ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Microencapsulação de probióticos: a arte de embalar e desembalar

ADRIANE ELISABETE ANTUNES DE MORAES

EM 26/11/2015

2 MIN DE LEITURA

2
0
Um bom presente fica ainda mais atrativo quando envolvido por uma boa embalagem. Um bom alimento também. Mas não se enganem; hoje não vamos falar de embalagens de alimentos, mas sim da arte de embalar culturas probióticas em micropartículas para maximizar sua sobrevivência tanto durante a estocagem dos produtos como durante a digestão. Isso é possível porque a microencapsulação retém esses microrganismos em uma matriz capaz de protegê-los e possibilitar sua liberação em condições específicas.

Falando em embalar, existem diversas técnicas que podem ser empregadas. As principais usadas para “embalar” os probióticos são a extrusão, atomização, leito fluidizado, emulsão, coacervação, imobilização em gordura ou em grânulos de amido. Ou seja, existem opções múltiplas, mas é necessário fazer um estudo detalhado para escolher a melhor técnica, bem como o adequado material (ingrediente) empregado para elaborar as microcápsulas. Vale lembrar que a técnica de microencapsulação pode ser empregada para diversas finalidades, mas especificamente falando de probióticos é necessário a obtenção de “polímeros entéricos”, ou seja, que apresentem a propriedade de serem insolúveis em meio ácido e solúveis em meio neutro. Assim os probióticos dentro da embalagem ficam protegidos dos ácidos eventualmente presentes nos alimentos, bem como do ácido clorídrico durante sua passagem pelo estômago, sendo que a embalagem se abrirá apenas quando o pH for neutralizado no ambiente intestinal.

Mas de nada adianta uma boa embalagem, se ela não puder ser aberta. Afinal o que nos interessa é o recheio da partícula, ou seja, os probióticos. Assim é preciso estudar detalhadamente os mecanismos de liberação das culturas de dentro das micropartículas.

O custo da tecnologia de microencapsulação ter que compensar os investimentos. Uma embalagem mais cara do que o conteúdo envolvido parece um grande contrassenso. Para probióticos tem-se o agravante que essas culturas já apresentam um custo mais elevado do que demais culturas com caráter apenas tecnológico. Caso a microencapsulação tenha elevados custos é necessário avaliar se a sobredosagem dos probióticos não seria mais interessante, considerando que uma parte dessas culturas se perderá durante armazenamento do produto. A mesma lógica se aplica para o processo de digestão: uma parte dos probióticos se perderão no caminho, mas quanto maior a população de probióticos no alimento, maior o número que chegará viável ao intestino. Comparar custos de sobredosagem ou uso de microencapsulação é uma boa dica.

Não pode ser deixada de lado a análise sensorial do produto contendo microcápsulas. Algumas culturas probióticas podem liberar off-flavor no produto e microencapsular seria uma boa alternativa neste caso! Mas a própria micropartícula pode conferir alterações perceptíveis no produto, que pode ficar por exemplo arenoso. Outro ponto importante é verificar a dispersão das microcápsulas em se tratando de um produto líquido, como um leite fermentado. As micropartículas ficam em suspensão e são visíveis a olho nu? Isso é ruim ou pode ser um atrativo a mais? As microcápsulas conferem estabilidade térmica ao probiótico? Em quais condições de tempo e temperatura? Isso permitiria uma adição dos probióticos previamente ao tratamento térmico, já que essas culturas são sabidamente sensíveis ao calor?

Indiscutivelmente a microencapsulação é uma ferramenta com inúmeras potencialidades e aplicações e o futuro deverá trazer boas surpresas em interessantes embalagens.

Referências bibliográficas

FÁVARO-TRINDADE, C. S. Microencapsulação de Probióticos. In: SAAD, S. M. I.; CRUZ, A. G.; FARIA, J. A. F. Probióticos e Prebióticos em Alimentos, 2011. São Paulo: Varela, p.239-254.
 

ADRIANE ELISABETE ANTUNES DE MORAES

Docente da Faculdade de Ciências Aplicadas-FCA/UNICAMP. Graduação em Nutrição (UFPEL), Mestrado em Ciência e Tecnologia Agroindustrial (FAEM/UFPEL), Doutorado em Alimentos e Nutrição (FEA/UNICAMP), Pós Doutorado no TECNOLAT/ITAL.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADRIANE ELISABETE ANTUNES DE MORAES

LIMEIRA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 30/11/2015

Olá Sr. Maurício



Sim tenho muito interesse neste tema. Agradeço se puder me escrever.

adriane.antunes@fca.unicamp.br.



Cordialmente



Adriane
MAURICIO ESTELLER

INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 29/11/2015

Olá,



Tenho alguns projetos para estabilização térmica de enzimas que suportam tratamento UHT. Acredito que o mesmo possa ser utilizado manter  microrganismos ativos.

Podemos conversar se houver interesse.



https://br.linkedin.com/in/mauricioesteller



Mauricio Esteller

São Paulo/SP
MilkPoint AgriPoint