Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Acordo Mercosul e UE faria EUA perderem competitividade no Brasil

postado em 11/08/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O mercado de agronegócio e de alimentos dos Estados Unidos tem muito a perder se o Mercosul e União Europeia fecharem um acordo comercial. Os norte-americanos seriam afetados principalmente nas negociações com o Brasil, o principal mercado do bloco. Estudo do serviço de representação do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) no Brasil aponta que, se concretizado, o acordo daria uma condição bem pior de competitividade aos produtos dos Estados Unidos em relação aos da União Europeia.

Atualmente, tanto Estados Unidos como União Europeia têm as mesmas taxas de barreiras nas exportações para o Brasil. Além disso, os dois - europeus e norte-americanos - têm produtos semelhantes na lista de exportações para os brasileiros. O Mercosul já é um grande competidor dos norte-americanos no setor de agronegócio. O bloco é líder mundial em produção e exportação em vários setores importantes, como soja, carnes, açúcar, café e suco.

Por formar o maior bloco do mundo, os europeus teriam grandes vantagens nas exportações e importações de produtos do Mercosul, dificultando a presença dos norte-americanos na região. Enquanto os países do Mercosul querem abrir mais o mercado para seus produtos agrícolas, os europeus estão de olho em produtos industrializados como queijo e chocolate, que chegam a ter taxa de importação de 28%. No ano passado, os Estados Unidos exportaram o correspondente a US$ 1,38 bilhão de produtos agrícolas ao Brasil. No mesmo período, a União Europeia colocou no país o correspondente a US$ 1,79 bilhão.

Trigo e etanol lideram as compras brasileiras nos Estados Unidos, enquanto na União Europeia o país busca produtos lácteos, peixes e frutos do mar. As preocupações de redução de mercado com o bloco do Mercosul não são só dos produtores norte-americanos. Os europeus também temem, uma vez que os custos de produção nos países do Mercosul são menores. A chegada de Donald Trump ao governo dos Estados Unidos deu uma freada nos acordos internacionais de comércio. Além de discutir o acordo do Nafta (formado pelos países da América do Norte), os Estados Unidos deixaram o TPP (Parceria Transpacífico), que englobava 12 países.

As informações são do jornal Folha de São Paulo. 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade