ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Existe a necessidade de suspender o fornecimento do leite durante períodos de diarréia?

POR CARLA MARIS MACHADO BITTAR

E LUCAS SILVEIRA FERREIRA

CARLA BITTAR

EM 29/06/2009

7 MIN DE LEITURA

9
0
A escolha do melhor protocolo para alimentação de bezerras durante períodos de diarréia tem sido objeto de controvérsias. O ponto conflitante nesta situação está relacionado com a continuidade ou não do fornecimento de leite durante a convalescença.

Segundo alguns autores, o fornecimento de leite durante esta fase pode retardar a recuperação dos animais, por servir como substrato para a microflora nociva que se encontra no intestino durante a ocorrência da doença, aumentando ainda mais a sua população. Também, pode levar a ocorrência de fermentação de nutrientes não digeridos no intestino, levando a perda de fluidos por indução osmótica. Estas alegações, provavelmente, têm sua origem fundamentada na rápida queda na produção fecal observada quando o leite é removido da dieta durante esta situação.

Outros argumentos a favor da remoção do leite da dieta de bezerros diarréicos incluem uma acelerada recuperação das lesões da mucosa intestinal, redução na possibilidade de rápido crescimento de bactérias intestinais e imparidade normal da digestão e utilização do leite. Este último argumento pode ter mérito quando uma solução alcalina de reidratação oral (soro) é fornecida aos animais.

Por outro lado, as desvantagens da remoção de leite da dieta de bezerros durante períodos de diarréia incluem perda de peso e desnutrição protéico-energética, podendo comprometer a imunidade dos animais.

Dessa forma, Garthwaite et al. (1994) desenvolveram um ensaio experimental bastante interessante com o objetivo de testar os efeitos terapêuticos do fornecimento de uma solução de reidratação oral (soro) em conjunto ou não com três quantidades de leite para bezerros em aleitamento durante situação de diarréia espontânea.

Ensaio Experimental

Para este estudo foram utilizados quarenta e dois bezerros, com 10 dias em média de idade, sendo 29 fêmeas e 13 machos. Durante o experimento, quando diagnosticados com diarréia, estes animais eram tratados de acordo com um dos três tratamentos testados, variando na quantidade fornecida de leite integral e/ou solução de reidratação oral, conforme mostra a Tabela 1.



Todos os bezerros receberam colostro de alta qualidade (5% do PV) dentro de 30 minutos após o nascimento e colostro adicional (5% do PV) dentro de 6h após o nascimento. Os animais foram alojados em abrigos individuais com acesso a ração peletizada e água a vontade.

O Tratamento 1 representava um tradicional protocolo terapêutico para tratamento de diarréia em bezerros nos EUA, onde durante os 2 primeiros dias era fornecido somente com a solução de reidratação oral, seguida pela progressiva reintrodução do leite. O Tratamento 2 consistiu de remoção parcial do leite durante a terapia com a solução de reidratação oral, e no Tratamento 3, a solução de reidratação oral e o leite integral eram fornecidos durante todo o tratamento, em três refeições diárias, enquanto nos tratamentos 1 e 2 eram fornecidos em 2 refeições diárias, sendo o leite sempre oferecido inicialmente. É importante salientar que quando a solução de reidratação oral não era consumida de maneira voluntária, era utilizada uma sonda esofágica para garantir o fornecimento aos animais.

Uma escala de pontuação para as fezes de 1 a 5 foi adotada para todos os bezerros, sendo 5 a nota que representa a existência de diarréia. Os animais eram pesados sempre antes do inicio do tratamento e, posteriormente no 3º e 7º dia, para acompanhamento do peso vivo. Também foi realizada a cultura das bactérias presentes nas fezes, para determinar a existência de Salmonella e Escherichia coli, importantes causadoras de diarréias em bezerros durante as primeiras semanas de vida.

Resultados obtidos

Segundo os autores, não foram observados casos de morte entre os animais durante o experimento e todos se apresentavam recuperados da diarréia em até 7 dias de tratamento. Para os tratamentos 1 e 2, todos os animais apresentaram consumo de leite sem rejeição, e também não precisaram ser forçados a consumir a solução de reidratação oral via sonda esofágica. Entretanto, para o tratamento 3, 4 bezerros tiveram que ser alimentados com solução de reidratação oral via sonda esofágica durante pelo menos 1 dia de tratamento e houve a recusa de pelo menos uma parte do leite oferecido no primeiro dia por 7 bezerros (6 a 30% do total oferecido). No segundo dia de tratamento, 4 bezerros ainda recusaram parte do leite oferecido, entretanto esta recusa não continuou nos dias subsequentes de tratamento (3º ao 7º).

A Figura 1 mostra a evolução no peso vivo (PV) dos animais durante os dias de tratamento. Quando se compara os tratamentos, observa-se tendência (p=0,08) de menor peso para os animais do Tratamento 1.

Os bezerros do Tratamento 1 apresentaram uma perda líquida média de 1 kg de PV com 3 dias de terapia, apresentando uma perda de peso geral durante o tratamento todo, apesar de esboçarem um pequeno ganho de peso entre o 3º e 7º dia de tratamento. Os bezerros do Tratamento 2 apresentaram uma perda líquida de 0,2 kg de PV com 3 dias de terapia, recuperando o peso entre o 3º e 7º dia de tratamento. Diferente dos anteriores, os bezerros do Tratamento 3 apresentaram ganho de peso durante todo o período de terapia. Para os bezerros dos Tratamentos 1 e 2, a perda de peso, certamente, foi ocasionada pela perda de fluidos, tecido ou ambos.



Figura 1. Evolução do peso vivo em relação aos dias de tratamento de bezerras com diarréia sob diferentes tratamentos.

Uma parcela do escore fecal em relação aos dias de tratamento é mostrado na Figura 2. Não foram observados efeitos dos tratamentos no escore de avaliação das fezes com os dias de tratamento, mostrando que a continuidade no fornecimento de leite não agravou ou prolongou a incidência de diarréia.



Figura 2. Evolução do escore fecal em relação aos dias de tratamento de bezerras com diarréia sob diferentes tratamentos.

Os resultados das culturas fecais são mostrados na Tabela 2. Os agentes patogênicos foram isolados a partir de amostras colhidas no 1º, 3º e 7º dia de tratamento. Como podem ser observados, os resultados indicam que a suplementação de energia sob a forma de leite não foi prejudicial para a saúde dos bezerros com diarréia, pois não foi observada diferença na incidência de um ou outro organismo patogênico entre os tratamentos, sendo possivelmente o leite responsável por favorecer a recuperação mais precoce dos animais.

Tabela 2. Organismos patogênicos isolados a partir das fezes dos bezerros.



Conclusões

Os resultados deste trabalho de pesquisa mostraram que quando os animais foram alimentados com leite durante o período de tratamento para diarréia, esta não foi prolongada ou piorada. Também, mostrou que os bezerros foram capazes de utilizar o leite durante a diarréia e ganharam mais peso quando alimentados com a quantidade de leite normalmente oferecida.

Portanto, os resultados mostraram que a manutenção de bezerros em uma dieta normal, com fornecimento de leite e acrescido de uma quantidade de uma solução de reidratação oral na quantia igual ou superior aos fluidos perdidos nas fezes parece ser o melhor método de escolha para terapia de suporte para bezerros acometidos com diarréia.

Também, é importante lembrar que os resultados e conclusões deste experimento são baseados em intervenção precoce no tratamento para diarréia de bezerros, não permitindo que nenhum animal apresentasse sinais de desidratação severa. Dessa forma, os resultados para o tratamento de diarréia em bezerros diagnosticados de forma mais tardia podem apresentar-se diferentes do encontrado neste trabalho.

Cabe salientar também que a terapia com o fornecimento de uma solução reidratante aos animais é primordial para o sucesso do tratamento, sendo todos os esforços direcionados à manutenção de fluidos e eletrólitos perdidos durante os períodos iniciais da diarréia.

Comentários
O trabalho mostra claramente a importância da continuidade do fornecimento da dieta líquida mesmo em animas em quadro de diarréia, associado ao fornecimento de soro ou solução de reidratação. No entanto, muitos produtores e técnicos têm adotado fórmulas de soros contendo açúcar comum (açúcar de mesa), esquecendo-se, entretanto, que o bezerro jovem não é capaz de digerir sacarose (frutose + glicose). O fornecimento de soro contendo açúcar comum pode muitas vezes piorar o quadro de diarréia, uma vez que este aumenta a pressão osmótica no intestino. O açúcar a ser adicionado na solução de eletrólitos deve ser a dextrose (glicose) de milho, o qual pode ser encontrado em farmácias (dextrosol) e até supermercados (Karo). Existem inúmeras fórmulas de preparo de solução de eletrólitos, sendo aqui apresentada uma formulação bastante simples.

Tabela 1. Fórmula para preparo de solução de eletrólitos simples.



O soro deve ser fornecido preferencialmente algumas horas depois do fornecimento do leite ou sucedâneo, sendo em algumas ocasiões necessário o fornecimento forçado utilizando-se a sonda esofagiana. O fornecimento do soro logo após o fornecimento do leite deve ser evitado, pois seus ingredientes podem prejudicar a formação do coágulo de caseína no abomaso, reduzindo a digestibilidade do leite e em alguns casos agravando a diarréia.


Referências

GARTHWAITE, B.D.; DRACKLEY, J.K.; McCOY, G.C.; JASTER, E.H. Whole milk and oral rehydration solution for calves with diarrhea of spontaneous origin. Journal of Dairy Science, v.77, p.835-843, 1994.

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

Prof. Do Depto. de Zootecnia, ESALQ/USP

LUCAS SILVEIRA FERREIRA

Engenheiro agronômo formado pela UFSCar e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ - USP na área de nutrição e avaliação de alimentos para bovinos. Atualmente exerce a função de Nutricionista de Ruminantes na Agroceres MMX Nutrição Animal

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS ROVANI

COQUEIROS DO SUL - RIO GRANDE DO SUL

EM 19/09/2011

Parabéns pelo artigo!! Gostaria de saber se esse protocolo pode ser usado em animais que estão na fase média a final do aleitamento, ou seria melhor apenas a alimentação com feno, agua a vontade, leite duas vezes ao dia e usar como tratamento de suporte probiótico em animais com diarreia??
GUSTAVO GUILHERME OLIVEIRA NÁPOLES

CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 21/09/2010

Excelente artigo! Solucionou minhas dúvidas! Parabéns!
DARIO DE JESUS LOPES

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/09/2009

Excelente informacao. Parabens
LUCAS SILVEIRA FERREIRA

LIMEIRA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 31/07/2009

Prezado Ranilson Vieira de Oliveira,

Os resultados deste trabalho mostram que o protocolo mais adequado para o tratamento de bezerras com diarréia consiste na continuidade no fornecimento de leite ou sucedâneo em quantidades normalmente oferecidas (protocolo 3), suplementado pelo fornecimento de uma solução de reidratação oral (soro), preferencialmente oferecida aos animais algumas horas após o aleitamento e durante o dia todo. O trabalho também mostra que o soro deve ser fornecido aos animais com redução gradativa na quantidade ao longo do tempo, assim que observado melhoria no estado de saúde dos animais.

Att.

Lucas Ferreira e Carla Bittar
RANILSON VIEIRA DE OLIVEIRA

JI-PARANÁ - RONDÔNIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/07/2009

Dentre os protocolos sugeridos, qual o que se consegue melhor resultado - diminuiçao da diarreia e menor perda de peso vivo?
RITA DE CÁSSIA FONSECA PESSOA

SÃO GONÇALO DO RIO ABAIXO - MINAS GERAIS

EM 24/07/2009

Parabéns. Seu artigo trata muito bem de assunto extremamente corriqueiro e responsável pela morte de tantos bezerros! Importante!
JOSE MARIA G. S. COSTA

BELÉM - PARÁ - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 14/07/2009

Artigos técnicos de suma importância como este merecem todos os elogios, pois além de esclarecerem detalhes clínicos nos orientam substancialmente em nossas atividades de campo diárias com pequenos produtores e agricultores familiares.
ANTONIO BARBOSA DE LIMA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/07/2009

Muito importante e esclarecedor este artigo, pois o mesmo nos tira muitas duvidas em relacao a se deve ou nao aleitar o bezerro quando esta com diarreia.
JEFFERSON R. GANDRA

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/07/2009

Parabéns pelo artigo muito esclarecedor, parabéns!!!!
MilkPoint AgriPoint