FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Organização do Negócio - Sistema de Informações

POR PAULO FERNANDO MACHADO

CLÍNICA DO LEITE/AGRO+LEAN

EM 12/11/2013

9 MIN DE LEITURA

7
0
 
Prof. Dr. Paulo F. Machado


Neste artigo discutiremos como definir os indicadores e suas metas. Além disso, mostraremos um sistema para coleta, armazenamento e processamento de dados para cálculo das metas e para diagnóstico de problemas quando as metas não são atingidas.

Os indicadores são o produto de um sistema de informações. Os indicadores servem para acompanhar se os protocolos estão corretos, se estão sendo cumpridos e, principalmente, se estamos atendendo as necessidades dos interessados no negócio. Isto significa que precisamos ter indicadores que mostrem se o negócio vai bem na perspectiva do proprietário (financeira), da indústria (qualidade do leite e volume), dos processos (zootécnicos) e das pessoas / funcionários (motivação) lembrando sempre que a meta final de qualquer negócio é obter lucro sustentável, competitivo com outras aplicações financeiras.

Para que os indicadores sejam calculados há necessidade de se coletar dados. Os dados podem ser agrupados em dados zootécnicos (data do parto, produção de leite, etc.), dados financeiros (gastos, inventário, etc.), dados ligados aos clientes e dados relacionados com os funcionários. Dado o grande número de indicadores que se pode ter na pecuária de leite, deve-se ter indicadores somente para aquilo que afete o resultado, ou seja, não se deve medir o que não for usado. Cada caso é um caso, cada fazenda deve definir quais são os seus indicadores e qual a frequência que eles devem ser medidos. Não importa o número de indicadores, o que de fato importa é a efetividade com que são utilizados. Eventualmente, pode-se ter apenas um único indicador, desde que este seja utilizado. O que ocorre na grande maioria das propriedades é que se têm centenas de indicadores, porém, estes não são utilizados.

Como indicadores ligados aos clientes (indústria) teríamos, por exemplo, a contagem de células somáticas, a contagem bacteriana, a porcentagem de gordura e proteína do leite, o volume de leite entregue e o número de ocorrências como presença de antibióticos. Como exemplo de indicadores financeiros teríamos o valor em R$ no caixa, o custo de produção, a margem líquida, o giro do capital e o retorno sobre o capital. Quanto aos indicadores de eficiência nos processos poderíamos ter o volume de leite por vaca em lactação, o pico e persistência de produção, a taxa de prenhes, a taxa de observação de cios e a de concepção, a prevalência de mastite subclínica, a taxa de novas infecções e a de curas, a ocorrência de doenças do peri-parto, o teor de ureia no leite, a taxa de acidose subclínica, a idade ao 1o. Parto, o ganho de peso das novilhas. Poderíamos, também, ter indicadores de verificação como o índice de sujidade de tetos, a taxa de ocupação de camas, o tamanho relativo de partículas da dieta, a porcentagem de carboidrato não estrutural na dieta das vacas, a porcentagem de sobras de alimentos, as perdas de estoque, etc. que, se não estivessem fora das metas, garantiriam o atingimento das metas de produção.

Deve-se ter indicadores somente para PO’s já feitos e implementados, pois, sem rotina, não é possível que se tenha segurança nos números e, portanto, não se saberá se os processos estão fora de controle.

Para o cálculo de todos estes indicadores é necessário dispor de um sistema de informações mais complexo. A Clínica do Leite desenvolveu um sistema – O Sistema Diagnose - com o objetivo de auxiliar o produtor a melhorar a gestão do seu negócio e garantir a sustentabilidade do mesmo, além de servir como banco de dados para pesquisas da Universidade de São Paulo.

O Sistema Diagnose de informações

A avaliação do desempenho da exploração leiteira somente se faz a partir da análise criteriosa e adequada dos dados obtidos na atividade.

Um sistema adequado deve levar em consideração as particularidades da pecuária leiteira como, por exemplo, o longo tempo de maturação de muitos eventos (idade de primeira cria); o perigo das médias (como exemplo pode-se citar o número de dias abertos das vacas - as vacas abertas por período longo superestimam os valores); a definição correta da população de risco (por exemplo a retirada de animais descartados dos cálculos reprodutivos); o cálculo de porcentagens quando se tem pequeno número de animais; entre outros.

Também, deve-se estar ciente que existe grande diferença entre o significado de dados e de informações. Dados são medidas coletadas, como produção de leite, ou determinadas, como contagem de células somáticas; enquanto que informações são os dados processados de maneira a servirem como base para ações.

É preciso lembrar que coeficientes não são informações. Coeficientes se tornam informações quando são significativamente diferentes de um padrão. Por exemplo, em um rebanho de 200 vacas em lactação, se ocorrerem 20 partos no mês, a taxa de retenção de placenta poderá variar entre 5% e 25% e não será considerada diferente do padrão de 15%. Haveria necessidade de esperarmos 03 meses e um total de 60 partos para que os limites, inferior e superior, fossem de 10% e 20%.

Esta visão de sistema de informação nos coloca frente a dois problemas. O primeiro é o de como definir o padrão. Pode-se usar valores médios da raça, do sistema de produção, da região, fisiológicos, etc. Nós, da Clínica do Leite, utilizamos padrões internos, ou seja selecionamos os animais dentro da própria exploração que servirão como modelo. Por exemplo, se quisermos saber o impacto do estresse térmico sobre a taxa de concepção, comparamos animais que pariram no verão com os que pariram no inverno.

Já o segundo problema, está no risco de ficarmos à mercê da estatística para se tomar decisões. É preciso ter conhecimento estatístico e biológico para saber quando interferir. Há situações quando não se deve fazer nenhuma análise para se tomar decisão. Por exemplo, a simples ocorrência de 01 caso de tuberculose é suficiente para que se tomem medidas imediatas, independentemente de cálculos. Também, quando estamos frente a um rebanho pequeno (menos do que 100 vacas em lactação) as análises estatísticas deixam de ser sensíveis. Neste caso deve-se observar o número de ocorrências e, com experiência, tomar as decisões.

Um erro frequente, também, é o de se ter muitas informações e pouca ação. Temos vivenciado nos últimos 10 anos grande número de produtores que se cercam de muitas informações mas que não tomam medidas para solucionar os problemas. É preciso estar ciente que informações não resolvem problemas. Ações resolvem problemas. As informações precisam ser transformadas em ações.

Estrutura básica do Sistema Diagnose de informação


O Sistema Diagnose é composto por 04 partes:

1- Sistema de coleta e armazenamento de dados;
2- Suporte de análises laboratoriais;
3- Sistema de processamento de dados;
4- Serviço de treinamento dos usuários.

1- O Sistema de coleta e armazenamento de dados zootécnicos utiliza o software Agenda. Os dados mínimos que devem ser coletados e armazenados são, produção de leite, data de coberturas e cios, data de diagnóstico de prenhez, data de secagem, data de parto, data de morte, data de descarte, análise de leite para gordura, proteína, ureia, contagem de células somáticas, peso e altura de novilhas, condição corporal de vacas à secagem, na 1a. cobertura, 06 a 12 dias após o parto e 50 a 70 dias após o parto.

De posse destes dados é possível obter informações administrativas, ou seja, selecionar animais por exceção para execução de tarefas como, observar cios, identificar animais doentes, animais a serem cobertos, animais para secar, animais que vão parir, animais para vacinar, animais para aplicar BST, animais para mudar de lote, animais para pesar, animais para palpar para diagnóstico de prenhes ou por problema reprodutivo ou para sincronizar cio. É possível, também, fazer relatórios personalizados selecionado os animais em função de qualquer dado coletado, como, por exemplo, animais que tiveram mastite clínica nos últimos 30 dias, de primeira cria, até 100 dias de parido, pela primeira vez.

2- O suporte de análises laboratoriais se refere às análises de gordura, proteína, lactose, sólidos totais, ureia, contagem de células somáticas e contagem bacteriana total. Elas podem ser realizadas nos laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura, que compõem a Rede Brasileira de Laboratórios de Análise do Leite (RBQL). A Clínica do Leite possui um destes laboratórios.

De posse das análises é possível avaliar a adequação das dietas dos animais, a ocorrência de mastite e a higiene e conservação do leite. A coleta das amostras para análise deve seguir normas estabelecidas que se encontram a disposição dos interessados no Portal Clínica (www.clinicadoleite.com.br).

3- O Sistema de processamento de dados utiliza o software Gerencial Zootécnico e Financeiro. Ele permite responder a questões do tipo:
- Tenho problemas na minha exploração?
- Onde estão os problemas?
- Qual o impacto dos problemas na eficiência do meu negócio?
- Qual a causa dos problemas?
- Como está o desempenho de meu negócio em comparação com outros rebanhos (benchmarking)?

Por exemplo, na figura abaixo podem ser observados os coeficientes zootécnicos de uma exploração leiteira onde a produção de leite esperada por matriz era de 28 kg e, no entanto, observou-se a produção de somente 25 kg. A pergunta que se faz é: Por que? Será que existem problemas no pico de produção dos animais, ou na persistência? E quanto ao número de vacas em lactação em relação ao de matrizes. Está normal? Se não está, as razões seriam devido a um problema reprodutivo? E, se for o caso, onde deveremos concentrar nossos esforços? Na observação do cio ou na fertilidade dos animais?

A análise da figura mostra que o problema não se relaciona com a produção dos animais, mas sim com a porcentagem de vacas em lactação que está baixa. Esta baixa porcentagem é devido à baixa taxa de concepção na primeira cobertura, visto que, nem a observação de cio, nem o número de dias do parto até a primeira cobertura, estão estatisticamente diferentes do esperado (em vermelho).



O trabalho, no entanto, ainda não acabou. Para que possamos melhorar o desempenho desta empresa é preciso identificar as causas da baixa taxa de concepção na primeira cobertura. Para tanto precisamos identificar os possíveis fatores que afetam este coeficiente e compará-los com padrões.

Na tabela abaixo este exercício é realizado. Os animais são separados em animais de primeira cria e os demais, e, são analisados os efeitos de diferentes fatores sobre a taxa de concepção. Observa-se que os coeficientes relacionados à condição corporal estão diferentes estatisticamente dos padrões (em vermelho). Os animais de primeira cria estão chegando magros ao parto e, os demais, não somente estão chegando magros, como também estão perdendo peso além do normal após o parto. Para solucionar o problema deve-se reavaliar as dietas no pré-parto, as instalações e o manejo na maternidade.



Legenda:

CC = Condição corporal
∆ CC = Diferença na condição corporal
MUN = Nitrogênio ureico no leite
P/G= relação entre teor de proteína e gordura



4- O treinamento dos usuários do sistema é realizado no curso MDA. Todo o trabalho exemplificado acima exige um treinamento adequado dos usuários para que possam utilizar, de maneira eficiente, todas as ferramentas de trabalho oferecidas pela Clínica do Leite. Para tanto, a Clínica oferece um programa de cursos presenciais onde todos estes aspectos são discutidos de maneira teórica e, também, prática, através de visitas à fazendas leiteiras. Este curso tem duração de 80 horas divididas em módulos que ocorrem a intervalos de 30 a 45 dias.

Pelo exposto observa-se que a implantação de um Sistema de Informações não é uma tarefa fácil. Há necessidade de se ter um bom sistema quanto à capacidade e facilidade de armazenamento e recuperação dos dados, bastante disciplina para mantê-lo atualizado e, além disso, saber fazer as perguntas certas para se conseguir as respostas adequadas. No entanto, dado à complexidade da pecuária de leite e suas baixas margens de lucro, ele é fundamental para o sucesso do negócio.





 

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS LOPES

BALDIM - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 10/11/2014

Sem dúvidas o estabelecimento de objetivos e metas alcançáveis, controle minucioso de custos e a organização do negócio como um todo, perfazem a chave que todos os produtores procuram para tornar seu negócio rentável e além de tudo obter dele a satisfação que sempre buscam. Graças a Deus, atualmente podemos dispor de assistência técnica que nos direcione e nos ajude a implantar de maneira eficaz esses controles, portanto cabe a cada produtor que quer viver satisfeito a atividade leiteira se empenhar na implantação e na busca de informações. Muito obrigado a todos que se empenham em realizar bem seu trabalho seja ele qual for!
PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 20/11/2013

Colegas,

Obrigado pelos comentários. Nós da Clínica do Leite temos trabalhado bastante para conseguirmos oferecer as informações necessárias, em tempo e com pequeno esforço para que o produtor, o gerente e o consultor tenham como melhorar o seu negócio. Não é tarefa fácil. É fundamental a participação de todos na forma de críticas e sugestões. Os cursos do MDA tem propiciado um excelente forum de discussões sobre o assunto, o que nos tem permitido melhorar sempre. Juntem-se a nós para termos uma pecuária de leite mais eficiente e rentável.
Grande abraço a todos,
Paulo
RENATO MARTINS MOREIRA

ANDRELÂNDIA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/11/2013

Bom dia!
Thiago sergio Andrade!
Você poderia disponibilizar suas planilhas seria muito util na minha propriedade,meu irmão é medico ai em são joão talvez vc conheça dr joão Ricardo.Caso poça enviar e-mail renatolaticinios@hotmail.com.abraços
CÁSSIO DE OLIVEIRA LEME

PARANAPANEMA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/11/2013

Caro prof Paulo, acho o MDA muito bom. Segue principios de Druker, Covey e outros. O que me aflige é como selecionar os colaboradores dentro dos princípios de caráter e honestidade, uma vez que minha formação é agronômica!
Abraço
GETÚLIO GONÇALVES

PLACIDO DE CASTRO - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 15/11/2013

Muito bom este artigo. No próximo ano entro na atividade leiteira. E artigos como este contribuirá muito para a gestão de qualidade o empreendimento. A eficiência no setor produtivo é fundamental. Para isso a gestão e o conhecimento tecnológico unidos é o par perfeito.
THIAGO SÉRGIO DE ANDRADE

SÃO JOÃO DEL REI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/11/2013

Muito bom trabalho. Sou zootecnista e produtor pequeno também.
Faço todo controle zootécnico , de qualidade, de retorno financeiro e alguns cálculos de ração por planilhas feitas por mim no excel.

Gostaria de participar dos cursos presenciais oferecidos pela clinica do leite, é possível?

Parabéns pelo trabalho
SIDNEY

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/11/2013

Eu estou maravilhado com este artigo. Fiquei muito contente em ver as ferramentas que podemos ter.
Como curiosidade incentivo alunos da área de automação para trabalhar vários aspectos da coleta de dados da propriedade e a utilização na tomada de decisão. Pena que sou pequeno, tenho somente 13 animais.
Quero entrar em contato para aprender mais sobre o assunto e quem sabe incorporar mais tecnologia. Já utilizo um sistema da embrapa para a coleta das informações e vou começar a planejar indicadores.
Muito obrigado pela contribuição.