carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Seminário debate importação de leite uruguaio e reidratação

postado em 10/10/2016

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os produtores de leite e derivados da Região Sul, principalmente do estado do Rio Grande do Sul, têm enfrentado sérias dificuldades nos últimos meses em virtude do aumento da importação dos laticínios do Uruguai. Além disso, a queda dos preços do leite vem ocorrendo desde o mês passado e deve continuar até o fim do ano. Esse é parte do panorama apresentado na última sexta-feira (7) em seminário promovido pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). A senadora Ana Amália (PP-RS), presidente da comissão, conduziu os debates e lembrou que há 850 mil famílias produtoras de leite no Brasil.

O presidente do Sindicado da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindilat/RS), Alexandre Guerra, informou que 105 mil famílias são produtoras de leite no estado, ou seja, mais de 300 mil pessoas estão diretamente envolvidas social e economicamente nesse setor. Segundo Guerra, o Rio Grande do Sul responde por 13% da produção nacional de leite. Ele pediu a diminuição das importações vindas do Uruguai, pelo menos temporariamente, pois os produtores brasileiros não têm como concorrer com os preços baixos do vizinho.

Preços defasados

O presidente da Aliança Láctea Sul Brasileira, Jorge Rodrigues, disse que a situação está bastante crítica, pois os preços estão defasados desde o ano passado. A partir de maio de 2016, a situação ficou mais preocupante pelo aumento do volume importado do Uruguai. Principalmente de leite em pó, que só pode ser importado para ser reidratado na região atendida pela Sudene, por força de normativas do Ministério da Agricultura.

Jorge Rodrigues explicou que a situação com o leite argentino foi solucionado por meio de acordo extraoficial entre os setores privados daquele país e do Brasil. Ele pediu a revogação da Instrução Normativa 26 do Ministério da Agricultura, para diminuir o impacto do leite em pó uruguaio na balança comercial brasileira. "Não estamos com falta de leite no Brasil, por que importar? Estamos prejudicando nossa produção com importação desnecessária. Há desequilíbrio no volume de exportação do Uruguai", disse Jorge Rodrigues.

Pequeno produtor

Já o representante da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag), Nestor Bonfanti, disse que os produtores de leite do Brasil ficam à mercê da variação de preços, o que prejudica esses trabalhadores. Ele propôs que seja estabelecido um preço-mínimo para o leite nacional, para proteger principalmente o pequeno produtor, que nunca sabe exatamente quanto receberá pelo leite produzido.

O deputado Ernani Polo, secretário de Agricultura do Rio Grande do Sul, afirmou que a situação está dramática no estado. Segundo ele, as oscilações de preços prejudicam os produtores e desestabilizam o mercado. Ele também defendeu um preço-mínimo para o leite, para que o produtor possa se organizar e planejar sua produção.

Produtividade baixa

Os representantes do Ministério da Agricultura, Gustavo Cupertino Domingues e João Salomão, informaram que os maiores produtores de leite do mundo são a União Europeia, Índia, Estados Unidos, China, Rússia e Brasil. Eles acrescentaram que o Brasil é o sexto maior país consumidor de laticínios e que a produtividade brasileira ainda é baixa se comparada à média mundial.

Eles também justificaram a normativa que permite a reidratação do leite em pó uruguaio por ser permitida apenas na região da Sudene, ou seja, áreas que sofrem restrição de oferta.


A senadora Ana Amélia (PP-RS), que preside a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), coordenou os debates sobre a situação dos produtores de leite. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Cotas proibidas

Por sua vez, o representante do Ministério das Relações Exteriores, o diplomata Otávio Brandelli, explicou que a Organização Mundial do Comércio (OMC) não permite que sejam estabelecidas restrições quantitativas no comércio internacional. Ele explicou que o acordo com os produtores argentinos foi voluntário e entre entes privados e que um acordo semelhante pode ser tentado com o Uruguai, mas não pode ser com atitudes unilaterais do Brasil. "Oficialmente, as cotas de limitação de quantidade de comércio são proibidas mundialmente. Nenhum país quer ver suas exportações limitadas", disse Brandelli.

Ao final do encontro, a senadora Ana Amélia leu mensagens e perguntas enviadas por cidadãos de todo o país durante a audiência pública, que foi interativa.

As informações são da Agência Senado. 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

José Carlos Azevedo

Campos dos Goytacazes - Rio de Janeiro - Produção de leite
postado em 11/10/2016

Notícias boas para os produtores de leite, normalmente não perduram pelo tempo necessário. Chegou a hora de incentivar a produção do leite em diversas regiões do Brasil. Com certeza não gostaria nunca de ver sacrificado qualquer  país produtor de leite em detrimento do nosso setor. Só que temos o leite como renda de muitas famílias por aqui, principalmente os varejistas que produzem o bom leite em pequena escala e mesmo com pouquíssima produção, ainda é para muitos sua fonte de renda única, acreditem, e sabemos disso.
Nossos governantes e dirigentes responsáveis, principalmente os atuais, conhecem  todas as mazelas do setor e podem com o conhecimento dos meios diversos ajudarem a todos brasileiros que lutam pela sobrevivência no Campo. Quem sabe não chegou a hora de tomar as devidas providências neste atual contexto de um Brasil sem o efeito Corrupção.
José Carlos Azevedo
Pequeno Produtor de Leite no Noroeste Fluminense

Nelson Jesus Saboia Ribas

Guaraci - Paraná - Produção de leite
postado em 11/10/2016

Qual o resultado prático desse seminário? Cada segmento faz seu discurso e nada acontece, tem até quem propõem revogar a IN 62!! Alias do jeito que esta pra que serve mesmo a IN62? Não tem solução!!!

Adriano Reis Queiroz Costa

Frutal - Minas Gerais - Indústria de insumos para a produção
postado em 12/10/2016

As cooperativas deram início a batalha por uma política leiteira digna à classe produtora,cabe aos produtores darem apoio a ideia, darem vazão ao projeto. Vamos divulgar, vamos cobrar, afinal, o que fizemos para que a Pecuaria de hoje tenha um futuro melhor amanhã? Eu apoio esta causa!!!!

Aloisio Rogério de castro

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 16/10/2016

Boa tarde. Acho que deverá haver um esforço nacional visando uma política de ganha ganha entre consumidores, produtores , laticínios e varejista. Deveria se envolver todos os estados produtores da união visando o bem estar de todos. Esta reunião e de grande prioridade uma vez que esta atividade  impacta bastante a economia do país. Supero que a senadora Ana Amélia a quem admiro muito leve  em frente está luta para que haja uma intenção discussão da cadeia integrada . Precisamos de resolver de uma vez a regulamentação da atividade de produção leiteira no Brasil , e não existe melhor momento , onde discutimos os rumos do Brasil para entrarmos com este tema em pauta pela sociedade. Uma ração Aloisio

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade