Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Importações brasileiras de lácteos caem pelo 3º mês consecutivo

postado em 11/09/2017

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

De acordo com os últimos dados da balança comercial, as importações brasileiras de lácteos caíram pelo terceiro mês consecutivo em agosto. No mês, foram internalizados 104,3 milhões em equivalente-litros de leite, 11,4% de queda em relação a julho, e o segundo menor volume no acumulado mensal desde fevereiro de 2016. Em relação a agosto de 2016, a retração foi de 46%. Oferta em alta, aliada à demanda enfraquecida e preços baixos foram os motivos que trouxeram essa queda no Brasil.

O leite em pó integral manteve a tendência de queda nas importações, e fechou o mês de agosto com o menor volume mensal acumulado do ano (5,34 mil toneladas), 19% de queda em relação a julho/2017, e 56% de queda quando comparado com agosto/2016. Sem muitas novidades no mercado, os preços externos em níveis um pouco superiores aos de um ano atrás, associados ao cenário brasileiro de oferta excedente e demanda retraída, fizeram com que a as importações seguissem em queda.

Da mesma forma segue o leite em pó desnatado. Apesar dos preços internacionais mais competitivos, o volume importado do derivado voltou a cair em agosto/17, ficando em 2,03 mil toneladas importadas.

Um destaque relevante vai para as importações de queijo. A muçarela, responsável por aproximadamente metade das importações totais de queijo, apresentou crescimento nas importações mensais em agosto em relação ao mês anterior, indo para quase 2 mil toneladas (quase 25% de aumento). A queda dos preços de importação, aliada à queda da taxa de câmbio em agosto, fez com que as importações voltassem a crescer, apesar da demanda estar aquém do que se esperava.

Gráfico 1. Volume importado e preço de importação da muçarela. 

balança comercial - lácteos - mdic

O resumo das operações de exportações e importações de lácteos durante o mês de julho é apresentado na tabela 1.

balança comercial - lácteos - mdic

O volume total exportado em agosto, de 2,87 mil toneladas, foi quase 15% superior ao registrado em julho. Impulsionado, principalmente, pelo leite condensado, que teve 725 toneladas embarcadas a mais no mês de agosto em relação a julho.

Por MilkPoint, com dados do MDIC.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Darlani de Souza Porcaro

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 11/09/2017

Através   do Milk  Point , gostaria  que as autoridades ligadas ao setor leiteiro ,  se é que tem , pois estamos sem proteção alguma,  pudesse dar um jeito de conter as entradas de leite , de todos os tipos, importado até dos USA  , que entra pelo Uruguai, Argentina,   ocasionando    uma oferta de leite demasiada ao nosso país, que , nós não temos concorrer com eles, pois é leite subsidiado , Americano , Nova Zelandia , enquanto nós pagamos impostos altos, e somos dirigidos por bandidos, só pode!!

Nelson vilmar

São Paulo - São Paulo - Produção de leite
postado em 12/09/2017

Poderíamos exportar mais desequilíbrio total 1 para 7 ou seja 600 % é  uma grande diferença.

Walmir Veloso

OUTRA - OUTRO - Produção de leite
postado em 12/09/2017

Infelizmente os nossos políticos, Senadores e Deputados, que são ligados ao Agronegócio, me referindo a pecuária, na maioria são criadores de gado de corte e não estão nem ai para os produtores de leite,   Somos citados e procurados somente em época de eleições, caça de votos, não conseguem nem impedir as importações do Uruguai e Argentina, mesmo sabendo da crise que a pecuária leiteira esta passando. Pouquíssimas empresas produtoras de lácteos estão na mídia, o Governo não estimula em nada a população quanto ao consumo de leite mesmo sabendo que é necessário à saúde. Já somos poucos os que conseguem sobreviver com o leite como principal renda e da forma como as coisas estão encaminhando só vai piorar. As Cooperativas deveriam sofrer uma fiscalização mais rígida pois não beneficiam em nada o produtor e sim tiram proveitos dos incentivos dado pelo Governo, e vendem rações até mais caras que produtores privados.  

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade