Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

USDA reforça cenário de oferta 'folgada' de grãos

postado em 13/09/2016

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Quem esperava que as novas estimativas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) sobre oferta e demanda de grãos no país e no mundo nesta safra 2016/17 pudessem abrir espaço para um nova escalada de preços de milho, trigo e soja no mercado internacional, se decepcionou. Divulgadas ontem (12), as previsões não só não ofereceram sustentação às cotações como passaram a pressioná-las um pouco mais.

No mercado de milho, o USDA promoveu leves ajustes para baixo, em relação ao quadro que divulgou em agosto, em suas projeções para as produções americana, que passou a ser calculada em 383,4 milhões de toneladas (ainda 11% maior que a da temporada 2015/16), e global, agora calculada em 1,027 bilhão de toneladas (7% acima do ciclo anterior). As correções reduziram ligeiramente a previsão do órgão para os estoques mundiais ao término do ciclo, para 219,46 milhões de toneladas, mas o novo número ainda é mais de 10 milhões de toneladas superior ao do fim da safra 2015/16.

No caso da soja, as produções americana e global foram ajustadas pelo USDA para cima - 114,3 milhões e 330,4 milhões de toneladas, respectivamente -, e com isso os estoques finais mundiais também foram elevados, para 72,17 milhões de toneladas. Trata-se de um volume um pouco inferior ao de 2015/16, mas ainda assim considerado confortável por analistas de mercado.

No caso do Brasil, o USDA elevou sua previsão para a produção de milho em 2016/17 - no Hemisfério Sul, o plantio do cereal está na fase inicial - e reduziu seu cálculo para a soja. No primeiro caso, passou a projetar 82,5 milhões de toneladas, ante 67 milhões em 2015/16; no segundo, ajustou o volume para 101 milhões de toneladas, alta de 4,7% na comparação. 

As informações são do Valor Econômico.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade