FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Análise comparativa entre sistemas de produção de leite a pasto no Estado de São Paulo

POR COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

COWTECH

EM 16/02/2001

0
1
João Paulo V. Alves dos Santos

No atual momento da pecuária leiteira nacional, a avaliação de diferentes sistemas de produção quanto à viabilidade econômica é um importante tema, merecendo destaque nesta coluna.

O objetivo de cada produtor, qualquer que seja o processo de intensificação, deve ser sempre melhorar a eficiência, reduzindo os custos da exploração, o que é obtido mediante o melhor uso dos recursos técnicos, administrativos e financeiros.

Recentemente foi publicado um estudo de pesquisadores brasileiros com o objetivo de avaliar os índices produtivos, produção e viabilidade econômica de sistemas de produção de leite, com características semelhantes. Para tal, foram selecionadas quatro propriedades nos moldes do sistema de produção de leite da EMBRAPA-CPPSE (São Carlos-SP), esta também fazendo parte da pesquisa. Dentre as propriedades particulares, duas encontram-se na região de São Carlos-SP e uma na região de São João da Boa Vista-SP. As quatro fazendas utilizaram, durante a pesquisa, o mesmo sistema de produção, ou seja, pastejo intensivo no verão como única fonte de volumoso e suplementação no inverno com silagem de milho, todas elas produzindo leite tipo B (com rebanho mestiço holandês-zebú, acima do grau sanguíneo 7/8). Cuidados especiais também foram tomados, visando a maior semelhança possível nos quesitos: topografia, fertilidade do solo, maquinário, instalações e mão de obra disponível. A tabela 1, resume alguns resultados:

Tabela 1. Índices zootécnicos nos quatro sistemas produtores de leite tipo B no Estado de São Paulo (dados referentes ao período de 1995 a 1996)

Tabela 1


Os índices zootécnicos da tabela acima serviram como base para cálculo de índices produtivos e econômicos gerando os indicadores da pesquisa coletados de maio de 1995 a abril de 1996. Vale observar que, para todas as fazendas, foi adotado um descarte de 20% ao ano (50% abate e 50% pra produção). A tabela 2 demonstra os resultados principais em relação à produção e produtividade dos sistemas.

Tabela 2. Produção e produtividade de quatro empresas produtoras de leite no Estado de São Paulo

Tabela 2


Os custos médios por litro de leite, dos quatro sistemas são apresentados, a seguir, na tabela 3:

Tabela 3. Custos(R$) médios de produção por litro de leite de quatro empresas produtoras de leite do Estado de São Paulo

Tabela 3



Tabela 4. Taxas anuais de remuneração (%) do capital de quatro empresas produtoras de leite do Estado de São Paulo

Tabela 4


Podemos observar as tabelas acima e verificar que os índices produtivos entre os sistemas não apresentaram muitas variações entre si, exceto animais em lactação, produtividade por área e lotação animal. À exceção do sistema 1, os demais produziam quantidade semelhante de leite por dia. O sistema 4 apresentou uma taxa de lotação próxima ao sistema 1, porém seus índices zootécnicos e produtivos foram os piores, além de menor volume de produção, comprometendo a sua eficiência econômica. De maneira geral, as propriedades cobriram os custos com capital circulante, estando acima do valor da caderneta de poupança de 6% ao ano, conforme observamos na tabela 4, acima. O mesmo não podemos dizer com relação à remuneração do patrimônio capital sem terra, em que os sistemas 2 e 4 apresentaram valores abaixo da rentabilidade da poupança. De acordo com os pesquisadores, isso significa uma maior dificuldade de reposição do capital imobilizado em máquinas, benfeitorias e forrageiras não anuais, por parte destas duas últimas fazendas (ao final da vida útil). Com relação à remuneração do capital com terra, além dos sistemas 2 e 4, encontramos o 3 com um valor abaixo do desejado. Em outras palavras, o lucro obtido não foi suficiente para remunerar o imobilizado com terra.

Comentário MilkPoint: é necessário que ocorram mudanças em termos de eficiência técnica e conseqüentemente econômica principalmente nos sistemas 2, 3 e 4, embora o sistema 1 apresente produção por área abaixo do potencial para forrageiras tropicais. Caso não haja melhoria na eficiência dos mesmos, seria mais interessante a realização da aplicação de seus recursos disponíveis no mercado financeiro, segundo os idealizadores da pesquisa.

Um outro ponto a ser comentado é que os dados foram obtidos em 1995 e 1996, quando o real valia mais do que o dólar. De lá para cá, os custos em real subiram consideravelmente, de forma que, mantidos os mesmos níveis zootécnicos, a situação hoje seria ainda pior. Trabalhos deste tipo geram informações importantes, que auxiliam na tomada de decisão e na definição dos sistemas de produção para a região sudeste.


********


fonte: Eli Antônio Schiffler, Antônio Bento Mâncio, Sebastião Teixeira Gomes, Augusto César de Queiroz. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, volume 28, número 2, 1999

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

Espaço para artigos e debates técnicos expostos por especialistas e equipe de consultores.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.