FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Tristeza Parasitária Bovina: como evitar suas perdas?

POR LUIZ GUSTAVO PARANHOS

OUROFINO SAÚDE ANIMAL

EM 18/11/2019

0
0

A pecuária brasileira enfrenta inúmeros desafios sanitários em decorrência à predisposição climática, favorecendo as enfermidades parasitárias e infecciosas. Neste contexto, o carrapato torna-se um dos maiores vilões na criação de bovinos de leite e corte sendo o principal vetor de hemoparasitas causadores de anemias.

O impacto econômico causado pela anemia por hemoparasitas é de forma indireta, uma das grandes preocupações resultando na diminuição da produção de leite, perda de peso e aumento dos custos com tratamentos e profilaxia. Com prevalência superior a 13% nos rebanhos, a Tristeza Parasitária Bovina (TPB) está relacionada principalmente com alta morbidade e a mortalidade a 36% nos animais anêmicos (doentes) da propriedade. A doença também é conhecida tecnicamente como, piroplasmose, babesiose, anaplasmose, mas popularmente a TPB é chamada de anemia, “Amarelão”, “Boca branca” ou “Tristezinha”. A larva do carrapato (larva infectante) ao picar o hospedeiro, pode através da saliva transmitir dois parasitas que infectam as hemácias (parasitas intracelulares), a Babesia spp e Anaplasma spp. As moscas hematófagas (que se alimentam de sangue) também são potenciais transmissoras de hemoparasitas, principalmente no caso da anaplasmose. Tanto a babesiose quanto a anaplasmose são tratadas ao mesmo tempo por terem diversas características em comum e devido à falta de um diagnóstico específico e preciso nas propriedades. Outros hemoparasitas causadores de anemia em bovinos também são subnotificados, como é o caso do hepatozoon, causando sinais clínicos comuns as demais enfermidades que podem levar a anemia, e por sorte, se curam com o mesmo tratamento.

O diagnóstico preciso pode ser realizado identificando o agente causador de cada doença através de esfregaços sanguíneos, observando a evolução dos sinais clínicos, diferentes períodos de incubação e, principalmente, por hemólise acentuada no caso da babesiose. A Ourofino dispõe de kits para o diagnóstico rápido que geralmente é realizado por uma equipe de consultores técnicos especializados, presente em todo Brasil.

O tratamento para ambas as doenças é geralmente feito ao mesmo tempo, apresentando elevada eficácia e quanto mais rápido o animal doente for identificado e tratado, mais rápida é a sua recuperação e cura clínica. Ao tratar apenas um dos agentes da doença, corremos o risco de ter uma infecção subsequente de maior gravidade por conta do outro hemoparasita. Mas como isso pode ocorrer? Se um animal apresentando ambas as hemoparasitoses, mas apenas sinais clínicos e diagnóstico comprovado para babesiose e, consequentemente, o tratamento apenas com babesicida, o agente da anaplasmose que está presente em menores quantidades, pode posteriormente levar ao óbito do animal sem qualquer manifestação clínica, simplesmente pelo dano que a babesiose causou ao animal anteriormente, impedindo que haja tempo para qualquer ação terapêutica.

Para o tratamento de anaplasmose utilizamos antibióticos à base de oxitetraciclina (Ourotetra LA Plus®), e para babesiose (piroplasmose), diaceturato de diminazeno (Pirofort®), não esquecendo a terapia suporte (soro, hepatoprotetores e, eventualmente, transfusão sanguínea). Estes medicamentos, além de prevenirem, possuem alta eficácia curativa. No entanto, quadros clínicos graves podem comprometer o sucesso do tratamento.

Outro método de controle da doença é feito através da quimiprofilaxia, que consiste em tratar os animais antes da sua exposição ao parasita. Nesse caso, os animais são tratados e posteriormente expostos aos carrapatos e, à medida que a concentração da droga diminua, o animal gradativamente será exposto a uma quantidade crescente de carrapatos contaminados e, assim, desenvolvendo sua imunidade contra as doenças. Para a quimioprofilaxia, é indicado o uso de dipropionato de imidocarb (Enfrent®).

Diagrama ilustrativo da quimioprofilaxia. Fonte: adaptado de Carrapatos na Cadeia Produtiva de Bovinos. Embrapa Gado de Corte, Brasília-DF, 2019.

FERNANDO POLIZEL E MARCELO FECKINGHAUS

DEPARTAMENTO TÉCNICO OUROFINO

Fale com o time de Atendimento ao Cliente da Ourofino Saúde Animal pelo box abaixo ou:

De segunda a sexta, das 8h às 17h (horário de Brasília), exceto feriados.

WhatsApp 16 98181-8687 

e-mail: relacionamento@ourofino.com

0800 941 2000

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.