ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Atualização da legislação de alimentos probióticos/prebióticos: o que mudou?

ADRIANE ELISABETE ANTUNES DE MORAES

EM 19/10/2016

2 MIN DE LEITURA

0
2
A ciência é dinâmica e a legislação precisa acompanhar, mesmo que em sua velocidade própria. Recentemente observamos uma atualização importante na legislação de alimentos com propriedades funcionais, dentro da qual se inserem os probióticos e prebióticos.

A Gerência Geral de Alimentos (GGALI) optou por padronizar os textos de algumas alegações, porém criou a possibilidade de que as empresas solicitem a veiculação de alegações específicas, caso evidências científicas robustas deem suporte para o claim.

Para os prebióticos inulina e frutooligossacarídeos (também conhecidos como FOS) foi mantida a sugestão do emprego da seguinte alegação “Contribuem para o equilíbrio da flora intestinal. Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis”.

O claim para alimentos contendo probióticos era idêntico, mas agora a referida legislação não apresenta mais essa alegação padrão, conferindo “liberdade” para propostas de qual informação deve ser veiculada. Com certeza esse é um grande avanço conquistado, já que a cada dia surgem novas descobertas de inúmeras propriedades diferentes de saúde que podem ser atribuídas a linhagens probióticas específicas e engessar o claim seria mais ou menos como assumir que todas as linhagens têm o mesmo efeito para a saúde, o que se sabe que não é verdade! O que tem sido observado é que existem linhagens que podem estar mais relacionadas com combate à constipação, outras com estímulo ao sistema imune e assim por diante.

Também é digno de nota a queda da lista de 10 espécies de bactérias candidatas ao “status” de probióticas. Essa atualização é muito pertinente também! Isso porque não pode ser universalizado que um determinado gênero ou espécie será necessariamente probiótico(a), fazendo-se essencial a avaliação de cada cepa (ou linhagem) individualmente.

Foi incluída uma informação importante: é preciso ser informado o emprego de micro-organismo geneticamente modificado (OGM). Quanto à possibilidade de ser fazer emprego de culturas OGMs, adianto aos leitores que existe uma tendência mundial de se empregar culturas com longo histórico de consumo seguro e que não sejam OGMs.

Em relação à sobrevivência (ou viabilidade) dos probióticos, na solicitação de registro do produto deve ser apresentado laudo de análise que comprove a quantidade mínima viável do micro-organismo para exercer a propriedade funcional atribuída ao probiótico(s) adicionado. Essa viabilidade precisar ser mantida até o final do prazo de validade do produto e nas condições de uso, armazenamento e distribuição. Na versão anterior desta legislação havia a informação acerca da quantidade de células viáveis dos probióticos no alimento na recomendação diária do produto pronto para o consumo. Essa quantidade do probiótico foi “flexibilizada”, cabendo aos estudos apresentados apontarem qual a quantidade suficiente para o efeito de saúde pretendido.

Destaco outra inovação. No caso de produtos com mais de um micro-organismo ou de produtos que misturem fibras pré-bióticas com micro-organismos, a comprovação do efeito probiótico deve ser feita para a combinação dos componentes/ingredientes. Isso cria a possibilidade de serem desenvolvidos produtos “multifuncionais”. As atualizações desta legislação abrem um leque de boas possibilidades para indústria de alimentos. Hora de comemorar. Hora de inovar!

Por fim, prezados leitores, é importante dizer que esse texto faz parte da minha interpretação. Espero que na tentativa de tornar o texto mais atraente e menos cansativo eu não tenha escorregado com alguma interpretação imprecisa.

Referências bibliográficas 

ANVISA. Alimentos Com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde
http://portal.anvisa.gov.br/alimentos/alegacoes

 

ADRIANE ELISABETE ANTUNES DE MORAES

Docente da Faculdade de Ciências Aplicadas-FCA/UNICAMP. Graduação em Nutrição (UFPEL), Mestrado em Ciência e Tecnologia Agroindustrial (FAEM/UFPEL), Doutorado em Alimentos e Nutrição (FEA/UNICAMP), Pós Doutorado no TECNOLAT/ITAL.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint