Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Uruguai: exportações de lácteos aumentam 41% no primeiro trimestre; Brasil lidera aquisições

postado em 20/04/2017

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O ano de 2017 começou com melhores perspectivas para o setor leiteiro do Uruguai, principalmente para a exportação de produtos no mercado internacional. A recuperação dos preços e um maior volume de exportação marcaram a tendência no início do ano.

Durante o primeiro trimestre (janeiro-março), o Uruguai exportou US$ 147,48 milhões em produtos lácteos. Isto significou um aumento de 41% com relação aos mesmos meses de 2016, segundo o Instituto Nacional do Leite (INALE).

O gerente geral do INALE, Gabriel Bagnato, disse que esses são dados "muito positivos" e se devem a uma "recuperação interessante" dos valores e volumes exportados. Eles também geram "boas perspectivas”.

O valor das exportações de leite em pó integral, no período acima mencionado, foi de US$ 83,59 milhões, um aumento de 40%; o do leite em pó desnatado foi de US$ 12,08 milhões (+76%); queijos, US$ 31,49 milhões (+28%); e manteiga, US$ 12,35 milhões (+47%).

Esta mudança "encorajadora" é principalmente devido aos preços obtidos pelos produtos nos últimos meses, que se comparado com ao início de 2016, são muito superiores. No primeiro trimestre, o leite em pó integral ficou em US$ 3.393 por tonelada, um aumento de 38% em relação ao valor nos mesmos três meses do ano anterior. O leite em pó desnatado ficou em US$ 2.797 por tonelada (+17%); o dos queijos ficou em US$ 4.000 por tonelada (+23%) e o de manteiga ficou em US$ 4.502 por tonelada (+48%).

Em volume, foram exportadas 25.312 toneladas de leite em pó integral, 1% a mais do que 2016. Além disso, 4.171 toneladas de leite em pó desnatado (+50%), 8.161 toneladas de queijos (+4%) e de 2.796 toneladas de manteiga (+0%).

Bagnato disse que o Uruguai, apesar de ter uma diversidade de cerca de 70 destinos, aproximadamente, concentrou seus envios nos países do Mercosul. Ele comentou que o Brasil lidera as importações, ficando com 50% das exportações uruguaias. Além disso, outras alternativas, como a Rússia, Argélia, China, México, Cuba e Venezuela também aparecem.

A China aumentou as compras de produtos lácteos, exceto de manteiga por seu alto valor, nos dois primeiros meses do ano. O país volta a mostrar uma reativação para os produtos lácteos que seria muito benéfica para a produção uruguaia.

Entraram no mercado chinês 4% mais toneladas de leite em pó integral, por um valor 20% maior em relação aos dois primeiros meses de 2016. Os volumes e os preços do leite em pó desnatado também aumentaram, em 4% e 15%, respectivamente; e os de queijos aumentaram 14% e 2% respectivamente. No entanto, as vendas de manteiga aumentaram 29% em valor neste período, mas tiveram queda de 22% em volume.

As informações são do El País Digital, traduzidas pela Equipe MilkPoint. 

"Se você aproveitou o conteúdo do MilkPoint durante o ano de 2016, saiba que nossa equipe o preparou com toda a dedicação para você! Vote em nós para o Troféu Agroleite: nos dê esse presente! Clique aqui para votar no MilkPoint como melhor mídia digital"

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

alexandre duarte

Santo Anastácio - São Paulo - Produção de leite
postado em 20/04/2017

ai e que eu digo cade os representante da cadeia produtiva do leite onda esta os caras para defender os produtores para nao haver a importaçao desse leite . tem que seguir o exemplo dos  produtores de cafe que fizeram a maior briga e nao deicharao importa o cafe

Carlos Alberto T. Zamboni

Mococa - São Paulo - Produção de leite
postado em 24/04/2017

Bom dia
E a safra de lá ainda não começou !  

Devemos orientar os Produtores Brasileiros, que em se mantendo a atual politica de importação, a qual não vejo neste momento mudanças significativas, que teremos um segundo semestre com maiores ofertas de leite, sem termos a segurança que o consumo irá seguir no mesmo ritmo.

abs

ZAMBONI

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade