FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Desafio COWTECH: Imagem para reflexão e discussão sobre manejo

POR COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

COWTECH

EM 31/07/2014

47
0
Na semana passada estivemos visitando algumas propriedades. Caminhando em pastagem nos deparamos com este cenário (que nos chamou muito a atenção). O piquete era relativamente amplo e aparentemente sem muitos animais e o local da foto não é uma área de malhadouro ou concentração de animais.

Que conclusão podemos tirar em poucos segundos?

 

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

Espaço para artigos e debates técnicos expostos por especialistas e equipe de consultores.

47

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JEAN CARLOS JOSÉ VITOR

BARRA DE SÃO FRANCISCO - ESPÍRITO SANTO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/10/2014

muito boa a discussão, continue assim isso só enriquece nosso conhecimento..
IVAN VIOLIN

LEME - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 12/08/2014

Prezado dr Amantino, grato pelas informações. Agradeço a todos as numerosas informações compartilhadas. Verdadeiras aulas.
SIDNEY

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/08/2014

Gostei da solução que apresentaram, principalmente, por considerar o produtor.
Claro que tem outras coisas para fazer. Eu sou prova do que disseram sobre uso da tecnologia.
Coloquei mombaça em uma área e irriguei. Como não tive colaboração das pessoas que cuidam pra mim, acabei com o pasto. Hoje, to reiniciando.
foi do mesmo jeito quando implantei a ordenha mecânica balde ao pé. Me falaram que eu poderia vender todas as minhas vacas pois "nenhuma é de ordenha".
Hoje, depois de 6 meses de implantação as vacas entram no tronco só pelo chamado, não são peadas e saem de ré. Todas maravilhosamente educadas.
AFONSO VOLTAN

JALES - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/08/2014

Gostaria de comentar que sou totalmente favorável a iniciar os projetos de piquetes com lotação rotacionada com o capim existente na propriedade (desde a pastagem esteja com mais de 80% do capim desejado, como é o presente caso), mas como a pastagem é de brachiária decumbens há de se ficar atendo ao ataque de cigarrinhas, se a região for susceptível à elas. Já vi muitos piquetes deste capim, produtivos e bem manejados, completamente "queimados" pelas cigarrinhas. Portanto, cuidado!
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/08/2014

Prezados participantes do debate:

Como prometido, vamos evoluir nossa conversa, após vários comentários enriquecedores sobre o caso. Nas últimas colocações foi abordada a questão da água. De fato poderia ser um problema mas os animais têm acesso e oferta, sem problemas (apenas para complementar a informação).

Nosso diagnóstico foi explanado em comentário anterior. Partiremos para o campo: recomendações. Ninguém se preocupou em perguntar ou comentar sobre a natureza e objetivo da propriedade. Projeto de leite? Projeto de corte? Pastejo para recria? Para animais em produção? São informações importantes, para decidir. Que rebanho está consumindo essa forragem? Animais mestiços? Animais puros? Especializados (mestiços ou puros selecionados)? Enfim, não há condições neste espaço, claro, de montarmos um "projeto como completo", com todas as informações e detalhes. Então vamos ao essencial.

O projeto será para produção de leite a pasto. Pela fertilidade do solo, enxergamos no futuro chance de mudar a forrageira. Pelo recurso escasso do produtor, inicialmente, propomos melhoria da V% (correção) e piqueteamento. Os animais presentes na propriedade não são especializados e serão vendidos, sendo substituídos por menos animais, mestiços, de qualidade. Aspectos sanitários serão observados na compra (exames de brucelose, tuberculose). Para vacas em lactação, cuidados com saúde da glândula mamária serão considerados.

Inicialmente, focaremos na estruturação da propriedade, como um todo. Trabalharemos com pastejo rotacionado de Brachiaria decumbens, mesmo. Nosso objetivo é realizar um bom manejo, com baixo custo e com baixa lotação, para paulatinamente e, a medida que o pacote tecnológico for absorvido e bem conduzido, iremos aumentar a lotação (intensificação do manejo de pastagem, com adubação). O produtor não tem experiência em pastejo rotacionado. Não vamos propor começar um trabalho com reforma de pastagem ou uso de forrageiras de alta produtividade (como sugerido por muitos). Neste caso, particular, consideramos essa medida um erro. Em pastagens mais exigentes e produtivas (exemplo, mombaça) erros de manejo são mais fáceis de acontecer e mais difíceis de se corrigir (pelo hábito de crescimento da planta). Designaremos uma parte da área para produção de volumoso suplementar durante o inverno (quando animais serão confinados).

A proposta inicial é trabalhar com baixa inclusão de concentrado, sendo este fornecido no verão, na saída da ordenha (e mineralização "forçada", obviamente). A recria será criada em regime de confinamento. No inverno não nos preocuparemos com as pastagens e focaremos nossa produção no confinamento.

Essa é uma linha de trabalho que consideramos adequada, o que não impede que outra conduta ou proposta venha a funcionar. Em tempos de baixa qualificação de m. de obra e escassez de profissionais capacitados, devemos ir com calma, sempre.

Abraço à todos!

CIRO ARAUJO

GOIÂNIA - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 08/08/2014

Salve!

Sei que cheguei um pouco atrasado, mas gostaria de saber se minha avaliação estaria "certa" e minhas recomendações têm fundamento.

Algumas fezes estão petrificando. - Se possível colocar "minhocas e besouro rola bosta" e recolher as vezes para depois repor através de fertirrigação ou húmus sobre o capim. Também apresenta um excesso de fezes, possivelmente seja um capim muito fibroso (pouca MS).

O "capim" está super pastejado e verificar se o recomendado para a região. - Rotacionar o piquete, ou piquetear, considerar a lotação conforme a estação do ano e incidência luminosa 95% (dia de descanso) e a quantidade de dias que os animais ficam no piquete.

Não vi árvores. Se possível sombrear com algumas árvores no sentido Norte - Sul e que as árvores escolhidas tenham a copa difusa (sombra que permite a entrada de luz).

Recomendo adubar (solicite as recomendações de um agrônomo) e se possível irrigar.
LUIS ANTONIO DOS ANJOS

OLHO D'AGUA DAS FLORES - ALAGOAS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/08/2014

Os animais estão com dificuldades de acesso à agua
SIDNEY

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/08/2014

Poderíamos, agora, fazer um resumo das colocações, e talvez uma fundamentação para as principais afirmações.
LUIS ANTONIO DOS ANJOS

OLHO D'AGUA DAS FLORES - ALAGOAS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/08/2014

O gado tá com dificuldades de acesso à agua
ANDRE PINTO CORREIA GOMES

EUNÁPOLIS - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/08/2014

parece-me que houve um superpastejo, com retirada do gado baseada na antiga filosofia mineira de não se perder pasto.
ROBERTO DE ANDRADE BORDIN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 08/08/2014

Olá na minha visão um pasto com pouca oferta em massa e nutrientes (INVERNO e MANEJO)...e conforme exposto com pouca lotação mas com pastejo para efetuar busca de alimento muito intenso, os animais andam muito para obter o alimento (dispersão de montes de fezes). Mas como cada caso é um caso, outras informações nos ajudam a tirar melhores observações para futuras conclusões.

abs e obrigado.
DAVI PINZ EINHARDT

RIO GRANDE - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/08/2014

eu,acredito que são colocados os animais todos os dias no mesmo piquete,por varios dias,por não ter outra pastagem.
JOÃO KURTZ AMANTINO

PASSO FUNDO - RIO GRANDE DO SUL

EM 08/08/2014

Parabens pela idéia. A melhor e mais inteligente para despertar o raciocinio que vi.
Não consegui ler todas as opiniões e meu conhecimento sobre brachiaria restringe-se ao Papuã , brachiaria considerada inso que ocorre aqui no Sul, extremamente importante na alimentação de minhas vacas leiteiras no verão pela alta palatabilidade, rebrote vigoroso e excelente composição bromatológica (proteína) mesmo em estadio avançado de desenvolvimeto (45 cm de altura e sementando c/ 20%de proteína em base seca) desde que tenha alta fertilidade e umidade do solo.
A foto em questão me lembra muito os campos de barba-de-bode do Planalto Médio gaúcho após as geadas de inverno na decada de 1960 em que o pasto ruim (degradado???...) não era capaz de suportar nem uma cabeça por alqueire, - gado magro, quase morrendo e estercando fezes que mumificam não contribuindo para o melhoramento de solo e com animais perdendo peso.
No entanto a foto parece mostrar um pasto verde que não consegue crescer por falta de repouso e excesso de pastoreio.
Começaria a administrar sal proteinado para que os animais aproveitem melhor a fibra, ganhem peso estercando em forma de torta, adequaria a lotação e dividiria a pastagem conforme orientação de André Voisin para que não haja repastoreio do rebrote buscando dar oportunidade que o pasto consiga se desenvolver, em descanso. Se a fertilidade for alta seria oportuno analisar possibilidade de irrigação, introduzir besouros vira-bosta, suspender o uso de ivermectinas para favorecer a vida do solo que parece estar morto.
O bovino é um BIODIGESTOR ambulante e o melhor e maior melhorador de solo que existe, ......quando bem manejado.
Para terminar citarei trabalho da Universidade de Goiás que afirma que: "Um solo com alta lotação de animais (que parece o caso) bem manejado, permite uma maior infitração da água da chuva e penetração das raízes no solo do que uma floresta..."
Att
Amantino
GABRIEL EDUARDO PREILIPPER

AGROLÂNDIA - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 08/08/2014

Pra mim isto é só uma coisa alta lotação de vacas em pastejo na área porque nem onde as vacas defecaram que seria um lugar onde elas não iriam pastejar está rapado, se tivessem escolha e sobras na pastagem teria manchas mais altas da gramínea em redor dos montes de esterco
JOSÉ A. C. LANÇANOVA

IBIPORÃ - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 01/08/2014

Inicialmente a foto "aparenta" falta de comida e muito animal na área.
Mas há controvérsias, como bem citado pelo autor.
Não sei onde foi tirada essa foto, mas nessa época do ano (frio e/ou seca) dificilmente podemos esperar mais dessa pastagem. Se for frio ou seco a braquiaria não cresce, e ela aparenta um pouco seca ou queimada e algumas folhinhas verde. Normal. O autor relata seca.

Porém, estes animais devem estar sendo suplementados com algum tipo de alimento.

Penso que com essa fertilidade e aplicando nitrogênio, na época das águas o pasto vai crescer bastante. Pela fertilidade parece até uma área derivada da agricultura, ou parte dela.
A produção de forragem no verão deve ter sido alta e com isso a oferta também e mais animais anteriormente. As fezes não são todas de agora.

Creio não ser o caso, mas os adeptos do pastoreio rotacionado Voisin usam muitos animais numa área menor, por 01 dia, e com isso alta concentração de fezes.
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/08/2014

Prezados participantes,

Vamos a algumas considerações e colocações mediante o que foi exposto até o momento via comentários, acima. Fazendo uma revisão, tivemos colocações diversas. Isso é muito interessante e reflexo do perfil heterogêneo dos participantes. Técnicos, produtores, consultores, pesquisadores. Cabeças diferentes, abordando a questão de maneiras diferentes.

Imaginem, os senhores, se o produtor da fazenda em questão ouvisse um depoimento ou opinião de cada membro deste fórum. Ficaria difícil do mesmo tomar uma decisão ou acatar uma orientação. Faço essa consideração pois essa realidade é uma síntese do que, na prática, o pecuarista de leite enfrenta no dia-a-dia, quando sai em busca de orientação e ajuda.

De forma resumida, sugestões ou opiniões foram dadas como:

- triturar esterco e incorporar ao solo
- classificação como um "um negócio que não anda bem, financeiramente"
- fezes ressecadas e falta de proteína
- necessidade de venda de animais para reduzir lotação
- necessidade de se fechar o gado e oferecer trato no cocho
- gradagem, semeadura e reforma da pastagem

De uma modo geral, a maioria do grupo manifestou opinião sobre a lotação, fazendo alusão à alta taxa de lotação como principal agente causador do problema e necessidade urgente de divisão e rotação dos piquetes...

Considerações da COWTECH:

Quando visitamos uma propriedade é necessário avaliar cada caso de maneira criteriosa, reunindo o máximo de informações e fazendo um cruzamento destas com o momento em que estamos passando: SECA. Estamos com uma estiagem bastante prolongada e que contou com períodos de estiagem (veranicos) intensos durante as águas. A safra 2013-2014 foi ruim de chuva (e essa propriedade está no estado de SP). Costumo dizer aos nossos clientes que "se quisermos matar uma pastagem vamos isso acontece durante o verão, quando a planta está metabolicamente falando, bem ativa".

Essa situação é corriqueira, nessa época do ano e o principal motivo de veicularmos essa foto foi chamar atenção para uma questão que transcende o diagnóstico da foto em si, que é a falta de planejamento estratégico em relação à oferta de volumoso da fazenda. Em função da baixa qualidade, os animais estão com baixo escore corporal e estão conseguindo buscar alimento e encher o trato digestivo, através de pastejo "de ponta" ou rebrota. O gado anda bastante para encontrar e consumir a matéria seca desejada e acaba encontrando, por baixa lotação. O pasto não está mais vigoroso, apesar da baixa lotação e boa fertilidade, provavelmente pela falta de chuva em diferentes momentos e possivelmente por sofrer superlotação em momentos importantes durante o verão via pastejo contínuo (sem rotação).

Dentre os comentários, destaco a avaliação do Juliano Bérgamo Ronda, que frisou a questão da seleção. A pastagem predominante é a B. decumbens, mas existem áreas mais degradadas, ocupadas por grama batatais.

Futuramente, faremos colocações sobre recomendações para este cliente.

Abraços!
ELOISIO FERNANDES

GOVERNADOR VALADARES - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/08/2014

ta faltando o bezouro rola bosta para fazer a imcorporaçao dessa materia organica ao solo.
D. BARONE NETO

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/08/2014

o piquete pode ser grande e sem divisões.. o gado recebe o suplemento no cocho e é solto nesse piquete todos os dias...
Faria divisões para dar tempo do pasto recuperar... e implementar o rotacionamento... como a lotação é baixa, melhor ter piquetes menores...
ALAN DHAN

PIUÍ - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 01/08/2014

Bom, o alto índice de defecação pode ter ocorrido proveniente de alguma anomalia do TGI (trato gastrointestinal), provavelmente devido à falta de ureia no cocho para um bom controle da flora bacteriana ruminal, quando que com a ureia a fibra chega ao rumem e ela é fermentada e absorvida adequadamente devido ao alto índice de organismos neste local. O alto índice de defecação mostra que o TGI não está sendo eficiente.
JOSÉ ITAMAR DE ALMEIDA

CAMPO BELO - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/08/2014

Todas as conclusões citadas podem ter suas razões, mas acredito que neste caso a hipótese que vem ao ver a foto, mostra que este piquete devera ter o formato tipo Linguiça, ou seja o comprimento desproporcional com relação a largura. Na foto não mostra, mas podemos acrescentar distância da área de conforto.