FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Vaca Prenhe ou Vazia? Você já imaginou responder a esta pergunta com uma amostra de leite?

Laerte Dagher Cassoli
 
É evidente o quanto a ciência tem avançado, trazendo cada vez mais benefícios para a humanidade. No caso do leite não é diferente. Especialmente na área analítica, a cada ano, novas análises são desenvolvidas trazendo mais informação a partir de uma mesma amostra. Recentemente tive a oportunidade de realizar uma visita aos dois laboratórios de análise de leite na Inglaterra. É impressionante o que se faz a partir de uma amostra de leite, seja amostra de tanque, ou de animal individual.

Além das análises mais básicas como composição (gordura, proteína, ureia) e CCS, e que já fazemos aqui no Brasil, foram incorporados novos testes especialmente para a área de sanidade animal e reprodução. Por exemplo, testes no leite para monitoramento de brucelose, paratuberculose, BVD/IBR, neospora e ai por diante.

Um destes testes nos chamou a atenção que foi o teste de prenhez, lançado recentemente, mas que já vendo sendo utilizado por milhares de produtores de leite, em mais de 10 laboratório ao redor do mundo.

A partir do leite já é possível identificar se um animal está prenhe com 35 dias após a cobertura/inseminação. Não é fantástico? Neste artigo, vamos apresentar uma série de perguntas e respostas sobre esta nova ferramenta que já está a disposição de produtores e técnicos e que certamente irá auxiliar nos programas reprodutivos.

Qual o princípio do método?

É um teste para detectar glicoproteínas associadas a prenhez (GAP) presentes no leite. Quando a vaca fica prenhe, passa a produzir estas proteínas cuja concentração no leite aumenta no decorrer da gestação, como podemos observar no gráfico abaixo:



Figura 1 - Nível de proteína por dias em gestação

A partir de quantos dias em gestação o teste pode ser feito?

Estudos mostram que a partir do 35o dia já é possível identificar a prenhez, uma vez que a concentração das GAP já aparece em níveis mais elevados. Lembramos que o teste é valido somente para animais com mais de 60 dias pós parto, pois antes disso a concentração das GAP é elevada em função da gestão anterior. Como geralmente as fazendas trabalham com período voluntário de espera de 50 a 60 dias, este cenário dificilmente ocorre.

Novos estudos estão sendo desenvolvidos para validação do teste já com 28 dias. Em breve poderemos ter novidades.

Como deve ser a coleta da amostra de leite?

Deve ser utilizado o mesmo procedimento e material de coleta utilizado para amostra destinada as análises de CCS e composição.

Atenção especial deve ser dada para evitar a contaminação pelo amostrador de leite. Entre uma vaca e outra, certifique-se que o copo coletor foi totalmente drenado para que o resíduo de uma vaca não possa influenciar na amostra da vaca seguinte.

A amostra com o conservante bronopol, mesmo a temperatura ambiente, pode ser analisada em até 9 dias após a coleta sem impacto para o resultado de prenhez.

Como o resultado é expresso?

O teste de prenhez, baseado na técnica de ELISA, produz uma coloração cuja intensidade é medido por um leitor ótico específico. A intensidade desta coloração, por sua vez é proporcional a concentração das GAP. A interpretação desta leitura é feita em 3 diagnósticos, sendo eles: PRENHE, VAZIA e DÚVIDA. No caso do “DÚVIDA”, a concentração de GAP não foi suficientemente alta para considerar o animal prenhe, e nem baixa o suficiente para considerá-lo vazio. Neste caso sugere-se um novo diagnóstico após alguns dias.

O teste é 100% seguro?


Nenhum teste de diagnóstico é 100% seguro. No caso do teste de prenhez estudos demonstram uma sensibilidade de 98,8% e especificidade de 97,7%. Uma sensibilidade de 98,8% significa que existe chance de 1,2% de falsos “Negativo (Vazia)”. Uma especificidade de 97,7% significa que existe chance de 2,3% de falsos “Positivo (Prenhe)”. O desempenho do teste de GAP pode ser considerado semelhante ao de diagnóstico de palpação ou ultrasson, dependendo da idade gestacional.

É possível o teste acusar que a vaca está prenhe quando ela não está? Por que?

Sim, é possível. Eventualmente o animal estava gestando e apresentou um aborto precoce (perda embrionária). Por até 10 dias, a concentração de GAP ainda continuará elevada, com resultados “PRENHE” ou então “DÚVIDA”.

Pode ser utilizada amostra de sangue?

Não. O teste é específico para amostras de leite, sendo o grande diferencial pela facilidade de coleta de amostras.

Quais os benefícios do teste?


A confirmação da prenhez a partir de 35 dias, através da amostra de leite, e com alta confiabilidade (> 98%), certamente proporciona praticidade e eficiência ao processo de diagnóstico de gestação. Um programa reprodutivo somente terá sucesso se o processo de identificação de vacas vazias/prenhes for eficiente, e ações possam ser tomadas num curto espaço de tempo.

Para maiores informações sobre o P-CHECK (Teste de prenhez no leite), entre em contato com a nossa Central de Relacionamento pelo email gr@clinicadoleite.com.br ou pelo fone (19) 3422-3631

CLÍNICA DO LEITE

Vinculada à ESALQ/USP, a Clínica do Leite é uma instituição sem fins lucrativos que atua em gestão da pecuária de leite, por meio da geração de conhecimento e da formação de pessoas.

25

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARIA NILCE DE CARVALHO ALVES

LIBERDADE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/02/2015

Vivemos em um mundo de tecnologias, quem não acompanhar ficará perdido no espaço. Parabéns por buscar esta solução. Espero que chegue até o pequeno produtor.
PEDRO LUCAS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - MÉDICO VETERINÁRIO

EM 23/02/2015

Muito boa essa tecnologia, porém acho que não dever ser algo que fique em conta para todos produtores. É algo que com certeza tem muito a acrescentar, porém como disse o Tiago Diogenes, essa tecnologia deve ser usada com planejamento.
FRANCIELLE

ARACAJU - SERGIPE - ESTUDANTE

EM 09/12/2014

Francielle Dantas
Aracaju-Sergipe-Estudande em zootecnia
Parabéns pelo artigo exepicional trabalho...minha duvida é: - Em novilhas e vacas secas esse tipo de diagnostico não seria eficiente???? (Digo isso devido a estas categorias não estarem produzindo leite).
JOSÉ ROBERTO LAUAR PÊGO

CARLOS CHAGAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 09/12/2014

bom seria interessante se fosse feito na propriedade, ate fazer essa coleta mandar pra um laboratório e aguardar o resultado com o uso de ultrassonografia se faz o diagnostico com 30 dias e e instantâneo já podendo tomar decisões sobre a situação que o animal se encontra.
JOSÉ ITAMAR DE ALMEIDA

CAMPO BELO - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/11/2014

Muito interessante o uso desta tecnologia, vai facilitar o manejo reprodutivo, reduzindo os custos e melhorando a reprodução.
TIAGO NOGUEIRA DIOGENES

FORTALEZA - CEARÁ - ESTUDANTE

EM 21/10/2014

Muito boa a tecnologia, mas não podemos esquecer que o foco de um trabalho reprodutivo dentro de uma fazenda não são as vacas prenhes, mas sim as vacas que estão vazias. O que o produtor irá fazer com as vacas que deram vazias no teste? Por que essas vacas não estão gestantes? Diversas patologias reprodutivas podem acometer a fêmea bovina e determinar falhas reprodutivas: cistos ovarianos, infecções uterina, hipoplasia ovariana, aderência ovarianas, problemas de ciclicidade, entre outras patologias da reprodução. Qualquer tecnologia é muito bem vinda, desde que seja usada de forma consciente e planejada.
PAULO RICARDO F. MENDONÇA

BARRA DO GARÇAS - MATO GROSSO - ESTUDANTE

EM 21/10/2014

excelente projeto, fazendo que o produtor tenha mais renda produtiva, com isso o ganho de tempo para fazer um outra inseminação.
GUILHERME MARQUES BUSTAMANTE

SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/10/2014

Parabens, isto representa um grande avanço para a pecuaria nacional. T
JANDIR FAUSTO BOMBARDELLI

TOLEDO - PARANÁ - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 15/10/2014

Parabéns Laerte, por estar trazendo estas técnicas de reprodução para o Brasil, precisamos reduzir custos de produção, uma das maneiras de reduzir custo de produção eh melhorando a reprodução.
IVON CORREA

ANÁPOLIS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/10/2014

Excelente notícia. Espero que a UFGo implemente logo tais diagnósticos.
ADIR FAVA

MURIAÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/10/2014

Prezado Laerte,
Seu artigo traz uma significativa contribuição. Nós precisamos avançar muito no uso de novas soluções. O homem do campo precisa estar mais sintonizado e ter acesso aos avanços disponíveis. Deste modo, serão acessíveis avanços como este, permitindo reduzir custos e nos tornarmos mais competitiveis. Parabens pelo ótimo artigo.
CLÍNICA DO LEITE

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 14/10/2014

Boa noite,

Em resposta as dúvidas e perguntas, listo abaixo nossos comentários:

a) Em relação ao custo, estamos disponibilizando no link abaixo o folder do P-CHECK, com esta informação:

https://www.dropbox.com/s/vfmj55uc3erma19/FOLDER_V12.pdf?dl=0

b) Em relação a coleta/amostragem, como mencionamos, a análise pode ser feita na própria amostra que já é encaminhada para CCS/Composição (amostra com conservante bronopol). Estudo de validação indica que a amostra com bronopol, mesmo mantida a temperatura ambiente, pode ser analisada em até 9 dias após a coleta. Os interessados poderão enviar amostra somente para o P-CHECK, e neste caso seguir o procedimento de coleta adotado para as demais análises. A amostra pode ser enviada por transportadora, Correios (Sedex) ou então pelos pontos de apoio do ClinicaLog - Serviço de coleta de amostras (para quem já é usuário da Clínica, consulte os pontos de coleta de amostras disponíveis em nosso Portal).

c) Para quem tiver interesse em iniciar o uso desta ferramenta, entre em contato com a nossa Central de Relacionamento, através do email gr@clinicadoleite.com.br.

Saudações a todos,

Laerte







NATALINO CUISSI SOBRINHO

MATUPÁ - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 14/10/2014

Ótima ferramenta para teste de prenhez(P-CHECK) Posso encaminhar as amostras pelo correio,qual o custo do teste , tempo pela resposta,posso enviar de qualquer lugar do Brasil,que cuidados devo obedecer ?.
OLGA AMÉRICA FARIA BARBOSA

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/10/2014

Laerte , da Clínica do Leite.
Como podemos cadastrar produtores que tenham interesse nesta pesquisa?
Teste de prenhez atravez do exame do leite. Excelente! Mas precisamos ter isto bem perto de nós.
Obrigada.
Olga.
JOSÉ MARTINS SOBRINHO

EM 14/10/2014

muito bom. e o mas importante,com esta tecnologia fim de estresse para os animais,
JOSÉ MARTINS SOBRINHO

EM 14/10/2014

gostaria de saber as custas,por teste ou por animal,se pussivel , obrigado....
JOB CARNEIRO DE OLIVEIRA

ITAPAGIPE - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 14/10/2014

Ótimo....quero mais informações, como: como faço p/ fazer analise do meu rebanho leiteiro? Qual o custo? Para onde enviar, como enviar,...

Trabalho na empresa ASPERBRAS Alimentos Lacteos S/A.
Fone fixo (34) 3424-9100
Celular (34) 9655.0043
e-mail: job.oliveira@asperbras.com
FAIDER ALBERTO CASTAÑO VILLADIEGO

VIÇOSA - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 14/10/2014

Muito bom, Quanto é custo do analise por animal?
O maior problema é a perda embrionaria... Considero que precisa mas pesquisa em relação com este ponto.
Parabéns pelo artigo.
CINTHIA LEÃO

GOVERNADOR VALADARES - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/10/2014

Qual o valor do teste?
DIEGO FERNANDO BECKER

PANAMBI - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/10/2014

qual é o custo do teste? é viável em pequenas propriedades?