FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Impacto do fotoperíodo associado ao BST na produção de leite

POR COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

COWTECH

EM 02/02/2001

0
0
João Paulo V. Alves dos Santos

De acordo com diversos estudos e resultados de pesquisas já amplamente divulgados no meio acadêmico, o uso do BST aumenta a produção de leite.

Recentemente uma nova prática de manejo, visando aumento no desempenho produtivo dos animais, vem sendo adotada por diversos produtores: a utilização de iluminação artificial em épocas do ano em que a luminosidade diminui. Pesquisas realizadas nos EUA, Canadá e Inglaterra têm confirmado resultados semelhantes. De acordo com as mesmas, animais submetidos a dias mais longos produzem cerca de 2,3 litros a mais por dia que vacas em regime de fotoperíodo natural. Atualmente, pesquisadores do mundo todo estão centrando suas atenções para o resultado de experimentos envolvendo o uso de BST, três ordenhas diárias e fornecimento extra de luz. Um recente estudo publicado demonstrou que a combinação da utilização de dias mais longos com uso de BST gerou incrementos significativos na produção de leite. A produção de leite de 40 animais foi comparada de acordo com os seguintes tratamentos:

* fotoperíodo natural (controle)
* fotoperíodo natural + BST
* fornecimento de luz suplementar (dias longos)
* fornecimento de luz suplementar (dias longos) + BST

Os resultados obtidos demonstraram que a produção de leite foi 2,0 litros superior no caso do tratamento de fotoperíodo natural + BST comparado com apenas fotoperíodo natural. O maior ganho apresentado em relação às vacas em condições normais (fotoperíodo natural) foi obtido com os animais que receberam luz suplementar (dias longos) + BST, havendo um aumento na produção total de aproximadamente 8,0 litros por dia contra 5,7 litros comparando-se o fotoperíodo natural X fotoperíodo natural +BST.

A tabela a seguir, resume alguns dados experimentais.

Tabela 1. Produção de Leite e Consumo de MS de vacas com ou sem uso de BST (por 140 dias)

Tabela 1


Uma observação interessante é que a maior produção de leite com BST não refletiu em maior consumo de MS (especialmente na iluminação natural), apesar do experimento ter durado 140 dias. Espera-se normalmente que o aumento da produção de leite em função do BST acarrete em aumento do consumo de MS, principalmente a partir de 6 semanas após o início do fornecimento. Já no caso do fornecimento da luz suplementar, houve aumento do consumo.

Recentemente, um outro trabalho, abordou a suplementação de luz com uso de BST + utilização de três ordenhas diárias, apresentando resultados positivos diante dos tratamentos testemunhas. De acordo com os especialistas, a tendência futura é a união destes três últimos fatores como prática de manejo para aumentar a produção. Detalhes, porém, não podem ser esquecidos. De acordo com os mesmos, o fornecimento excessivo de luz é prejudicial, sendo necessárias seis horas diárias de escuridão aos animais.

Vacas secas:

Com relação a vacas secas, o contrário se aplica, ou seja, a recomendação para animais secos é a utilização de dias curtos. Um experimento envolvendo 34 animais realizou dois tipos de tratamento em vacas que foram secas:

* dias curtos (8 horas de luz 16 horas de escuro)
* dias longos (16 horas de luz e 8 horas de escuro)

A tabela a seguir resume o resultado da pesquisa:

Tabela 2. Níveis de Prolactina no parto e produção de leite durante os 4 meses seguintes ao tratamento de luz durante o período seco

Tabela 2


O aumento da produção de leite devido à exposição de luz está relacionado ao sistema endócrino do animal, estimulando a produção de prolactina, hormônio responsável pelo início da lactação no parto e também a manutenção da mesma. Sabe-se que a concentração de prolactina aumenta no momento do parto, sendo esperada resposta positiva no caso do tratamento com dias longos, o que não ocorreu. Segundo os pesquisadores, tal reversão de comportamento deve estar associada a algum mecanismo que torna a vaca seca imune a exposição de um padrão de luz constante. Ao contrário, quando se trabalha com dias curtos, ao se reverter para luminosidade normal a partir do parto, seria como se um gatilho alavancasse a produção de leite. Tal padrão de comportamento retratado durante a pesquisa coincide com o que foi observado na natureza, ou seja, animais que tiveram parto após período seco com dias longos (verão), apresentaram menor produção de leite.

Comentário MilkPoint: as informações acima obviamente se aplicam a situações em que o manejo nutricional do rebanho é bastante apurado e em casos onde há a possibilidade de manutenção de condições ambientais controladas em patamares desejados. Todavia, devemos destacar o detalhamento do manejo visando maiores produções e conseqüente possibilidade de melhoria na lucratividade da propriedade. Certamente pesquisas envolvendo a influencia do fotoperíodo, na produção de leite, devem ser mais estudadas e detalhadas. No Sudeste e Sul do Brasil, no inverno e parte da primeira e do outono, em animais confinados, o impacto do fotoperíodo merece ser avaliado.

********


fonte: Hoard’s Dairyman, janeiro 2001

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

Espaço para artigos e debates técnicos expostos por especialistas e equipe de consultores.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.