ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Quantos pontos de coleta no painel do silo devo retirar?

ESALQLAB

EM 03/01/2018

5
1
 Laerte Cassoli
ESALQLab - Dep. Zootecnia – ESALQ/USP

Willian Santos
Jéssica Mariane Silveira

QCF – Dep. Zootecnia – ESALQ/USP


Imagine você em frente a um silo com oito metros de largura e quase três de altura. Missão? Coletar uma amostra para avaliar a qualidade da silagem de milho. Certamente virá a pergunta: Por onde começar? Como devo coletar a amostra?

Calma, esse artigo vai te ajudar nessa tarefa.

Já existem inúmeros procedimentos de coletas disponíveis e com diferentes variações/sugestões. Um dos pontos críticos do processo é garantir que o painel do silo seja amostrado de forma representativa, e uma das maneiras de fazer isso, é coletando porções aleatórias do painel. Aqueles que já coletaram uma amostra, sabem que a parte mais trabalhosa do processo é exatamente a coleta dessas porções. Seria muito mais fácil chegar no painel e retirar num único ponto. Seria necessário coletar em cinco, oito, dez ou mais pontos? Boa pergunta né?

Para respondê-la com “fatos e dados” fomos amostrar um silo com 7,5 metros de largura e cerca de 2,7 metros de altura, numa fazenda aqui próximo da ESALQ. Dividimos esse painel em 40 quadrantes de 70 x 70 cm, como podemos ver na imagem abaixo.

Figura 1. Quadrantes de amostragem do painel do silo. 


 
Foi retirada uma porção (+/- 1 kg) do centro de cada um dos 40 quadrantes. As porções foram acondicionadas em sacos e encaminhadas imediatamente para o laboratório da ESALQLab. Foi feita a determinação do teor de matéria seca (1ª. MS) em estufa a 55ºC por 48 h, seguida de moagem e análise via infravermelho (NIRS) em duplicata.

O objetivo foi verificar qual a variação observada para três principais parâmetros: MS (materia seca total), FDN (fibra em detergente neutro) e amido.

Os resultados obtidos nas 40 porções, foram apresentados num “gráfico de superfície”, uma forma bem interessante de tornar mais visual a informação. Nas três figuras abaixo, podemos observar a variação da MS, FDN e amido no painel.

Figura 2. Variação do teor de Matéria Seca (MS) no painel (Média=32,7%). 


 
Figura 3.
Variação do teor de FDN no painel (Média=50,3%). 


 
Figura 4. Variação do teor de amido no painel (Média=22,8%). 



Retomando a pergunta inicial de quantas porções nós deveríamos coletar desse painel, numa análise visual a resposta seria “várias”, uma vez que existe uma variação significativa. Por exemplo, o amido variou de 15 a 25%.

Mas qual seria o número ideal? Para isso, vamos contar com a ajuda da “estatística”.

A resposta pode ser dada em função do erro que você assume como aceitável. Por exemplo, se você coletar 40 amostras, o teor de MS será de 32,7%. Essa seria a média “real” desse painel. A partir do momento que diminuímos o número de coletas, o erro vai aumentando. Veja abaixo o gráfico que correlaciona o erro em relação a média real, para o teor de MS, FDN e amido.

Gráfico 1. Erro esperado em relação a média real de acordo com o número de pontos de amostragem no painel para teor de MS, FDN e amido.


 

Como podemos observar, ao aumentarmos o número de pontos de amostragem, inicialmente o erro cai drasticamente, mas a partir de oito a dez pontos, os ganhos são reduzidos. Se considerarmos dez amostras por exemplo, o erro seria de +/- 2 unidades percentuais para MS. Para termos um erro de +/- 1 unidade, deveríamos amostrar cerca de 28 quadrantes.

Se avaliarmos o comportamento do FDN e do amido, o gráfico indica também um ganho “ótimo” ao redor de 10 amostras, com erros de +/- 2 e 1,5 unidades, respectivamente.

A definição do número de porções coletadas, passa então pela definição de qual será o erro aceitável. Quanto maior o número de coletas, menor será o erro. Tenha claro qual o nível de confiança pretende obter nos resultados e defina a intensidade de coleta.

Seguiremos adiante com novos estudos em amostragem, sempre com o objetivo de gerar informações precisas para tomada de decisão.

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDUARDO NABUCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS

EM 07/01/2018

Ótimo estudo, mas inaplicável na prática. Quando abrimos o silo nos deparamos com uma "parede" de silagem, passando a retirar determinada quantidade para o consumo diário dos animais. Ocorre que, como não adianta pegar a amostra dessa parte visível, e é impossível destampar o silo inteiro, ou seja, tirar toda a lona para colher as amostras necessárias para uma análise correta, ou mesmo fazer vários furos na loja para o mesmo fim, pois correriamos o disco de entrada de ar, não temos como saber a qualidade de nossa silagem, já que qualquer outro tipo de coleta forneceria resultado duvidoso. Abraços.
HENRIQUE COSTA FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 07/01/2018

Excelente! Parabéns pelo artigo e clareza nas informações.
EDUARDO LIVRAMENTO

EM 05/01/2018

Excelente reportagem. Informações e pesquisas com dados seguros tornam o erros menos frequentes e a confiabilidade na informação maior.
CLÓVIS RIBEIRO GUIMARÃES

PAPAGAIOS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/01/2018

Excelente texto. Experimento muito prático e bem feito, gerando um material de ótima aplicabilidade no campo!
SILVIO DE PAULA MELLO

ITUVERAVA - SÃO PAULO

EM 05/01/2018

Material muito bom para ser utilizado no campo. Parabéns à equipe que elaborou o artigo.