting. Theriogenology. 71:717-728.
-Seidel, G.E., Jr. 2003. Economics of selecting for sex: The most important genetic trait. Theriogenology. 59:585-598.
-Seidel, G.E., Jr., J.L. Schenk, L.A. Herickhoff, S.P. Doyle, Z. Brink, R.D. Green, and D.G. Cran. 1999. Insemination of heifers with sexed sperm. Theriogenology. 52:1407-1420.
-Seidel, G.E., Jr., and D.L. Garner. 2002. Current status of sexing mammalian spermatozoa. Reproduction. 124:733-743.
-Seidel, G.E., Jr., and J.L. Schenk. 2002. Field trials with sexed, frozen bovine semen. In: Proc. 19th Tech. Conf. AI and Reprod., Nat'l Assoc. Anim. Breeders, Columbia, MO, pp. 64-69.
-Seidel, G.E., Jr., and J.L. Schenk. 2006. Sex-selected semen. In: Proc. Applied Repro. Strategies in Beef Cattle, Rapid City, SD, pp. 261-267.
-Sharpe, J.C., and K.M. Evans. 2009. Advances in flow cytometry for sperm sexing. Theriogenology. 71: 4-10.
-Tubman, L.M., Z. Brink, T.K. Suh, and G.E. Seidel, Jr. 2004. Characteristics of calves produced with sperm sexed by flow cytometry/cell sorting. J. Anim. Sci. 82:1029-1036.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 15/07/2010

Prezado Fabio Taveira Sandim,

Infelizmente não tenho dados sobre esse sêmen com garantia de 70% de fêmeas. Mas para produzi-lo também é necessária a passagem por todo o processo, não sei se podemos dizer que o "manuseio" é menor.
Obrigada pela participação!
Um abraço,
Ricarda.
FABIO TAVEIRA SANDIM

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/07/2010

Dr. RICARDA PARABÉNS, SEUS ARTIGOS PRINCIPALMENTE SOBRE O SEXADO SÃO DE GRANDE IMPORTANCIA.
PRETENDEMOS USAR O SEXADO COM 70% DE FEMEAS SEUN CUSTO BENEFICIU PARECE INTERESSANTE GOSTARIA DE SABER SE A CONCEPÇÃO DESSE SEXADO COM 70% É MAIOR DO QUE O COM 90% DEVIDO O MANUSIO SER MENOPR NA ELABORAÇÃO?


OBRIGADO,
FABIO SANDIM.
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 10/05/2010

Prezado Ronaldo Mendoça dos Santos,
Obrigada pela participação!
O levantamento de dados apresentado pelo Dr. Dalton mostra que a concepção com sêmen sexado é de 80% do convencional.
Para saber se você esta no caminho certo tem que avaliar como esta a concepção nas fazendas que você assisti.
Usar ou não em vacas? Também vai depender da taxa de concepção na fazenda, se a concepção das vacas for alta, talvez você possa usar o sêmen sexado sem prejuizo para a eficiência reprodutiva do rebanho.
Um abraço,
Ricarda.
RONALDO MENDONÇA DOS SANTOS

UBERABA - MINAS GERAIS

EM 08/05/2010

Dr. Ricarda nas considerações finais do Dalton há recomendação
apenas para uso em novilhas. Qual a sua opinião sobre isso?
Por exemplo, vacas de segunda cria que pariram bem, está com
bom escore de condição corporal e abre um cio de boa qualidade
aos 60 dias terá baixos índices a ponto de não ser recomendado
a inseminação com sêmen sexado?

Um forte abraço,
Ronaldo Mendonça dos Santos.
RONALDO MENDONÇA DOS SANTOS

UBERABA - MINAS GERAIS

EM 08/05/2010

Dr.Ricarda, qual a sua opinião na utilização do sêmen sexado?
Quais as recomendações que você faz para o sucesso da técnica?

Em uma das fazendas que presto consultoria o pecuarista estava utilizando a inseminação com sêmen sexado seguindo o sistema de Trimberg(cio pela manhã, inseminação a tarde; cio a tarde, inseminação de manhã do dia seguinte). Atualmente, recomendo inseminar 6 horas após o final do cio. Qual sua opinião? Se formos comparar as recomendações do Pietro e a do Dalton há muita variação do momento de inseminar.
Por exemplo:
Recomendação do Dalton: Vaca no cio ás 6:00 horas inseminação ás 18:00 horas.
Recomendação do Pietro: Vaca no cio ás 6:00 horas inseminação ás 00:00 horas.

Agradecidamente,
Ronaldo Mendonça dos Santos.
MilkPoint AgriPoint