ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Efeito do tratamento com GnRH ou hCG no dia 5 após IA nas taxas de concepção em vacas Holandesas lactantes durante o verão

POR JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 25/04/2003

4 MIN DE LEITURA

2
0

Neste radar, estamos apresentando resultados parciais de trabalho que será apresentado na reunião da American Dairy Science Association.


Introdução

São vários os fatores que podem influenciar negativamente no desempenho reprodutivo de vacas leiteiras. A baixa concentração de progesterona (P4) tem sido citada como um dos fatores que explicam a menor concepção em vacas de leite (VASCONCELOS, 1998). Em vacas prenhes da raça Holandesa foi observado maior concentração de P4 pós inseminação artificial (IA), relacionada a maturidade e funcionalidade do embrião (MANN et al., 1995). A concepção pode ser significativamente comprometida pela alta temperatura ambiente (WOLFENSON et al., 2000). Visando aumentar a concentração de progesterona pós IA e potencialmente reduzir a incidência da morte embrionária precoce, o uso de agentes gonadotrópicos como o hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH) ou a gonadotrofina coriônica humana (hCG), poderiam aumentar a secreção de P4, devido a efeito luteotrópico (SANTOS et al., 2001) e/ou indução de um corpo lúteo acessório (CLa) (SCHMITT et al., 1996). O objetivo deste experimento foi avaliar o efeito da aplicação de GnRH ou hCG no dia cinco pós IA na concentração sérica de P4 e na taxa de concepção de vacas Holandesas no verão.

Materiais e Métodos

Foram utilizadas 158 vacas da raça Holandesa, alimentadas com dieta completa a base de silagem de milho, balanceada de acordo com as exigências nutricionais do lote. Não foi realizado nenhum protocolo de sincronização e os animais foram inseminados 12 horas após a observação do cio e a temperatura retal foi aferida no momento da IA. Os animais foram distribuídos aleatoriamente em três grupos experimentais: grupo controle (n-52); grupo GnRH (n=55): receberam aplicação de 100mcg IM de Gonadorelina; grupo hCG (n=51): receberam aplicação de 2500 UI IM de hCG. A aplicação dos tratamentos foi realizada no dia 5 pós IA, no período da manhã, considerando o dia do cio como dia zero. A dosagem da concentração sérica de P4 foi realizada pela técnica de Radioimunoensaio descrita por KNICKERBOCKER et al. (1986). O diagnóstico de gestação foi realizado através da palpação retal, entre os dias 42 a 49 após a IA. Os dados referentes à concentração de P4 foram analisadas mediante o procedimento MIXED do SAS (Statistical Analysis System), conforme modelo de medidas repetidas, e os dados referentes à taxa de concepção foram analisados também mediante o procedimento MIXED do AS.

Resultados e Discussão

As concentrações séricas de P4 (ng/ml) em animais do grupo Controle, GnRH e hCG foram, respectivamente, no dia 5: 2,71; 2,45 e 3,23, no dia 7: 4,79; 4,15 e 5,75, e no dia 12 após IA: 5,21; 6,91 e 8,50. Devido ao aumento proporcional na concentração sérica de P4 entre os dias 5 e 7 após IA nos três grupos (P>0,10), é provável que os tratamentos não tenham induzido ao efeito luteotrópico no CL existente, o que está de acordo com SCHIMITT et al. (1996), que avaliou a morfologia e funcionalidade do CL original de vacas tratadas com GnRH ou hCG no dia 5 pós IA e observou que não houve alterações que justificassem o efeito luteotrópico. Entre os dias 7 e 12, houve aumento da concentração sérica de P4 nos animais tratados (P<0,01), justificado pela possível formação de CLa, já que no dia 5 pós IA deve haver um folículo dominante responsivo ao LH e a administração de hormônios gonadotrópicos pode induzir à ovulação deste folículo com subseqüente formação de CLa (SCHIMITT et al., 1996; VASCONCELOS, 1998).

A temperatura retal média das vacas no momento da IA foi de 39,7oC e o tratamento com GnRH ou hCG aumentou as taxas de concepção nas vacas com temperatura retal abaixo de 39,7oC, mas não tiveram efeito na concepção em vacas com temperatura acima de 39,7oC (Tab. 1).

Esses dados sugerem que o GnRH e hCG aumentam as taxas de concepção em vacas Holandesas lactantes com temperatura retal < 39,7oC no momento da IA, devido aumento da concentração sérica de P4, mas não aumentam a concepção em vacas com temperatura retal ? 39,7oC, provavelmente devido a efeitos deletérios do estresse térmico sobre o desenvolvimento inicial do embrião.
 

 


Conclusão

Visando o aumento da concepção no verão, em vacas com temperatura retal <39,7oC no momento da IA é indicada a aplicação de GnRH ou hCG no dia 5 pós IA, enquanto que em vacas com temperatura retal ? 39,7oC este tratamento não é indicado .

Referências Bibliográficas:

KNICKERBOCKER, J.J., Thatcher, W.W., Bazer, F.W., Drost, M., Barron, D.H., Fincher, K.B., Roberts, L.M. Proteins secreted by day -16 to -18 bovine conceptuses extend corpus luteum function in cows. J. Reprod. Fertil., v. 77, p. 381-91, 1986.

MANN, G.E., Lamming, G.E., Fray, M.D. Plasma oestradiol and progesterone during early pregnancy in the cow and the effects of treatment with buserelin. Anim. Reprod. Sci., v.37, p.121-31, 1995.

SANTOS, J.E.P., Thatcher, W.W., Pool, L., Overton, M.W. Effect of human chorionic gonadotrophin on luteal function and reproductive performance of high-producing lactating Holstein dairy cows. J. Anim. Sci., v.79, p.2881-94, 2001.

SCHIMITT, E.J.P., Barros, C.M., Fields, M.J., Diaz, T.T., Kluge, J.M., Thatcher, W.W. A cellular and endocrine characterization of the original and induced corpus luteum after administration of a gonadotrophin-releasing hormone agonist or human chorionic gonadotrophin on day five of the estrus cycle. J. Anim. Sci., v. 74, p.1915-29, 1996a.

VASCONCELOS, J.L.M. Avaliação da sincronização de ovulação e de fatores relacionados com a produção de leite e taxa de concepção em vacas. Jaboticabal, 1998. 116 p. Tese (Doutorado em Zootecnia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista.

WOLFENSON, D., Roth, Z., Meidan, R. Impaired reproduction in heat-stressed cattle: basic and applied aspects. Anim. Reprod. Sci., v. 60-61, p. 535-47, 2000.

 

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

YORGAN DEITOS

TREZE TÍLIAS - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/08/2020

Sr. José Luiz moraes. Eu utilizo o HCG de 1 a 3 dias antes da data de cio e no dia da monta. Tenho um bom índice de prenhez vc acha que está incorreto o uso do HCG ou é pura sorte? Na minha região os veterinários falam que não está correto
RENATO S. MACHADO POMPÉU-MG

POMPÉU - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/05/2003

Este estudo está muito estranho: taxas de concepção de 10% pós IA no grupo controle são uma aberrração mesmo no verão, ou estou enganado?

<b>Resposta:</b>

Renato, infelizmente você está enganado, pois devido ao aumento da produção de leite e calor pela vacas associado ao estresse térmico do verão, a concepção cai drasticamente, sendo que em algumas fazendas é até menor que 10%.

Lembre-se que estamos falando de vacas que apresentam temperatura retal acima de 39ºC.

Estamos a disposição.
MilkPoint Logo MilkPoint Ventures